domingo, 31 de outubro de 2010

FHC, O ESTADISTA QUE FOI PROMOVIDO A POVO


FHC, O ESTADISTA QUE FOI PROMOVIDO A POVO




O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso concede uma notável entrevista a Mario Sabino na VEJA desta semana. É o retrato da civilidade política, do equilíbrio e do bom senso. No poder, dizia-se que a sua característica mais evidente era tornar menores as crises e os problemas, em vez de extremá-los. Não mudou. Nem mesmo as evidentes injustiças de que é alvo o tiram do prumo ou mudam o seu humor. A tudo vê com certo estoicismo civilizador.

*

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, de 79 anos, é um homem realizado. Na Presidência, derrotou a inflação, por meio do Plano Real, lançado quando era ministro da Fazenda de Itamar Franco, e promoveu privatizações bem-sucedidas, que desoneraram os contribuintes, possibilitaram o surgimento de empresas fortes e globais, como a Vale, e universalizaram o sistema de telefonia. Fora da Presidência, ele assumiu, dentro dos limites brasileiros, o papel de um ex que chama os políticos às falas quando a democracia está em perigo. Na semana passada, na sede do instituto que leva seu nome, ele deu a seguinte entrevista a VEJA:



O que o senhor sentiu no exato instante em que deixou de ser presidente da República, ao passar a faixa para Luiz Inácio Lula da Silva, em 2003?

Fiquei emocionado, é claro, até porque o Lula disse que eu deixava lá, no Palácio do Planalto, um amigo - o que, naquele momen¬to, talvez fosse verdadeiro. Mas a minha emoção também se deveu ao fato de eu sentir que vivia um momento histórico que ultrapassava em magnitude outras passagens da faixa presidencial.



Por quê?

Porque, durante os meus mandatos, com o consenso da sociedade, havíamos conseguido mudar o Brasil para melhor. Eu entregava a Lula um país que, a despeito de todas as crises econômicas mundiais que marcaram aqueles anos, estava mais sólido do ponto de vista da economia. Com o Plano Real, iniciado no governo de Itamar Franco, e a autonomia do Banco Cen¬tral, vencemos a inflação. Com a implantação da Lei de Responsabilidade Fiscal, detivemos um dos sangradouros de dinheiro público. Com as privatizações, alcançamos a universalização do sistema de telefonia. Além disso, havíamos superado os traumas políticos causados pelo regime militar, as arestas da redemocratização e o impeachment de Fernando Collor de Mello. Tudo isso me à cabeça no momento em que passei a Presidência a Lula.



E para além da emoção, digamos, institucional?

Depois da cerimônia, rumamos, eu e Ruth, para o aeroporto, onde muita gente amiga nos esperava para a despedida. Foi aí que a emoção mais pessoal começou. Abracei assessores que haviam trabalhado comigo durante oito anos seguidos, que faziam parte do meu cotidiano. Embarcamos, então, para São Paulo, ainda no avião presidencial. Ao chegar, troquei de roupa e seguimos para o avião comercial que nos levaria a Paris. Nesse momento, relaxei, tive uma sensação boa de dever cumprido - tanto no plano institucional como no individual. Quando chegamos a Paris, voltei um pouco a ser presidente, porque nos esperavam o então embaixador na capital francesa, o Marcos Azambuja, e o da Unesco, o José Israel Vargas, ambos meus amigos. Não havia séquito, mas, ainda assim, desembarcamos no terminal oficial, entramos num carro, escoltados por policiais franceses. Ao chegar ao hotel perto da cidade de Chartres, onde permanecemos por alguns dias antes de ficar em Paris, eu chamei o chefe da guarda francesa, agradeci a atenção, mas disse que dispensava aqueles cuidados. Ele me respondeu que estava cumprindo ordens e, portanto, seus homens tinham de fazer a segurança.



E o que o senhor fez diante dessa resposta?

Eu renovei meu agradecimento e enfatizei que não queria ninguém perto de mim nem de minha mulher. Eles foram embora. Dormi, então, a minha primeira noite de mortal comum. No dia seguinte, eu e Ruth fomos a Chartres sozinhos, para visitar a esplêndida catedral gótica - um passeio maravilhoso em todos os aspectos, mas principalmente pelo fato de não estarmos mais acompanhados de comitiva, seguranças e repórteres. Recuperei, enfim, minha privacidade. Em Paris, também dispensei os serviços que a embaixada queria me prestar e voltamos a andar de metrô, como sempre fizemos. Uma delícia - e com um efeito muito didático. Porque uma coisa é o Planalto; outra é a planície. Na planície, você é promovido a povo.



Não houve nenhum momento de angústia por causa da perda do poder?

Não, de verdade. Evidentemente, isso deve variar de pessoa para pessoa. O fato é que me considero, digamos assim, um homem pluridimensional. Além de ser político, tenho uma vida intelectual, uma vida interior, que pude retomar com o fim da minha Presidência. Entrei nela imediatamente, começando a escrever o livro A Arte da Política, que seria lançado em 2006. Ainda na França, passei a ver meus amigos que lá moram. Uma única vez fui ao Palácio do Eliseu, para uma refeição com Jacques Chirac, então presidente. Ele me recebeu com honras de estado, verdadeiro cavalheiro que é, e depois me ligou duas vezes. Deixou mensagens na secretária eletrônica: “Alio, Fernando, ici c’est Jacques”. Mas resolvi viver de fato o meu dia a dia de turista, na planície, como disse.

(…)

Aos olhos de muitos brasileiros, o senhor e o presidente Lula parecem nutrir uma rivalidade que ultrapassa o campo político e adentra o das personalidades. Algo semelhante à dos personagens daquele conto do escritor inglês Joseph Conrad, Os Duelistas, que se batiam em armas sempre que se encontravam, sem razão objetiva para tanto. É uma percepção cor-reta?

Da minha parte, garanto que não. Da do Lula, parece existir tal rivalidade. Não sei por que ele insiste tanto em comparar-se a mim. Nessa última campanha, por exemplo, falaram o diabo do meu governo, embora eu não fosse candidato. E eu não tenho direito de defesa, veja só! O Lula não precisava de nada disso. Para mostrar o que fez, ele não tem necessidade de tentar desfazer as conquistas do outro. Até porque ele deu continuidade a políticas do meu governo e acrescentou aspectos positivos a elas. O Lula, por exemplo, manejou bem o timão durante a última crise econômica, mas não foi ele quem estabilizou o país. Ele também não criou os programas sociais, mas os expandiu. Fez a sua parte? Fez. Então, por que tentar cancelar o passado e dizer que o Brasil nasceu no seu governo? O Lula não necessita disso como político. O que me leva a pensar que, de fato, ele tem um problema de ordem psicológica em relação a mim. Quando o Lula solta a frase “nunca antes neste país”, eu até brinco que ele poderia dizer que “nunca antes neste país viveram tantos brasileiros”.

(…)

E como a história o julgará?

A história é uma contínua reinterpretação — e será assim tanto em relação a mim como em relação ao Lula. Mas isso não me abala. Ora vão me exaltar, ora me esculhambar, dependendo da visão ideológica que se tenha no momento. Não é assim em relação até mesmo a grandes nomes como Napoleão e Bismarck? Por que não seria comigo? Esse é o ônus dos políticos que fizeram algo de relevante, deixaram uma marca pública e não permitiram que sua vida passasse em branco. É o meu caso - e também o do Lula.

sábado, 30 de outubro de 2010

ATÉ QUE ENFIM




Nunca neste país houve uma eleição tão fria. Dois candidatos sem carisma , uma laranja. Se não der zebra, teremos um governo que será um prato feito para a mídia. Certamente por isso, setores petistas, a começar pelo próprio presidente, querem controlar a liberdade de imprensa. Mas aqui não é a Venezuela nem a Argentina. O candidato das oposições terá no mínimo, quarenta por cento dos votos. Ponto para a democracia. O presidente não vai deixar o palanque. Aliás, ele não governou de palanques e clarques? Dilma ganhando, será seu terceiro mandato. Para o bem, ou para o mal.




OPOSIÇÕES

Aécio, o Neves, despontará como a maior liderança das oposições. Diferentemente de Serra, tem carisma, e sabe fazer política. Aliás, o Brasil precisa urgentemente de um partido verdadeiramente liberal. Afinal, precisamos de capitalismo, como Gramsci chamaria de capitalismo livre-concorrencial. Nosso estado há séculos foi privatizado, desde a colonização portuguesa. A união do velho patriarcalismo, com o patrimoinialismo. Um partido liberal moderno, dinâmico e essencialmente urbano, com base nas classes médias, sobretudo as nascentes, filhas do plano real de Fernando Henrique. Senão ficaremos eternamente escravos do endeusamento do estado , o pai do atraso e da corrupção do país.



PRIVATIZAÇÃO



É preciso vender o que resta de empresas estatais. Faltou gente na campanha para defender o liberalismo , fundamental para o crescimento econômico, ético e moral de uma nação. Ainda estamos longe disso, apesar dos avanços na área econômica e na política com a democracia. Abaixo PETROBRÁS, Banco do Brasil, INFRAERO, Banco do Nordeste, e todos os cacarecos que infestam a vida dos brasileiros. Por um serviço público essencialmente profissional e republicano.



REFORMAS



Dentre as reformas capitalistas, precisamos de uma reforma tributária, federativa, judiciária, previdênciária, sindical, para desvincular os sindicatos mafiosos do estado, trabalhista educacional, e muitas coisas mais. Lula não fez nada, apenas aumentar os gastos públicos. Inchou a máquina estatal, aumentou salários, para o próximo presidente pagar, claro. De carta forma Lula foi um liberal, deixando a macroeconomia nas mãos do banco central , de orientação liberal/conservadora, o que lhe salvou o mandato, dando-lhe a popularidade que tem no momento. Isso já comaça a ser história. Deixar levar, deixar fazer. Menos mal.


CAPOEIRAS

Uma falsa polêmica correu a cidade de Capoeiras recentemente. Ao construir uma creche no campo de futebol da cidade, a prefeitura argumentou a prioridade a creche, sobretudo por sua localização, e neste sentido seria mais importante do que o campo de futebol. Ora bolas, tanto o campo como a creche são necessárias para a comunidade, não é prefeito Dudu? Aliás, a prefeitura devia mesmo encher o município de campinhos de futebol, obras de baixo custo e de grande alcance social, pois tira a juventude do àlcool e das drogas, que afinal são quase a mesma coisa, e uma é caminho da outra. O povo quer creches. Também campos de futebol, não só um, o oficial. Campos de futebol para os meninos e as meninas, nas periferias da cidade e também na zona rural. Alô, Roberto Almeida! Cadê você? Vamos construr campos de futebol para o povo. O povo merece, campos para todos!

 

                   CAPOEIRAS PELADA


Capoeiras também precisa urgentemente uma campanha pela arborização da cidade. Será que o povo de lá não gosta de Árvores? Num sol de meio dia, é dificil por lá se abrigar. Vamos plantar árvores por toda a cidade! Alô Dudu, alô Roberto Almeida? Cadê as árvores da cidade, será que árvore também não é cultura? Aliás, tem-se que cuidar da urbanização da entrada da cidade, que aliás, vai ser o lugar mais bonito da mesma. É preciso cuidado, e sobretudo planejamento. Bota a boca no trombone, velho amigo Sulipa!
Vamos fazer uma campanha pela arborização de Capoeiras!

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

POLITICA EM GARANHUNS


POLÍTICA EM GARANHUNS




Muito boa a iniciativa de reunir as elites da cidade para discutir os rumos políticos do município, na AESGA, esta semana. É preciso urgentemente renovar a política local. Claro, quando falo nas elites, me refiro , não no sentido pejorativo, mas na procura da união do que a cidade tem de melhor, que são as pessoas que procuram pensar a cidade. Como Garanhuns é um polo educacional já consolidado, nada melhor que dentro de suas instituições de ensino possa sair os melhores quadros dirigentes do município.

De minha parte, já lançaria a chapa de duas mulheres. Aurora para prefeita, Eliane Simões para vice. Ou vice-versa. Seria a junção de uma ótima articuladora política como Aurora, com uma excelente administradora como Eliane. Além do mais, seria a chapa mais simpática da cidade. Isto com o apoio de Ivo, Tinoco, Marinho,Pedro Falcão, Izaías, Sivaldo e muitas lideranças que realmente querem o soerguimento político e administrativo para a cidade. Por que, neste acordo, não garantir pelo menos dois deputados etaduais, e um federal? É preciso pensar grande, a tentar acabar com as habituais picuinhas que tem caracterizado a política local nos últimos anos.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

ÁGUA EM CAETÉS E CAPOEIRAS



Nem me lembro quem disse, que” desconfiava sempre de uma civilização que não universalizou a água e o saneamento básico”, mais ou menos assim. A região tem água, com a barragem do Gurjáo, em Capoeiras, mas a infraestrutura, digamos assim, é insuficiente para mandar a água para todos. Claro, o uso do Gurjão tem seus limites, sendo preciso outras alternativas para Caetés. Sugiro a criação de uma grande barragem no sítio Poços em Caetés, para solucionar o problema. Para o povo de Capoeiras, chega água de dez em dez dias. Para Caetés, de quinze a trinta dias. Foi bom Roberto Almeida ter tocado no assunto. Deveríamos fazer uma campanha pela resolução do problema. Uma campanha cívica e apartidária, unindo os interesses das duas cidades, tão abandonadas pelos últimos governos estaduais.

TRÊS POR CENTO


 
Orgulhosamente, pertenço a este segmento da população que acha que o governo Lula foi péssimo e ruim. Ou pior, eu diria medíocre. Na macroeconomia conservadora, tudo bem. No mais, corrupção deslavada, tentativas de cercear a liberdade de imprensa, uso e abuso da máquina do estado para fazer política, assistencialismo exagerado e claramente propagandeado, mentiras constantes e arrogância exagarada no trato com a oposição, política externa ridícula, e vai por aí. Enquanto o povo estiver comprando carros e consumindo tudo bem. Porém não existe em economia, almoço grátis. Na Europa, já estão desmontando o carríssimo estado de bem estar social. Aqui, nunca chegamos lá, mas a conta da farra estatal virá, e é preciso apertar o cinto. Dilma fará o ajuste? Como se comportará diante da adversidade? Ademais, o próprio Lula deu aumentos ao funcionalismo além de contratar mais de cem mil funcionários, só que conta , seu sucessor irá pagar. Ou melhor, nós o povo pagaremos.

O CHEFE

Quando Hitler fazia aniversário, toda a nação se babava. Lula faz aniversário, e os babões destilam elogios na imprensa.” Olha, o aniversário do chefe! Olha como ele fala bem! Olha como ele é superior! Nunca vi tantas canalhices. E ainda dizem que a imprensa é de oposição, e querem controlar a mesma. Bem que me dizia tio Rildo, um velho comunista: “Estes petistas não passam de uns fascistas”. Nunca esteve tão certo.









CAPACETE

Lula disse que as oposições deveriam andar de capacete para evitar que jogasem bolinha de papel em suas cabeças. Ele quer tirar o direito da oposição de fazer política? Uma bolinha de papel é coisa séria, quando se tenta cercear o direito de parte da população que não estrá com o governo de fazer manifestações. E quando o PT era de oposição? Já viram quadrilhas tucanas atrapalhando suas manifestações? Ao contrário em cada manifestação oficial, gatos pingados petistas estavam sempre presentes para fazerem arruaças. Estão lembrados? Lula devia colocar era um freio na sua língua suja. Mas os babões gostam. Principalmente àqueles que mamam nas tetas oficiais.



APROVAÇÃO POPULAR



Lula comemora mais de oitenta por cento de aprovação popular. Tudo bem, porém, mais de quarenta por cento da população não vota em sua candidata. Menos mal. Aliás, além de ruim, este governo Dilma vai ser um prato feito para a imprensa. E um prato bem indigesto para o povo. Quem viver ,verá.


 DE PIJAMA

Ou será mesmo que Lula, o chefe, vai mesmo governar de pijama? Com Dilma seguindo suas ordens? Será que ela vai mesmo mandar? Lula, como um típico novo rico, já lamenta a perda das mordomias oficiais. Afinal, como dizia Joãozinho Trinta, quem gosta de miséria é intelectual. Povo mesmo gosta de luxo. Lula que o diga.






                                                                                  PROFESSORES

Gosto muito da minha profissão. Mas a burocracia, mata. Você tem que passar todo o tempo corrigindo, colocando notas , avaliando sem parar, com turmas de cerca de quarenta alunos, fazer chamadas, registrar matérias, o diabo. Só não resta tempo para estudar. Não só estudar, mas se informar melhor neste mundo globalizado. Tem que mudar quase tudo na educação. Voltar a disciplina nas escolas, o respeito pelos professores, estes com cursos disponíveis e tempo para estudar. Internet para todos. Aliás: Para que livros didáticos com a internet? Ademais, a própria rede pública, deveria ter seus programas, para as aulas, para melhor informação dos próprios professores, enfim. Uma escola rica e criativa, com bom espaço físico, como bibliotecas e multi-mídias. Em tempo integral. E os professores sendo permanentemente avaliados , por que não? Aí vem o governo com essa história de “pedagogia do amor”. Pode?

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

ARTISTAS



Tirando Chico Buarque, poucos artistas de renome estão apoiando a candidata de Lula, Dilma, a stalinista com cara de boneca. De resto, Alcione, Ziraldo, Alceu Valença e outros menos votados, ou vistos ou ouvidos, quem sabe? Chico Buarque ama a ditadura cubana, ressaltando o antiamericanismo de Lula como uma das melhores qualidades do governo. Ele, como a maioria dos artistas em questão, deviam passar pelo menos uns dois meses vivendo como os artistas cubanos, isto é, artistas sem o apoio oficial. Morreriam de fome, ou viveriam na miséria, como os de buena vista social club. É fácil ser socialista de salão. Ou ser uma viúva espiritual de Che Guevara, como diria Nélson Rodrigues. Ademais, as viúvas espirituais de Che Guevara, estão mudando para Marina, não?



LEONARDO BOFF
Quis adaptar o marxismo ao cristianismo, e a igreja católica o mandou passear. Quis conciliar o espiritualismo católico com o iluminismo, ainda mais marxista, de cunho ateu ae materialista. Tentou a “nobre” tarefa de empobrecer o cristianismo com um tipo de marxismo vulgar. Por aqui, muitos setores ainda o chamam de teólogo. Parece piada. Também apóia Dilma. E frei Beto? Também. Leonardo está para teólogo , como Marilena Chauí está para filósofa. Esta disse a “perola” de que a democracia brasileira deve-se ao PT. É tão ridículo que nem parece piada. Ele ainda vende muitos livros, afinal, idiota é que não falta neste país. Ainda mais na era Lula...



ESTATAIS



Se estatal fosse bom a ex União Soviética não teria desmoronado. Desafio um cidadão que não trabalhe numa estatal, para dizer que teve algum lucro com alguma. Pagamos gasolina mais cara por causa da petrobrás. Enfrentamos as meis horrendas filas nas agências do Banco do Brasil. E quanto se rouba, e já se roubou do estado? Só deus sabe. Tem que ter alguém algum dia para dizer isto ao povo brasileiro. É preciso a criação de um grande partido liberal no país. Senão continuaremos a eternamente ouvir besteiras enquanto o estado fica sendo privatizado eternamente pelos grupos de sempre. Que sempre roubam à direita e à esquerda. Ademais, ladrão não tem ideologia. Já genocida...



CORRUPÇÃO



Muita corrupção no caso Erenice. No senado o líder governista Romero Jucá, conseguiu adiar depoimentos comprometedores do governo, que só quer investigar depois das eleições. Se destampar a panela, a casa cai. Querem esconder as sujeiras por baixo do tapete, como sempre. As oposições precisam reagir. Se não , perdem as eleições, e ficam sem discurso. Tenho dito: estas eleições ainda não estão definidas.


AMANDA



Amanda, menina doce, olhar brilhante e crítico, risada gostosa que a todos envolvia. Magrinha, cabelos pretos e meio longos, olhos castanhos (ou pretos?) inteligente, sensível, e claro, sonhadora como todas as moças de sua idade, decidiu deixar o mundo, ou talvez voar com anjos e passarinhos de todas as cores, ou mesmo anjos-passarinhos. Deixou todos nós muito tristes, seja pelas suas tristezas e angústias, ou por sua tão inesperada e incerta decisão. Como diria se não me engano Dostoyevski, quando vejo alguém fazer algum mal a uma criança, me dá vontade de pedir de volta o bilhete de entrada no universo. Morreu uma criança que já estava tornando-se mulher. Uma grande mulher, decerto. Perdemos todos nós, da cidade de Capoeiras e da escola Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Ficamos inconsoláveis. E cientes de que a vida é um fio, que se perde ou se ganha a cada dia. Mas ela deve estar bem pertinho de Deus. Bem pertinho do nosso senhor, como dizia uma velha canção popular. Para nós, a memória. Que nunca acaba. Fica com deus menina, e também com os anjos. E com os anjos passarinhos que devem ter muitos lá no céu. De todas as cores e tamanhos. Que deus te proteja para sempre.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

MOBILIZAÇÃO NACIONAL

Nunca, na história deste país, um presidente da república junto com seu partido usou e abusou de todos os meios para eleger seu sucessor, no caso sucessora. Nunca se usou tão descaradamente a chamada máquina pública para alavancar uma candidatura. Os sindicatos fazem abertamente propaganda ou para Dilma, ou contra Serra, tentando de todo o jeito desmoralizá-lo. Sindicatos pelegos , agora totalmente corrompidos pelo governo, que começou a dar dinheiro também para às centrais sindicais. Nunca, o sindicalismo brasileiro esteve tão corrompido. Nem Vargas atrelou tanto os sindicatos ao estado. Coisa de fascista, não? Alô Perón! Fala Chávez! Viva Mussolini! Estão morrendo de medo de perder as eleições.

Nunca, um presidente da república, corrompeu tanto a sociedade, ao arrepio da lei, usando e abusando da máquina pública para eleger um candidato como este. As oposições ainda são muito fortes para aguentar tamanha mobilização. Bem que um espião de minha confiança, cujo codinome é Lourenço me avisou. O esquema é grande. O BNDES já emprestou mais de duzentos bilhões para comprar a burguesia. O governo gasta doze por ano para manter o bolsa família. Bem mais em conta do que comprar setores da nossa respeitável burguesia, não? Que também se acostumou a mamar no estado pegando dinheiro barato. Já nós, os pobretões, vamos ao crédito consignado, cuja inadimplência é zero. Tungam nossos pagamentos na fonte, claro. E com juros nada camaradas. Como sempre, aos ricos o filé, aos pobres as migalhas. Quando muito. Isto é ser de esquerda? Pobre Marx, chora no seu túmulo...Ou ri bastante. Quem sabe?

FICHAS SUJAS

Foi publicado parecer do ministério público federal pelo indeferimento do registro da candidatura de José Augusto Maia, ex prefeito de Santa Cruz do Capibaribe, cujo caso é idêntico a do senhor José Luiz Sampaio, candidato derrotado a deputado estadual pelo partido de aluguel, PHS.

Bem que as oposições de Caetés alertaram ao povo da inviabilidade legal de sua candidatura. Tentaram fazer chacota da oposição, chamando-os de desinformados, mentirosos, invejosos e vai por aí. Como diz um ditado popular, o tempo é o senhor da razão. E agora, o que é que vão falar ao povo? E o dinheiro gasto na falsa empreitada saíu de onde? O falso candidato deve ser cassado por pelo menos oito anos. Ser cassado pela ditadura, por supostos crimes de opinião, foi há algum tempo até glorioso. Ser cassado pela democracia, por corrupçlão é outra coisa. Segue abaixo, o parecer do ministério público:

Parecer do Ministério Público é pelo indeferimento do registro de José Augusto Maia

Escrito por Inaldo Sampaio



21 de Outubro de 2010 às 00:00:00



1- Parecer da procuradora da República Fátima Aparecida de Souza Borghi, com visto da vice-procuradora-geral eleitoral, Sandra Cureau, a mesma que representou 8 vezes contra o presidente Lula, no 1º turno, por suposta campanha eleitoral antecipada em favor de Dilma, opina pela rejeição do recurso do ex-prefeito de Santa Cruz do Capibaribe, José Augusto Maia, pedindo o deferimento do registro de sua candidatura à Câmara Federal.



2- O parecer, datado de 12 de outubro deste ano, já foi anexado ao processo, cujo relator é o ministro Marco Aurélio Mello.



3- De acordo com o parecer, o recorrente José Augusto Maia, com base na expedição de decreto legislativo da Câmara Municipal de Santa Cruz do Capibaribe, anulando os decretos legislativos que haviam desaprovado suas contas dos anos de 2002, 2006 e 2007, pede o deferimento do registro de sua candidatura à Câmara Federal.



4- O decreto que anulou os dois anteriores não pode ser considerado, diz o parecer da procuradora, porque foi editado após o julgamento do pedido de registro do recorrente, indeferido pelo Tribunal Regional Eleitoral.



5- Tal circunstância, acrescenta o parecer, “revela o claro interesse o recorrente de afastar sua inelegibilidade, de criar uma situação artificial superveniente de elegibilidade”.



6- Além disso, prossegue a procuradora, o TSE já se posicionou no sentido da impossibilidade de revogação, pela própria Câmara Municipal, do decreto que acolhe o parecer do TCE, rejeitando as contas do prefeito.



7- Para ela, “a revogação dos decretos legislativos em questão representa verdadeira chicana para com a Justiça Eleitoral”.



8- Afirma, adiante, que não se questiona a possibilidade de o Poder Legislativo revogar seus próprios atos. Mas, neste momento, após o indeferimento do registro do recorrente, “sob o pálido argumento de cerceamento de defesa, viola o princípio da moralidade”.



9- Por tais razões, conclui o parecer, o Ministério Público Eleitoral manifesta-se pelo desprovimento do recurso.



10- Conclusão do blog: agora ficou mais difícil o ex-prefeito José Augusto Maia (PTB) vencer a disputa contra Paulo Rubem Santiago (PDT) pela 20ª cadeira na Câmara Federal a que a Frente Popular tem direito.



É isso aí.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

SERRA PODE GANHAR



SERRA PODE GANHAR




Não se iludam. Esta campanha, que começou morna com a certeza que os institutos de pesquisas davam a vitória de Dilma, vai ser muito dura. Foi muito bom, pois Lula pensava ser o dono do Brasil. Nestas eleições, ele sai como dono dos grotões, ou seja, do Brasil pré-capitalista. Se eleita, Dilma possivelmente se tornará a coveira do próprio lulismo. Afinal, quero ver este pessoal fazer qualquer ajuste fiscal, ou coisa parecida, enfim , ter que tomar medidas impopulares porém necessárias. Vejam o que está acontecendo com a Europa e a França em particular. Ou o governo joga duro contra as corporações, ou vai à falência. Mas Serra pode ganhar. A próxima semana será decisiva. Mas o Brasil não é a Venezuela. Estão avisados, petistas?




FASCISTAS




Como os fascistas de carteirinha, militantes petistas agrediram Serra no Rio de Janeiro. Do mesmo jeito que fizeram com Roberto Magalhães no Recife, lembram? Os partidários das SA de Rohn na Alemanha nazista estão deixando discípulos. Eles se especializaram na agressão e caça aos opositores do nazismo, mais especialmente comunistas, social-democratas e judeus. Aqui querem agredir quem vota contra os partidários de Lula. Que é muito maior do que o PT. Ainda bem. Menos mal.



DILMA E O PMDB



Dilma queria enrolar o PMDB. Vai acabar sendo enrolada pelo velho partido de muitos caciques. Sem eles, se ganhar não governa, ou pelo menos terá ameaçada a maioria governista no congresso. Como se comportará Lula se ela for eleita? Afinal, não é ele que vai mesmo mandar? Se for ela, pior. Qual situação seria mesmo pior? O melhor mesmo é votar em Serra.



DIREITA, ESQUERDA



Serra está a anos-luz à esquerda de Lula. Que só conserva seu discurso tons socialistas quando lhe convém. Já Serra é convictamente social-democrata, e ele sabe o que é isso. Lula nem tem idéia a respeito, pois não estudou història, e o pouco que lhe ensinaram tem graves distorções , digamos, ideológicas. Mas Dilma tem orgulho de ser de esquerda. Aí é que mora o perigo, pois seu esquerdismo é da década de cinquenta. Um cacareco político e ideológico.




CHICO BUARQUE




A ex vaca sagrada da MPB declariu seu voto a Dilma. Para quem apóia a ditadura dos Castro em Cuba, está de bom tamanho. Chico sempre foi um reacionário político. Poderia ter evoluído, mas parece que involuiu. Como romancista, nota zero. Acho que nem o Roberto Almeida aguentou seus romances. Deveria ter continuado apenas como compositor. Ademais, ele agora nem dá apoio a Pablo Milanés que agora é perseguido pelo regime cubano. Quando era a favor, cantava alegremente com ele a bela canção Hiolanda, lembram?



VALOR DA CAMPANHA




Dizem algumas pessoas que o custo da aventura da candidatura irregular do Sr. JoséLuiz Sampaio a deputado custou perto de qaatro mihões. Enquanto isso em Caetés, funcionários contratados não recebem em dia, professores não recebem o piso, os médicos abandonaram a cidade pois o hospital não tem remédios, nem dinheiro para comprar meterial de limpeza. A prefeitura está inadimplente com o governo federal e muitos milhares, talvez milhões deixaram de vir para o município por causa disso e a previdência municipal está totalmente quebrada. De onde veio o dinheiro desta cara e corrupta campanha, pois foi flagrado comprando descaradamente votos, pelo menos um vereador da cidade de Garanhuns que apóiava esta triste candidatura. Está preso, e deverá perder o mandato e e elegibilidade. Bem feito! Mas pelo menos em Caetés, ele não foi assim tão bem votado, pois teve pouco mais de cinquenta por cento dos votos. Afinal, o povão de Caetés está finalmente despertando. Antes tarde do que nunca.

Falsas Verdades



Falsas verdades




Ficar repondo os fatos é cansativo, mas é inevitável para quem tem por dever de ofício acompanhar o dia a dia da economia brasileira há três décadas. O que o PT tem dito sobre dívida externa brasileira, por exemplo, é falso, mas parece verdade. O governo anterior de fato pegou um empréstimo no FMI, mas 80% dele foram deixados para ser sacados no governo Lula.



A dívida externa deixada pelos militares foi renegociada por Pedro Malan no começo dos anos 90. Durante as crises cambiais, houve novos socorros do Fundo ao Brasil e a todos os países que enfrentaram esses terremotos.



Em 2002, o cenário foi perturbado pela incerteza política sobre o que seria o governo Lula. A dúvida havia sido alimentada pelo próprio então candidato Lula durante todos os anos em que fez propostas econômicas amalucadas, em que ameaçava um arrasa-quarteirão na famosa frase “contra tudo isso que está aí.”



Os detalhes do programa do PT eram ainda piores: não pagamento da dívida externa e interna, ou de uma tal auditoria. Nada disso foi jamais feito, mas naquele momento o governo Fernando Henrique precisou vender títulos indexados ao dólar para o mercado interno e pegar um empréstimo no FMI. Foi esse clima de incerteza que elevou o dólar e por isso a dívida subiu; os investidores tiraram dinheiro do país, as linhas de crédito encurtaram. O objetivo do empréstimo era ter um colchão que permitisse uma transição tranquila para o novo governo.



Na crise de 2008, em poucos meses o dólar subiu de R$ 1,55 para R$ 2,44, as linhas externas de crédito sumiram, o Banco Central precisou oferecer dólares das reservas ao mercado financeiro e empresas foram salvas com empréstimos do BNDES ou Banco do Brasil. Isso poderia ter ensinado ao governo Lula que ventos mudam às vezes, não por culpa do governo. A crise que Lula enfrentou veio de fora, a de FHC naquele final foi motivada pela incerteza da transição.



As autoridades do governo FHC tiveram que garantir que o novo governo respeitaria os contratos e pagaria a dívida. Uma parte pequena foi sacada naquele momento e as outras parcelas foram deixadas para serem sacadas pelo governo Lula, caso ele tivesse dificuldades no início.



Ele teve sim, mas a atuação firme da dupla Palocci e Meirelles afastou os fantasmas que haviam sido invocados pelo próprio PT. Depois que ficou claro que as ideias de centralização cambial, suspensão do pagamento de dívida, fim das metas de inflação e da Lei de Responsabilidade Fiscal não eram para valer, a situação se acalmou. Palocci-Meirelles deixaram claro que não aceitariam a alta da inflação. Na Fazenda, foram elevadas as metas de superávit primário, e no Banco Central, as taxas de juros. Isso era o oposto do receituário defendido em sucessivas campanhas. Mas foi pela firmeza dos dois, e essas escolhas, que a inflação que havia subido de 6% para 12% voltou a cair.



Foi uma história de um país maduro e inteligente, que provou, naquela transição, que um governo de oposição era capaz de arquivar seu antigo programa para manter o que havia sido conquistado no anterior; em que um governo que perde eleição negocia um empréstimo para ser sacado pelo novo presidente. No reducionismo do seu antes/depois, o atual governo emburrece o debate, falsifica os fatos, pega retalhos da história para tecer uma mentira.



Ninguém com um mínimo de honestidade intelectual conseguirá tirar do ex-presidente Fernando Henrique o mérito de ter começado a estabilização como ministro no governo Itamar Franco, e consolidado nos seus dois mandatos. Por ser bem sucedido, o plano chacoalhou toda a economia, quebrou os bancos, criou desafios que o governo FHC teve que enfrentar num contexto de crise externa.



Foi mais fácil para o governo Lula fazer a colheita. Ele encontrou a terra arada, e sementes germinando. Poderia ter destruído tudo, se ouvisse alguns dos seus conselheiros, mas teve o mérito de ouvir os conselhos certos. O país ganhou e pôde passar para suas outras tarefas como a da inclusão social. Mas aí de novo é incontornável em qualquer série histórica ver que a primeira grande queda da pobreza aconteceu entre o final do governo Itamar e o começo do governo Fernando Henrique como resultado do controle da inflação. Como é fácil constatar que uma nova grande queda do percentual de pobres aconteceu no governo Lula. A formação da nova classe média brasileira ocorreu em duas etapas. Todos os dados de patamar de consumo trazem essa história.



Tudo isso não deveria estar em debate por ser matéria vencida, vitória conquistada, etapa cumprida. O Brasil deveria estar pensando em como enfrentar problemas futuros de curto e longo prazo. O dólar derrete e isso afeta a produção brasileira num contexto internacional que tira cada vez mais força da moeda americana. A carga tributária aumentou quase dez pontos percentuais do PIB no período dos governos FHC e Lula, a população envelhece e as mudanças que os dois propuseram na previdência foram esvaziadas pelo Congresso. Como enfrentar isso? Ninguém diz, porque o debate está dominado por falsas questões.

domingo, 17 de outubro de 2010

UM REAL


UM REAL




Pela petrobrás. Meia pataca pelo banco do Brasil. Um derréis de mel coado pela CHESF, levando de lambuja o banco do nordeste. Ainda é prec iso vender o resto das estatais. Que são uns dinossauros, desde quando desmoronou o estatismo do então chamado “socialismo real”. É no mínimo contraproducente, indo em contra mão ao desenvolvimento das chamadas forças produtivas, como diria Marx, a manutenção desses cacarecos. Que só servem para encher as páginas dos jornais, com casos de corrupção e apadrinhamentos políticos mil. Já dizia o finado Roberto Campos, uns dinossauros. Agora, lá vem Lula de novo com mais essa mentira, pois Serra é mais estatista do que ele. Ponto negativo para Serra, creio eu, neste aspecto. Mas é irritante como se mente descaradamente a respeito. Com a cara mais lisa, e com àquela lingua presa, que parece falar com uma banana na boca. É mais ou menos assim, o raciocínio de Lula: “O que foi feito de bom, fui eu. O ruim , pelos outros. Que coisa!




JESUS CRISTO




Vá um mulçumano querer se comparar ao profeta. Seria exterminado na hora, ou mesmo perseguido o resto da vida. Lula, no Pauí se comparou a Jesus. Coitado dos cristãos, não sabiam que Jesus seria, assim, tão ruim. Ele foge de um debate com Fernando Henrique, porque só fala para platéias previamente organizadas. Fala o que quer, sem contestações, afinal, quem pode contestar “o líder”? O presidente mentiroso passou quase todo o mandato em palanques. Nisso ele é bom. Debater com Fernando Henrique não pode, pois o velho ex presidente já está acostumado a massacrar Lula em debates. Fernando Henrique promete o procurar, quando o mesmo deixar à presidência. Disse que vai até a casa dele, se possível. Dizer, dentre outras coisas que não precisava mentir tanto sobre o seu governo, já que o mesmo tinha realizações também importantes. Doutrinariamente, coisa que Lula não entende, os dois partidos são hoje, como diríamos, numa linhagem social-democrata. Porém, o Brasil precisa mesmo é de” capitalismo livre concorrencial”, como diria o comunista italiano Antônio Gramsci”. Que tinha uma leitura nem tanto leninista da revolução. Tida para ele como um processo de tempo indefinido. Ou seja, o Brasil precisa de mais liberalismo. As pequenas aberturas de Fernando Henrique, tiraram mais de cinquenta milhões da pobreza, (daí contados os anos Lula). Se diminuímos o tamanho do estado, vamos dar largos passos para a extinção do patrimonialismo, e do clientelismo político, democratizando de fato nosso estado e suas instituições. Aliás, con tantos déficits, só Jesus governaria este país.


NÁUTICO E SPORT




O Náutico desceu a ladeira do campeonato brasileiro. Espero que não caia para a terceira. O Sport, creio, pode se contentar em continuar na segunda . Tem um time muito irregular, além de jogar muito ruim em casa. Acho que pelo gramado, um dos piores do Brasil, e uma vergonha para o Sport. Num gramado ruim destes, só joga peladeiro, e olhe lá. Já em relação ao santinha, fico pensando: Como uma diretoria, com uma torcida como a do santa, que só perde para a do sport, claro, não forma um time, pelo menos do nível do ICASA do Ceará? Gosto de chatear os tricolores e alvirrubros mas seria muito bom para nosso futebol, que os três estivessem ma primeira divisão. Só um tolo pensaria diferente.



QUERO UMA ESTATAL




Para ganhar sem trabalhar, desde que tenha militado no partido certo. Fazer acertos ganhando millhares de dólares, como o filho da Erenice, que, quando começou o dia, ganhou um envelope pardo, contendo a bagatela de duzentos mil contos de réis. “Caraca” ,exclamou o aprendiz de corrupto. E o que a gente não vê, ou seja, as maracutaias que dão certo? O que fazer? Defender a roubalheira dos outros. Ademais, quando uma estatal vai mal, que paga é a viúva. Ou seja, nós os idiotas de sempre. Mas as coisas só mudam com o tempo. E democracia.Afinal, boa parte do povão não está saindo da miséria para a classe média? Claro que não vai dar toda essa classe média emergente, no conto de fadas de um empreguinho no estado.



MEDO E ÓDIO



Segundo o sociólogo Fracisco de Oliveira, Chico de Oliveira para os mais íntimos, Lula morre de ódio e medo de Zé Dirceu. Ódio, porque Zé Dirceu pertence à classe média intelectualizada de esquerda, gente que no fundo despreza, pois nem é de esquerda, e muito menos intelectual, aliás está a anos- luz disso. E porque, ele, evidentemente ,sabe muito. Se falar, a casa cai. Porém, como um bom stalinista e cleptocrata dos mais influentes, claro, não falará. No momento. Coordena a campanha de Dilma. Ele e Ciro Gomes. Eita, que dupla! Também disse que Lula é mais privatista do que Serra. Pode ser. Mas o que se pode interpretar como uma vantagem para Serra, para mim este é um dos seus maiores defeitos. Claro, ele não é nenhum liberal, mas é bem melhor do que Dilma.



CHAMARAM LULA



Quando a campanha de Dilma começou a dar com os burros n’água, chamaram logo Lula. Afinal, não é ele o responsável? E lá vai Lula a destilar mentiras no guia eleitoral. Como mente o rapaz! Mas, do alto de sua popularidade, o presidente pode tudo, Mas, e se der zebra? Bem, mas aí não é com ele. Ele só joga quando o time ganha. Ou está ganhando. De besta ele não tem nada, mas “sabedoria” tem os seus limites, não?

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Brilho Que Esconde

Brilho que esconde
Míriam Leitão
O GLOBO - 09/10/10


As previsões econômicas de crescimento estão aumentando. Já se fala em 8%. Esse número exuberante esconde vários desajustes: as contas públicas estão desequilibradas, o déficit em conta corrente de US$ 50 bilhões pode chegar a US$ 100 bilhões no ano que vem. Só no setor automobilístico, o Brasil vai ter US$ 5,7 bilhões de déficit comercial.

Os preços da cesta básica estão subindo.

O FMI alertou para o risco de que no Brasil esteja acontecendo um superaquecimento e há temores de que o mercado de crédito esteja começando a viver uma bolha.

Quando se compara o nível de crédito/PIB do Brasil com o de outros países, parece não haver risco de bolha de crédito. O problema vem do ritmo acelerado demais de crescimento do endividamento das famílias.

Os juros no Brasil são tão mais altos que em outros países, que é arriscado fazer apenas uma comparação estatística da relação do crédito com o PIB.

A maior fonte de preocupação é o gasto excessivo e nenhum horizonte de que isso será enfrentado. A candidata do governo, Dilma Rousseff, parece sequer ter entendido certos rudimentos da teoria econômica. Ela repete que o Brasil não precisa de ajuste fiscal e que não há relação entre gasto público e câmbio.

O Brasil é um país cujo governo tem déficit. Isso significa que ele gasta mais do que arrecada: não só não contribui com a formação da poupança, como despoupa.

Para crescer, o Brasil precisará de uma taxa de investimento de 22%, pelo menos. Hoje, a taxa de poupança brasileira é de 18%.

Isso faz com que o país tenha que absorver poupança externa. Essa entrada de dólares derruba a cotação da moeda americana e valoriza a moeda brasileira. Com um déficit nominal persistente, uma dívida interna de R$ 2 trilhões e nenhum sinal de ajuste fiscal no horizonte, os juros têm que permanecer altos. O que eleva ainda mais o custo da dívida e atrai ainda mais dólares, já que no mundo os juros estão próximos de zero. Quando o governo corta gastos, ajuda a reduzir a demanda, o que reduz pressão sobre a inflação. Em suma: com redução do gasto público haverá menos inflação, os juros podem cair mais rapidamente, sem o risco inflacionário, haverá menos entrada de dólares pelo diferencial de juros, e o país precisará de menos poupança externa para crescer.

O candidato de oposição José Serra não ajuda muito quando dá sinais de aumento de gastos com despesas permanentes, quando promete elevação de salário mínimo para R$ 600, aumento de 10% na aposentadoria e até, o que anda sendo cogitado na campanha, o fim do fator previdenciário.

Só um número para se ter ideia: o fator inventado para contornar a derrota da reforma previdenciária no governo Fernando Henrique ajudou o país a poupar R$ 40 bilhões.

O governo Lula está no meio de uma contradição na economia. O Ministério da Fazenda tenta desesperadamente conter a queda do dólar, mas é exatamente ela que tem ajudado a criar a falsa impressão de que todos os bens antes inacessíveis agora podem ser comprados. O dólar baixo barateia viagens internacionais, produtos eletrônicos, bens de consumo duráveis. Quem se atrasou para reservar passagens para fora nesse feriadão, tem que se contentar em ficar em casa. Os vôos estavam todos lotados.

O Brasil em 2005 importou 100 mil carros. Este ano está importando 700 mil.

Exportava 900 mil, e agora, 700 mil. Só que nós vendemos produtos mais baratos e importamos bens sofisticados e peças, e, por isso, o déficit do setor é de US$ 5,7 bilhões.

- Há luz amarela na balança comercial. Somos o quarto maior mercado consumidor e apenas o sexto maior produtor. Essa diferença está sendo suprida por importados, embora o setor ainda tenha uma ociosidade de produção de quase um milhão de veículos - diz o presidente da Fiat e da Anfavea, Cledorvino Bellini.

Segundo Bellini, há duas dificuldades para a retomada das exportações: o real valorizado e os gargalos na infraestrutura: - É o tradicional dever de casa que precisa ser feito. O governo precisa reduzir os gastos para que os juros caiam e, ao mesmo tempo, melhorar a logística, investir em qualificação de mão de obra, diminuir impostos.

Sérgio Vale, da MB Associados, vê uma deterioração clara na política macroeconômica, com a introdução dos truques fiscais que conseguem mágicas como as de transformar dívidas em receitas para atingir o superávit primário. Isso, além do rombo nas contas externas. Na visão dele, os problemas estão se acumulando.

- Os desajustes tem se tornado evidentes e difíceis de contornar. O superávit primário não é mais os 4% de antes, está na casa dos 2%. O atual governo virou um apagador de incêndios, perdeu a capacidade de fazer política macroeconômica - diz Vale.

Por outros motivos - a seca, a sazonalidade, quebras de safras -, os preços dos alimentos estão subindo.

Nos últimos índices, o que mais subiu foi o preço dos alimentos. A inflação de serviços está em 7%. Se não fosse o dólar baixo, a inflação estaria mais alta. Isso significa que o dólar baixo, que tanto preocupa a Fazenda, é o que tem segurado a inflação.

Fazer uma bolha de crescimento é fácil. Basta ampliar a oferta de crédito, aumentar gasto público, elevar o salário mínimo e negar a necessidade de ajuste fiscal. O problema não é fazer um crescimento de 8% num ano. É sustentar taxas fortes de crescimento por longo tempo e com equilíbrio. A desmoralização dos indicadores fiscais e a gastança vão cobrar sua conta num futuro próximo.

Fonte:http://avaranda.blogspot.com/2010/10/miriam-leitao_09.html

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

FHC desafia Lula para uma conversa 'cara a cara'

Catia Seabra, Folha.com

Principal alvo de críticas do PT no programa eleitoral, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso desafiou nesta quinta-feira o presidente Luiz Inácio Lula da Silva para uma conversa “cara a cara”, quando o petista “puser o pijama”.

Dizendo-se vítima de mentiras, FHC disse que Lula foi mesquinho ao não reconhecer o legado do PSDB e assumir a paternidade da estabilidade da moeda.

“Estou calado há muitos anos ouvindo. Agora, quando o presidente Lula vier, como todo candidato democrata eleito, de novo, perder a pompa toda, perder o monopólio da verdade, está desafiado a conversar comigo em qualquer lugar do Brasil. No PT que seja”, discursou FHC.

Segundo FHC, não é para enumerar as ações de cada governo. “É para ter firmeza, olhando cara a cara do outro, ver dizer as coisas que diz fora do outro. Quero ver o presidente Lula que votou contra o Real, que fez o PT votar contra o Real, dizer que estabilizou o Brasil. Ele não precisa disso. Para que ser tão mesquinho? É isso que eu quero perguntar a ele. ‘Lula, por que isso, rapaz?’ Você pegou uma boa herança, usou. O Serra vai pegar as duas heranças”.

Em discurso a integrantes do PSDB, FHC chamou a petista Dilma Rousseff de duas caras e negou que tenha pregado a privatização da Petrobras, como a candidata acusou no debate da Band:

‘Agora, vêm falar que eu queria privatizar a Petrobras. Quem é esse Gabrielli para falar isso comigo, meu Deus? Fui presidente da República. Ele tem que me respeitar”, afirmou FHC, dizendo que foi processado por ter defendido a Petrobras.

Ao falar das acusações do PT, FHC disse que os adversários “estão muito nervosos” por causa do segundo turno. “Caíram da cadeira. Nunca imaginaram que iriam ao segundo turno. O Lula sempre foi para o segundo turno. Por que a Dilma não iria? Só que agora ela vai às cordas com o nosso voto”.

No evento organizado pelo PSDB de São Paulo –mas sem a presença de Serra– FHC acusou o PT de uso político da máquina pública, Mais uma vez, disse que não passou a mão na cabeça de aliados, de “aloprados”.

“Não queremos um Brasil de preguiçosos. Não queremos um Brasil de amigos do rei. Não queremos um Brasil de companheiras Erenice”., discursou FHC, que encerrou o discurso propondo um debate com Lula.

Tomando o cuidado de afirmar que o pijama seria transitório, FHC sugeriu uma conversa entre os dois, a exemplo das visitas que fazia a Lula em São Bernardo do Campo.

“Presidente Lula, terminadas as eleições, quando você puser o pijama, não sei o que vai por, o que vai fazer, será bem recebido. Venha ao meu instituto. Vamos conversar cara a cara [...] “Agora de pijama, venha lá. Venha lá. Vamos conversar. Você fez muita coisa boa, mas não precisava ser tão mesquinho, rapaz. Isso diminui você. Não precisa. O Brasil é de todos nós”.

ELEIÇÃO APERTADA

Foi divulgada a pesquisa do IBOPE ontem. Dilma 49, Serra 43. Seis pontos de diferença. Se Serra conseguir tirar três, o resultado será nos pênaltis. Aonde até o Íbis pode ser campeão. Ou seja, quem ganhar vai ter que andar de saltos baixos. Bom para a democracia. Mas temos que ter mais emoções nestas duas semanas que faltam para as eleições. Se Dilma continua descendo , mesmo lentamente, a ladeira, ou se as posições estão estacionadas. Porém, como foi mostrado no primeiro turno, pesquisa mesmo só no dia da eleição. Mas que está ficando emocionante está. Nada melhor do que uma democraciazinha, não? Mesmo ainda meio fuleirinha como a nossa.

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

PSDB e PT


(León Trotski)

PSDB E PT




Concordo com Paulo Camelo quando o mesmo diz que tanto PT, quanto o PSDB são partidos social-democratas. O PSDB já nasceu autoproclamando-se social-democrata, pois foi uma dissidência do PMDB já contaminado pelo adesismo. Só que, o PSDB é essencialmente um partido de quadros, o PT de massas, pelas suas relações, desde o nascimento revolucionário, com os chamados movimentos sociais e os sindicatos. Partidos social-democratas se caracterizam pelas reformas processuais dentro do capitalismo, rumo a uma sociedade mais igualitária, ou seja, mais justa socialmente falando. A social-democracia governou inúmeros países europeus do pós-guerra, como a Inglaterra e a Alemanha, depois da redemocratização, a Espanha e a França com Miterrand. A conta do estado do bem estar social está chegando agora, com a crise européia. Antes o estado do bem estar social recebeu muitos reveses, sobretudo durante a era Reagan e o chamado neo-liberalismo que dominou o cenário europeu pós queda do muro de Berlim. Seria a tão propalada vitória do liberalismo e o “fim da história”, segundo pensadores como Fukuyama, ligado à academia norte-americana. De lá para cá, tivemos a ascensão do terrorismo e do fundamentalismo islâmico, e do capitalismo de estado chinês. A crise econômica norte-americana faz surgir no horizonte perspectivas de um mundo multipolar, com a sempre maior participação dos chamados emergentes , como a própria China, a Rússia, a Índia e o Brasil.

O que acho interesante, porém respeito muito, é a fidelidade a uma ideologia que já estava morta na Europa , pelo menos desde os anos cinquenta do século XX. O marxismo-leninismo já não atraía ningúem na Europa do pós-guerra, sobretudo nas áreas do chamado “socialismo real”. Já fui um admirador de Trotski, sobretudo porque, era através dele que podíamos criticar o chamado “socialismo real” sem abandonar a fé marxista-leninista. Afinal, foi Trotski quem organizou o exército vermelho, garantindo assim a vitória da então chamada revolução de outubro, que na verdade foi mesmo um golpe de estado, sendo a revolução propriamente dita ocorrida durante a guerra civil que duraria atá eproximadamente até 1921. Trotski queria coletivizar a agricultura logo. Stálin fez durante a década de 30, matando milhões de fome e de morte matada, em campos de concentração. Ambos eram uns autocratas, assim como Lênin. Todos tiveram uma ampla participação na formação do totalitarismo europeu do século XX. Devem estar na lata de lixo da história.


CHIADEIRA




Já estão chiando muitos eleitores petistas com a ascensão de Serra nas pesquisas. Ainda não vi, mas dizem que ele vai passar Dilma, o que é muito bom para o Brasil. Afinal, aqui não é uma Bolívia, ou mesmo Argentina, quando o chefe aponta o iluminado e o povo vota sem pestanejar. É o popular dedazzo, tradicional no velho e carcomido PRI mexicano. Mas não. Felizmente as coisas estão mudfando, sobretudo quando a população sentiu as roubalheiras da secretária Dilma, na casa civil. Aliás, este fato é que está mudando o voto, e não questões religiosas como querem fazer crer. Aliás, apostar no carisma de Lula não é apostar nalgum tipo de fundamentalismo? Cadê que os petistas chiam, quando o “todo poderoso” fala? E quando confessam que o carisma presidencial tudo vai resolver? Se Serra ganhar, quero ver a choradeira. E a podridão deste governo se Serra mostrar mesmo suas entranhas.



UM DIA SEM INTERNET



Passei um dia sem internet. Que sofrimento... Por essas e outras, é imprescindível a inclusão digital. Pela mais rápida ampliação da internet. Pela efetiva democratização da rede.







ABORTO



E aí, Dilma, vosmecê é a favor ou contra? Se a favor, aguente a fúria dos religiosos. Se for contra, explique porque não é oportunismo eleitoral. Aliás, os programas do PT defendem abertamente o aborto. Agora querem esconder debaixo do tapete. E as estatizações? Quiseram ressuscitar o fantasma das privatizações, repetindo a tática da canpanha passada. Vai de novo a pergunta: Por que o povão tem grande carinho pelas estatais? Eles ainda acreditam que estatal é bom para o povo. É. Isso é a falta de escolaridade, não? Mas a maioria dos professores também pensa assim. Seria o caso de mandar-lhes de novo para a sala de aula. Estudar história, por exemplo. Seria bom. Mas muitos não íam passar. Vocês duvidam?

terça-feira, 12 de outubro de 2010

A NAMORADA DE DILMA



É tão mentirosa esta notícia, quanto a de que Serra quer vender mesmo a Petrobrás. Se fosse eu vendia àquele grande cacareco, e cabide de emprego para picaretas mil. Não gosto muito do Serra por seu estatismo. Fazer o quê? Não votar? Como também é mentirosa e demagógica a conversão de Dilma ao catolicismo, ao visitar a igreja de Aparecida, no dia da santa no Brasil. Não devia ser feriado, pois o Brasil é um país laico. Mas como bom preguiçoso, uma das minhas simpatias pelo catolicismo, são os feriados. Sendo assim, viva a igreja católica. Afinal, não devemos dar tantas asas ao capitalismo, embora o mesmo seja urgentemente necessário nestas plagas. Inclusive como ética, claro. Mas preguiça é preguiça. Uma das maiores necessidades do ser humano, o direito à preguiça. Vai ser certamente uma das maiores bandeiras políticas do século XXI. Liderada por brasileiros, claro. Já estou nesse meio. Os petistas aplaudem a Dilma agora orientada por José Dirceu e Ciro Gomes. A Dilma braba, naturalmente autoritária. É isso aí, Dilma, coloque seu stalinismozinho para fora, assim soa mais autêntica. Afinal, qual a Dilma que o povo quer votar? A católica, a braba ou a mentirosa? Com vocês eleitores petistas de curral. Que se Lula mandar, votam até numa batráquia. Neo católica e, como o padrinho, uma metamorfose ambulante. Uma “beleza” para presidenta do Brasil. Não é assim que ela quer ser chamada? Presidenta...eita gota..é a frebônica. Mistura de febre do rato com Bubônica. Que o povo chama de bobônica. Não é petistas?


DILMA MENTE

Claro, todo mundo mente. Na política, convenhamos, às vezes mentir é uma necessidade. Ninguém pode escapar disso. Porém mentir demais é de lascar. A própria Dilma como candidata, já é uma grande mentira. Afinal, todos conhecem as mentiras de Lula, sua arrogância primitiva e sua grande intuição política. As indecisões de Serra, seu caráter centralizador e uma certa arrogância intelectual. Mas, e Dilma? Dilma é a boazinha que os marqueteiros do PT quiseram mostrar ao povão? Ou é a braba, quando no debate vociferou contra Serra, querendo colocar-lhe a pecha de privatista? É a que, como nos programas do PT, defendem o aborto, ou a convertida ao catolicismo? É a que diz que tem, ou a que não tem diploma de mestrado? Sua candidatura, como fruto de um dedazzo do grande chefe, já é uma grande mentira. Aliás, Dilma é uma grande mentira política. Quem discorda?

SEM CONCURSO

Muitos leitores estão me “acusando” de ser um professor sem concurso. Estão certos. Quem me colocou no estado foi o então governador Roberto Magalhães, atendendo a um pedido do meu saudoso pai, que era político. Tenho especialiação ( pós graduação ) em ciência política, não tenho mestrado. Sou um professorzinho de província, nada mais, metido a intelectual. Sim, passei num concurso promovido no governo Arraes, mas, como muitos não fui chamado. Graças e Deus, pois não aguentaria tantas aulas. Aliás, nem sei porque tenho pelo menos meia dúzia de leitores. Serão todos uns idiotas? Mas se incomodo alguns, sobretudo os de pequenos poderes, objetivo cumprido. Meta alcançada, como diria um grande amigo daqui de Caetés. Gostem ou não de mim, continuem lendo o iletrado que vos fala. Gosto de todos vocês. Saudações democráticas.

CARGOS

Disseram que ando atrás de cargos, caso as oposições vençam aqui em Caetés. Meu pai foi prefeito e nunca trabalhei na prefeitura, graças a Deus. Nunca pedi cargo e ninguém. Assumi a direção do colégio daqui da cidade a convite, no governo do saudoso Severino Gerino. Depois de dois anos , entreguei o cargo. Minha profissão é ser professor. Só. Já me dizia meu avô, Fausto Souto Maior, destilando sua chamada filosofia matuta:”Oferecer é dos homens. Aceitar é dos cabras safados”. E sempre fui um crítico na administração do meu pai. Imaginem dos outros, que tanto o criticaram, mas precisaram , e muito dele. Trabalho desde os quinze anos, quando comecei, no escritório de advogacia do meu saudoso tio, Ronaldo Souto Maior, em Recife. Que, jumtamente com meu pai, e meu avô, me ensinaram o que é ética e respeito pelo outro. Sobretudo em relação à coisa pública. Sou pobre, mas procuro ser independente. Por essas e outras, muitos me consideram um chato. Continuarei assim, graças a Deus. Chato e sem medo de corrupto. Dos maiores e dos menores. Dos ratões e dos ratinhos.



ZÉ DIRCEU E CIRO GOMES

Serão agora os principais conselheiros de Dilma, a democtata e católica devota. Uma beata, agora braba. Lula também está redirecionando sua pupila, com seus dois amigos do peito. Um um grande mafioso sempre a serviço do lulismo, o outro neo-oligarca e corrupto do Ceará, famoso pela boca suja. Já bateu em todo mundo, agora se refugia no lulismo, depois de ser por Lula desmoralizado. Com esta nova assessoria, antevejo bons ventos para Serra. Tentaram agora rever o fantasma das estatais. Por que afinal o povo gosta tanto dessas empresas? Ademais, alguém aí já pegou num dinheirinho vindo de um lucro de uma estatal? Mas com Serra não pega. Aliás, por causa da petrobrás, o preço da gasolina é, pelo menos quinze por cento mais caro do que seria cobrado no mercado internacional. A petrobrás é uma caixa preta. O Brasil só se tornou auto-suficiente em petróleo, quando Fernando Henrique quebrou seu monopólio na exploração. E não por esforços do governo Lula. Que propagandeou, mentirosamente, que a autosufuciência veio por causa do seu governo. Mais uma mentira nesse governo de faz de conta. Governo de palanques e de projetos não concluídos.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

O Bolsa Família, segundo Lula, em 2009 e em 2000

LIBERAIS E CONSERVADORES

Realmente falta no cenário político nacinal um grande partido verdadeiramente liberal e conservador. No debate promovido pela bandeirantes, Dilma, sofrega e tropegamente, tentou reviver a tática de Lula contra Alkmin, sobre as privatizações. Ora, Serra nunca foi um liberal, sempre defendeu o estado na economia. Ele é social-democrata, e defende o estado mais do que Lula. E sabe muito bem o que pensa e o que vai fazer. Também, falta uma liderança que realmente defenda as privatizações claramente, mostrando quando as estatais dão prejuízo a todos, sobretudo ao povo. Para mim, a grande maioria dos setores produtivos e de serviços deviam ser privatizados. Sobretudo a Petrobrás, que faz com que o preço da nossa gasolina esteja sempre mais cara do que nos mercados internacionais. Além da qualidade é claro. Para que Banco do Brasil, e outros cacarecos estatais? Para mim estado só na segurança e na educação. Na educação, tem que ser revisto o modelo das nosas universidades públicas, que deveriam ser pagas. Tem muito professor fingindo fazer pesquisa, e dando poucas e ruins aulas. O corporativismo campeia, e só querem autonomia para gastar. Quando falam em parcerias com as empresas privadas, a comunidade universitária toca os tambores do nacionalismo. Que sempre foi afinal, a grande arma dos velhacos, como diria, se não me engano Laplace. Nas ciências humanas, o marxismo ainda é forte, sobretudo o leninismo e o castrismo, se é que isto algum dia existiu. Quem discordar ainda é taxado pejorativamente de “neo- liberal”. Se bem que neste aspecto, embora lentamente, as coisas estão mudando com a entrada de novos professores. Nas escolas de formação de professores, muitos falseiam a história, encobrindo os crimes do socialismo, e boicotando autores como Gilberto Freyre e Câmara Cascudo. Boa parte dos professores aliás nem leram estes autores, pois, afinal, são de direita. Tem um em Recife, que escreveu que a obra de Gilberto Freyre fazia parte de uma grande conspiração para a manutenção do poder das oligarquias nordestinas. Que coisa! Porém, Serra, mesmo longe de ser um liberal, é muito melhor do que Lula e Dilma. Sempre foi, por isto muitos petistas morrem de medo dele. E são estes mesmos petistas que querem por que querem falsificar a história, apostando na ignorância popular. Uma vergonha.

CABELOS ARREPIADOS

Claro a eleição será muito dura. Mas os petistas estão de cabelos arrepiados, e Dilma partiu tresloucadamente para o confronto. Serra esteve muito tranquilo, e Dilma não disse se era contra ou a favor do aborto. Se disser que é contra, soa falso, pelas posições anteriores a favor. Se disser que é a favor, as igrejas dançarão um samba de coco na sua candidatura, ou seja: se ficar o bicho pega, de correr o bicho come. Ou vice-versa. Segundo pesquisas internas, a candidata lulista só ganha mesmo no Nordeste. Como a antiga ARENA, só ganhava nos grotões. Mas eu quero saber. O povo quer saber. Dilma, é contra ou a favor do aborto? Ademais, ela é contra ou a favor do terrorismo? Afinal, também ela mente quando diz que combateu a ditadura pela democracia. Não teria sido a tão propalada “democracia popular”? Ou seja,a chamada ditadura do proletariado?

E ERENICE?

Cada vez mais desenrolam os novelos de sua influência nas maracutaias no governo. Dilma diz que falam calúnias. Foi a imprensa que faz as maracutaias? Com um caso destes, já pensaram o PT na oposição? Com Lula babando e esbravejando a falta de ética do governo? Para ganhar Serra precisa tirar dela quatro pontos. Seria muito interessante muitos petistas, a começar por Lula, vestir a camisa da humildade. Mas novo rico é fogo. Nunca perde a pose.

SE SERRA GANHAR?

Seria muito bom para o país, pois o petismo passaria a ser seriamente questionado. Seria muito interessante ver muito petista chorando, a começar pelo próprio Lula. Chorando pela falta das boquinhas.

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

GOVERNO DOS POBRES

Meu amigo Roberto Almeida escreveu um longo artigo, muito bem escrito, como de hábito, mas tão falso como uma nota de sete. Diz que Lula governou para os pobres, e está do lado “progressista” enquanto Serra e a oposição, estão entre os “conservadores”, sobretudo àqueles do golpe de 64. Que a extrema direita está com Serra, através da volta da famigerada TFP, e que todos querem sobretudo o atraso do país, e a miséria do povo. Que as desigualdades sociais foram diminuídas expressivamente  no governo Lula, ao contrário do governo Fernando Henrique, e que por isso Dilma merece o voto de todos os brasileiros para dar continuidade a grande obra redentorta dos pobres e oprimidos do presidente Lula. Os bons estarão do seu lado. Os maus, defensores das desigualdades e dos privilégios pátrios, enfim, uns patifes. Acusa também o governo Fernando Henrique de mais corrupto do que o de Lula. Parece até um artigo encomendado por Franklin Martins, o stalinista que quer porque quer amordaçar a imprensa. Será que Roberrto ficou doido, ou virou um fanático petista também? Vamos ver:
Quem muito admira os governos militares é Lula, e assessores mais próximos, sobretudo da área econômica, quando elogiam sem parar as diretrizes nacionalistas do governo Geisel. O mais estatista dos governos militares. Aliás, a esse respeito, Delfin Neto, o ex czar da economia nos anos mais duros de Médici, anos do milagre econômico, é desde o início do governo Lula um dos seus primcipais conselheiros. Sarney, Collor, Inocêncio Oliveira, Maluf,e muitos outros também foram subservientes serviçais dos militares, não Roberto? Ademais, já fazem mais de vinte anos do fim da ditadura.  Só os que apóiam Lula são íntegros? Os outros não prestam? Que maniqueísmo rasteiro é esse? Quanto as desigualdades sociais, está nas estatísticas , o ano de maior redução de desigualdades foi em 1994, auge do plano real. Que Lula e o Pt foram radicalmente contra, lembra Roberto? Aliás uma das maiores causas da desigualdade no Brasil era a inflação. Que competentemente Fernando Henrique e sua brilhante equipe acabaram.  A principal razão do sucesso de Lula foi manter o plano antes chamado de “conservador e neo-liberal”. É mentira? Lula não empreendeu nenhuma reforma institucional. As privatizações foram ruins? Algumas, como da rede ferroviária. Mas o que dizer so setor siderúrgico? Hoje o Brasil é um dos maiores do setor, e a vale do rio doce, cresceu muito mais do que quando era estatal. E a telefonia, quando uma linha telefônica chegava a custar alguns milhares de cruzeiros e era disputada até nos inventários? Só oito por cento da população tinha telefone. Hoje, quase toda a nação tem celular. Isto sem falar na lei de responsabilidade fiscal, no PROER, na criação do bolsa escola, depois refundado e ampliado com o nome de bolsa família, priopagandeado pelo governo como dinheiro do Lula. Nunca vi Fernando Henrique, republicano e democrata convicto, afirmar uma coisa dessas. Bem, tem muito mais. O populismo mente para o povo através de massiva propaganda. Mentiras, ou meia verdades. Claro, Lula fez coisas boas, mas no varejo. No atacado, enfrentando uma oposição raivosa e atrasada como a do PT e de Lula, Fernando Henrique e os tucanos deram de goleada. Ademais Roberto, sabe quando realmente o povo se libertará no Brasil? Quando o estado deixar de se meter na vida dos cidadãos, sugando o povo, mantendo privilégios horríveis, e tivermos um clima propício para investimentos. Quando estiverem livres do governo, capital e trabalho, produção e tecnologia, sobretudo investindo bem e massivamente em educaçãofarão uma verdadeirea revoluição nacional.  Nossas universidades estão sucateadas, não só seria preeciso crescer, mas cobretudo reformá-las radicalmente. Mesmo nossas melhores, estão entre as piores do mundo. Só para termos uma idéia, o marxismo ainda é levado a sério nas nossas universidades. Não o marxismo de Marx, que em algunas aspectos ainda pode ser estudado, mas o marxismo leninismo!  Parece que ainda estamos na década de cinquenta. Quanto à corrupção, nunca se viu algo pelo menos parecido com o mensalão, que os petistas agora teimam em nunca ter existido. Talvez por recomendação do próprio Lula.Teria muitas coisas mais para argumentar, o que possivelmente farei em outras oportunidades. É interessante Roberto Xiita. Nunca o imaginei assim. Eu é que sou um brutal reacionário, a favor da miséria e das desigualdades neste país. Que aliás ainda é muito desigual, um dos mais desiguais do mundo. Porém não se conserta desigualdade aparelhando o estado, nem mentindo. Mentira tem pernas tortas. Ou curtas. E para melhorar as coisas, é preciso de todo um processo, que pode levar deécadas. Desde que os rumos não estejam perdidos. E não é um só governo redentor que vai de uma vez melhorar tudo. Isso é infantil. E maniqueísta. Além de pobre, analiticamente falando.

DILMA MENTIROSA

Em relação ao aborto, numa democracia, todo mundo tem direito de se posicionar. Inclusive sendo a favor. De minha parte, conheço pessoas, que  não só que defendem o aborto como também são atéias. Boas pessoas, sem problemas. Eu mesmo já fui metido a ateu. Hoje me considero agnóstico, aliás como o velho general  Geisel, que Lula e seus economistas tanto admiram. Geisel dizia sempre que não aceditava na semelhança do homem com Deus. Dizia que Deus não podia ser tão ruim assim. O problema é a mentira da boneca stalinista. Ela nega o que todo mundo sabe que ela sempre foi, a favor . Aliás, para ser de esquerda, o sujeito, dentre outras coisas tinha que ser a favor. Senão era patrulhado ideologicamente. Ela mente com medo do eleitorado conservador. Tem medo de perder o voto deste pessoas, que não são poucos. Todo stalinista é mentiroso. O leninismo e o stalinismo são doutrinas que pregam abertamente a mentira para chegar aos seus objetivos revolucionários. Não é Trotski? Não é Franklin Martins? Mas o velho Roberto Almeida nunca teve o perfil desa gente. Agora, com cinquenta anos de atraso vai ficar igual? Não acredito.  Mas gosto dele, claro, e continuo sendo seu amigo e admirador. Sobre a TFP, segue um texto do Reinaldo Azevedo, mostrando como o PT quer porque quer, vincular a exttema direita com Serra. O tal panfleto atacando Dilma , segundo os petistas, foi levado por uma mulher. A TFP, ou o que restou dela, não admite mulheres em seus quadros. Ou pelo menos não admitia.  Será que são umas bichas enrustidas?   

TFP- TRAPALHAS, FALCATRUAS E PICARETAGENS

José Eduardo Dutra, presidente do PT, sempre tão eloqüente no Twitter, famoso por seu senso de humor petista, chapa de um monte de jornalistas desde os tempos em que era senador, parece à beira de um ataque dos nervos. Eu o vi ontem na TV: estava lívido. E promete reagir. Já chego lá.
Eu continuo não sabendo quem vai ganhar as eleições. Todos aqueles que sabiam e que estavam certos de que Dilma Rousseff, do PT, venceria o embate já no primeiro turno quebraram a cara, foram desmoralizados — foram, na verdade, derrotados. Não se deram por vencidos. Correram atrás de uma explicação e, em sociedade com o PT, resolveram “culpar” por seu erro a suposta migração do voto evangélico ou, mais amplamente, cristão. O tiro saiu pela culatra. Acabaram criando uma causa. Não sei quem vai ganhar, mas que é divertido ver o desespero de petistas, ah, isso é.
Acostumaram-se a ser os comandantes da boataria; acostumaram-se a destruir reputações na Internet; acostumaram-se a pautar a imprensa contra adversários — e são ainda bastante poderosos nisso. Mas, desta feita, estão em palpos de aranha, esperneando, tentando escapar da armadilha que acabaram criando para si mesmos. A palavra de ordem da hora é ameaçar os “adversários” com uma tempestade de ações judiciais e com a polícia. Só que há um probleminha aí.
Em 2006, os petistas inventaram que Geraldo Alckmin iria privatizar a Petrobras, a CEF e o Banco do Brasil. A mentira pegou. NENHUM JORNALISTA CHAMOU AQUILO DE “BAIXARIA”. Em 2010, o que pegou foi a verdade: Dilma efetivamente concedeu aquelas entrevistas defendendo a descriminação e a legalização do aborto. E agora se equilibra na corda bamba. Ontem à noite, ela se dizia “contra o aborto”. A favor, convenham, ninguém é. A questão está na criminalização ou não da prática. Sem truques, candidata!
Polícia FederalOs petistas são doidos para chamar a Polícia Federal. Em 2006, diga-se, ela precisou ser chamada — contra os aloprados do PT, não é mesmo? Ontem, Dutra anunciou — segundo informava Andrea Jubé Vianna no Estadão Online — que pedira à PF  ”a abertura de inquérito para investigar a autoria” de um panfleto supostamente distribuído pela TFP (Tradição, Família e Propriedade) no encontro de oposicionistas ocorrido na quarta. Segundo a reportagem, “o texto orienta como difundir uma campanha contra Dilma na internet.”
Duas coisas:
1-
Dutra pode pedir, no máximo, à PF que investigue alguma coisa. O órgão vai decidir se cabe investigação ou não. Não é o presidente do PT que decide se há inquérito ou não;
2 - o tal panfleto nem toca no nome de Dilma Rousseff nem orienta campanha.
Eis o PT trabalhando, apostando na confusão. Agora vamos pensar o conjunto da obra.
O tal papelucho atribuído à TFP, que não aceita mulheres, estava sendo distribuído por uma…  mulher! A organização, que está rachada no Brasil, mal existe. As correntes mais tradicionais da Igreja Católica não costumam querer qualquer proximidade com a TFP, que, enquanto teve alguma importância, recusava a autoridade do Vaticano.  Mas isso ainda poderia ser o de menos. O fundamental vem agora: por que diabos alguém distribuiria um panfleto anti-PT ou anti-Dilma (o nome dela nem aparece no texto) num encontro de oposicionistas? Para convencer quem do quê? Com que propósito? Quem quer que tenha tomado tal iniciativa buscava, evidentemente, associar as oposições a um grupo ultra-reacionário, que, em tese ao menos (se tivesse existência real), vive às turras com a autoridade do próprio papa. A quem interessa tal associação? Ao PSDB? Seria conveniente mesmo que a Polícia Federal investigasse. Afinal, tucano não é jumento.
A lambança toda não deixa de ter um aspecto curioso porque o trecho do papelucho que mais “chocou” diz o seguinte sobre o Programa Nacional de Direitos Humanos:
O PNDH-3 é um projeto de lei que tem por objetivo implantar em nossas leis a legalização do aborto, acabar com o direito da propriedade privada, limitar a liberdade religiosa, perseguir cristãos, legalizar a prostituição (e onde fica a dignidade dessas mulheres?), manipular e controlar os meios de comunicação, acabar com a liberdade de imprensa, taxas sobre fortunas o que afastará investimentos, dentre outros. É um decreto preparatório para um regime ditatorial“.
A pessoa que o redigiu para tentar, evidentemente, transformar as oposições em algozes e os petistas em vítimas — dando a Dutra a chance de pedir à PF “a abertura de um inquérito” (como se ele pudesse…) — soube ser bastante realista ao resumir o plano. Uma tramóia, afinal, precisa ser verossímil. Vejam:
1 - Aborto - o plano, com efeito, trazia como diretriz a legalização do aborto. Tanto trazia que Lula foi obrigado a recuar. Estava lá não “Ação G” do Objetivo Estratégico III:
g) Apoiar a aprovação do projeto de lei que descriminaliza o aborto, considerando a autonomia das mulheres para decidir sobre seus corpos.(  ) verdade (  ) mentira
Como ficou -
Diante dos protestos, o governo mudou o texto, que ficou assim: “Considerar o aborto como tema de saúde pública, com a garantia do acesso aos serviços de saúde”. É uma forma oblíqua de defender a descriminação, é claro.
2 - Direito de Propriedade - o plano, com efeito, relativiza o direito de propriedade ao propor que juízes só determinem a reintegração de posse de área invadida depois de promover audiências de que participem os invasores. Temos lá na “Ação D” do “Objetivo Estratégico VI:
d) Propor projeto de lei para institucionalizar a utilização da mediação como ato inicial das demandas de conflitos agrários e urbanos, priorizando a realização de audiência coletiva com os envolvidos, com a presença do Ministério Público, do poder público local, órgãos públicos especializados e Polícia Militar, como medida preliminar à avaliação da concessão de medidas liminares, sem prejuízo de outros meios institucionais para solução de conflitos.(  ) verdade (  ) mentira
Como ficou -
Nesse caso, a mudança  foi ridícula. Manteve a proposta da audiência com invasores, mas “sem prejuízo de outros meios institucionais”.
3 - Perseguição religiosa - o plano, com efeito, defendia uma variante de perseguição religiosa ao determinar, na prática, que todos os crucifixos fossem retirados de repartições públicas. Está lá na “Ação C” do Objetivo Estratégico VI:
c) Desenvolver mecanismos para impedir a ostentação de símbolos religiosos em estabelecimentos públicos da União.(  ) verdade (  ) mentiraA proposta foi eliminada na nova redação.
4 - Prostituição - O plano, com efeito, propõe a regulamentação da prostituição na “Ação N” do Objetivo Estratégico VI, a saber:
“Garantir os direitos trabalhistas e previdenciários de profissionais do sexo por meio da regulamentação de sua profissão.(  ) verdade (  ) mentiraA proposta foi mantida.
5 - Liberdade de imprensa - o plano, com efeito, instituía uma forma oblíqua de censura em vários trechos. Cito a “Ação A” do Objetivo Estratégico I, entre outras:
a) Propor a criação de marco legal regulamentando o art. 221 da Constituição, estabelecendo o respeito aos Direitos Humanos nos serviços de radiodifusão (rádio e televisão) concedidos, permitidos ou autorizados, como condição para sua outorga e renovação, prevendo penalidades administrativas como advertência, multa, suspensão da programação e cassação, de acordo com a gravidade das violações praticadas.(  ) verdade (  ) mentira
Como ficou
- A nova redação se limite a falar na regulamentação do artigo 221 da Constituição, sem os outros penduricalhos.
6 - Taxação de Grandes fortunas - O plano, com efeito, essa diretriz na Ação D do Objetivo Estratégico II:
d) Regulamentar a taxação do imposto sobre grandes fortunas previsto na Constituição.A proposta foi mantida.
Caminhando para o encerramentoPronto! Se o inquérito for aberto, já quebrei um galhão para a PF. O trecho pode omitir algumas pequenas mudanças, mas mentiroso, em si mesmo, não é. Assim, é preciso, então, investigar outra coisa: quem estava circulando numa reunião de oposicionistas, dizendo-se da TFP, cometendo a ridicularia de distribuir panfletos contra o governo numa reunião que já é, por natureza, antigoverno, depositando-os, de modo estratégico, na mesa do cafezinho?…
O anúncio de Dutra é uma tentativa de criminalizar as oposições para tentar tirar o foco do essencial nesse caso: as declarações dadas por Dilma em favor da descriminalização do aborto e a histórica e comprovada militância do PT e do governo Lula em favor dessa causa.
É ou não é, Dutra? Por enquanto, os truques não estão funcionando.
Por Reinaldo Azevedo