quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Che Guevara: Herói de Barro.


Muito se fala sobre o argentino Ernesto Guevara Lynch de La Serna em livros, revistas e todo o tipo de mídia, sempre o endeusando e aumentando ainda mais o tamanho do mito gerado em torno de sua personalidade.
Porém, nem sempre a versão oficial é correta e, no caso de Che, isso é notório sob qualquer ponto de vista.
O que há sobre tal personagem é uma aura de herói, de síntese de um sistema, de criação de um símbolo e culto à pernonalidade, exagerado até.


Enquanto bebia meu cafezinho sagrado, na preciosíssima presença de minha namorada Val, resolvi escrever um pouco sobre o Arnesto, como diria o Prof. Faé. Não sendo linear na cronologia( quisera ser o Tarantino), vou começar com um fato que por si só, já diz muito do Che.
No dia 08 de outubro de 1967, nos cafundós bolivianos, numa região chamada vale Grande, não muito longe daqui de onde moro(RO), mas com uma realidade social muito distinta e muito menos favorecida, um guerrilheiro esmulambado, maltrapilho, faminto e sem asseio, gritava para alguns soldados do Exército Boliviano:

-''Não atire. Sou o Che. Valho muito mais vivo do que morto''.

Quem disse isso foi o próprio Che, na ocasião de sua captura pelos bolivianos com monitoramento do serviço secreto dos EUA. Essa passagem histórica caiu no esquecimento não por acaso. Ela mancharia a biografia de um mito com seu pedido de misericórdia, clemência, imploro pela própria vida, além do reconhecimento sem disfarce da derrota. Tudo ficou fora de todos os livros sobre o Che que se conhece, mas passagens como essas estão nos arquivos do Exército Boliviano( aquele que invadiu e tomou as refinarias da Petrobrás, leitor) e nos arquivos da CIA.



O Che nasceu na província de Rosário, na Argentina, nosso maior vizinho, e na juventude teve contato com as ideias que moldariam sua existência até o dia relembrado no parágrafo atrás. O filme Diários de Motocicleta, de walter Salles, mostra aspectos da vida jovem de Ernesto( o lado chato é o endeusamento feito e a bajulação) quando de sua saída pela América do Sul, até chegar ao México e juntar-se a Fidel, formando o grupo que, posteriormente, tomaria o poder em Cuba.
Derrubada a ditadura de Batista( devidamente substituída por outra pior, a dos Castro), Che, irrequieto como ele só e doido para espalhar sua ideologia de ''Novo Homem'' pelo mundo, resolveu que o Congo era a bola da vez. Após divergências com Fidel, de quem tornou-se importante ministro. Che liderou um grupo militar cubano que buscava instalar um regime similar em solo africano. Derrotado pelas confusas alianças tribais africanas, pelo inimigo em si e pela diarréia, ele viu-se forçado ao retorno não obtendo êxito em sua missão.

Mas como explicar que um homem frio, voluntarioso, apologista da violência, autoritário até o osso, tenha ido parar no biquíni da Gisele Bündchen, no braço do Maradona, na barriga do Tyson e em milhares de camisetas mundo afora? A propaganda de esquerda, ora. No mundo inteiro e naquela época, com aquelas circunstâncias, Che caiu feito luva na necessidade de criar-se um mito contra o grande satã: o capitalismo. E assim foi feito. Escritores aos montes caíram nos braços da esquerda e se apaixonaram pela revolução promovida em Cuba e maravilhavam-se com Che e Fidel. Sartre foi um deles, junto com sua esposa, também escritora, Beauvoir.

Uma das frases mais famosas atribuídas a Che - mas criada pela esquerada - é aquela que lembra remédio para ereção: ''Há que endurecer-se, sem jamais perder a ternura'', mas essa é a antítese das ações de Che. Seus ex-colegas, dissidentes que lutaram ao seu lado, que conviveram diariamente com Ernesto, contam relatos de arrepiar sobre esse terno e humanista homem.
Régis Debray, jornalista francês, escreveu:"Ele era adepto do totalitarismo até o último pêlo do corpo". Incapaz de compreender a vida em uma sociedade aberta e sempre disposto a eliminar a tiros os adversários, mesmo os que vestiam a mesma farda que ele. Che é, paradoxalmente, visto como um símbolo da luta pela liberdade. Também é responsável direto pela morte de 49 jovens inexperientes recrutas que faziam o serviço militar obrigatório na Bolívia, aqui pertinho de mim. Na versão mitológica, Che era dono de um talento militar excepcional. Seus ex-companheiros, no entanto, lembram-se dele como um comandante imprudente, irascível, rápido em ordenar execuções e mais rápido ainda em liderar seus camaradas para a morte, em guerras sem futuro no Congo e na Bolívia.

Napoléon Villaboa, assessor de Che em La Cabaña, conta em entrevista ter levado ao gabinete do chefe um detido chamado José Castaño, oficial de inteligência do Exército de Batista. Sobre Castaño não pesava nenhuma acusação que pudesse produzir uma sentença de morte. Fidel chegou a ligar para Che para depor a favor de Castaño. Tarde demais. Enquanto dava voltas em torno de sua mesa e da cadeira onde estava o militar, Che sacou a pistola 45 e o matou ali mesmo com balaços na cabeça. Em outra ocasião, Che foi procurado por uma mãe desesperada, que implorou pela soltura do filho, um menino de 15 anos preso por pichar muros com inscrições contra Fidel. Um soldado informou a Che que o jovem seria fuzilado dali a alguns dias. O comandante, então, ordenou que fosse executado imediatamente, para que a mãe não passasse pela angústia de uma espera mais longa. Muito bonzinho, esse Che, né?

Em seu diário da campanha em Sierra Maestra, Che descreve com naturalidade como executou Eutímio Guerra, um rebelde acusado de colaborar com os soldados de Batista: "Acabei com o problema dando-lhe um tiro com uma pistola calibre 32 no lado direito do crânio, com o orifício de saída no lobo temporal direito. Ele arquejou um pouco e estava morto. Seus bens agora me pertenciam". Em outro momento, Che decidiu executar dois guerrilheiros acusados de ser informantes de Batista. Ele disse: "Essa gente, como é colaboradora da ditadura, tem de ser castigada com a morte". Como não havia provas contra a dupla, os outros rebeldes presentes se opuseram à decisão de Che. Sem lhes dar ouvidos, ele executou os dois com a própria pistola. Essa frieza e a crueldade sumiram atrás da moldura romântica que lhe emprestaram, construída pelos mesmos ideólogos de esquerda que causaram o seu endeusamento.
Centenas de homens que ele fuzilou em Cuba tiveram sua sorte selada em rituais sumários que não passavam de dez minutos. Che foi sim, um maníaco assassino.

Após o fracasso no Congo, o argentino tornou-se uma figura patética até em Havana. Fidel divulgou uma carta em que ele renunciava à cidadania cubana e anunciava sua disposição de levar a guerra revolucionária à América do Sul.
Além da falta de apoio do povo boliviano, que tratou os cubanos chefiados por Che como um bando de ladrões, a expedição fracassou também pela traição do Partido Comunista Boliviano. Peguei emprestado de um amigo professor da Unir( a Federal daqui, um entulho ideológico também, que dia desses fez palestras para enaltecer e defender as Farc, vejam só)a mais completa biografia de Che, escrita pelo americano Jon Lee Anderson, onde ele afirma que a estratégia de Che já não era bem vista por Moscou ou Havana. Era um método ultrapassado. Daí o '' Porco'', como Che era chamado pelos amigos por ter cheiro de rim fervido, ter sido deixado de lado até pelo Partido Comunista da Bolívia.
Com excessão de Cuba, Che fracassou em todas as outras frentes em que atuou( se observarmos bem, Cuba também não demonstra sucesso algum, não éw). Como economista em Havana, na guerrilha ao lado de Kabilla no Congo, na Bolívia...
Jaime Suchlicki, historiador cubano arremata: ''Como médico, nunca exerceu a profissão. Como ministro e embaixador, não conseguiu o que queria. Como guerrilheiro, foi eficiente apenas em matar por causas sem futuro''.
Mesmo tentando exportar a revolução, Cuba é hoje um fracasso. Sem liberdade política e econômica, um país decrépito, onde comida e energia, são racionados. Laurent Kabilla, a quem Che ajudou, foi o chefe de um governo sanguinário no Congo( ex- Zaire) que matou mais de 3 milhões de pessoas(tá nos livros de Geografia e História)
A ideologia de Mao Tsé Tung, que Che tanto defendia, foi praticamente sepultada pelos chineses, o Muro de Berlim caiu e sobre os ombros do Socialismo jazem mais de 100 milhões de cadáveres.
Che também disse que criaria ''muitos Vietnãs'' pelo mundo. Falhou, mas a globalização e o livre comércio, esses sim, já criaram vários: países adeptos da economia de mercado, com rápido crescimento econômico e aliados dos Estados Unidos.
Por suas convicções ideológicas, Che tem seu lugar assegurado na mesma lata de lixo onde a história já arremessou há tempos outros teóricos e práticos do socialismo, como Lenin, Stalin, Trotsky, Mao e Fidel Castro. Só graças à leitura e aos bons professores que tive( entra aqui o Prof. Faé, que sempre foi uma voz dissonante do senso comum e das bobagens que até nos livros se acham) pude acordar e ver o outro lado, o da farsa. Infelizmente as escolas ainda estão contaminadas com esse mal. O mal do mito, da esquerda boazinha e salvadora, do petismo redentor e outras bobagens mais que não passam ao crivo da leitura e das perguntas.



Já escrevi aqui que Dumont está mais para avô da aviação do que para pai.
Agora falei sobre outra farsa: Che.
Logo falarei de outra mentira ou bobagem que toma ar de coisa séria.
Esse país é um samba do crioulo doido, onde o Febeapá( festival de besteiras que assola o país,- saudade do Stanislaw)rola solto.

Hadriel




22 comentários:

  1. Para que fique registrado nos anais desse blog, é preciso que se diga que a frase:''Não atire. Sou o Che. Valho muito mais vivo do que morto''. Foi em razão dele ter sido baleado na mão direita onde portava a arma que estava trocando bala com o exército boliviano que o tinha cercado. Quer dizer, ele estava baleado e sem armas!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi em razão dele estar cagando de medo de ser morto. Me lembra uma música do Bezerra: "Você com revólver na mão é um bicho feroz, feroz... sem ele anda rebolando até muda de voz."

      Excluir
  2. É preciso que se diga que militarmente falando o CHE sempre foi um perdedor. Com exceção da revolução cubana ele sempre foi um revolucionário fracassado, em que pese a sua inteligência estratégica, um exímio atirador e um disciplinador rígido. Agora, não são só esses ingredientes que se vence uma revolução. Afinal de contas o nome já diz: quem vence revolução é o povo e não 80 ou 100 homens armados na selva e combatendo o inimigo. Quanto ao fracasso no CONGO os dois maiores motivos da derrota foram: o dialeto de difícel compreensão e a negrada do congo que não aceitaram o CHE ser o comandante da tropa.

    ResponderExcluir
  3. Uma das grandes revoltas da filha do CHE(Aleida Guevara) com o capitalismo é justamente a exploração mercantil que o mundo todo faz com seu pai, tratando-o como um mito. Onde na verdade ele era um simples revolucionário. Agora, um revolucionário 100% em todos os sentidos. Jamais pensou em ser um mito.

    ResponderExcluir
  4. A frase: ''Há que endurecer-se, sem jamais perder a ternura'', jamais foi pronunciada por CHE, nunca!!! Isso foi criação do sistema logo após a sua morte para fazer a lavagem cerebral dos cubanos. Esses dizeres foi tirado da seguinte frase que o CHR costuma pronunciar diante de sua tropa e dos sete anos que serviu ao governo cubano: "SE AVANÇO, SIGA-ME; SE ME DETENHO, EMPURRE-ME; SE RETROCEDO, MATA-ME." .

    ResponderExcluir
  5. Na verdadeira biografia do CHE não consta que ele era totalitário, imprudente e irascível. Na verdade ele era personalista, duro, porém, justo. Não é à toa que ele costumava dizer: "O IMPORTANTE NÃO É JUSTIFICAR O ERRO, MAS IMPEDIR QUE ELE SE REPITA."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkk!
      Vai ler mais meu amigo!
      Este facínora foi um dos maiores assassinos da América Latina.
      Você deve ser um destes que anda com camiseta de Che e uma maça da Apple no carro para fazer graça.

      Excluir
  6. Todo o castigo que o CHE praticou com a samangada do BATISTA, ainda foi pouco. Na revolução que durou cerca de três anos a malvadeza dos soldados do tirano Batista ultrapassava todos os limites possíveis de crueldade. a ordem era: ao chegar numa cabana daquela lá em Serra Maestra era pra estuprar crianças e mulheres, torturar os homens para dizer onde estava os revolucionários, matá-los e depois tocar fogo na cabana e sacrificar todos os animais ali existentes.

    ResponderExcluir
  7. ..........Em outro momento, Che decidiu executar dois guerrilheiros acusados de ser informantes de Batista. Ele disse: "Essa gente, como é colaboradora da ditadura, tem de ser castigada com a morte". Como não havia provas contra a dupla, os outros rebeldes presentes se opuseram à decisão de Che. Sem lhes dar ouvidos, ele executou os dois com a própria pistola........... ESCANCARADA MENTIRA. E PÕE MENTIRA NESSA HISTÓRIA DA CAROCHINHA. O CASO EU CONTO COMO O CASO FOI: ESSES DOIS, ERAM ESPIÕES DE BATISTA E AO FAZER PARTE DO GRUPO E POR SER PESSOAS PREPARADAS PEGOU TODA CONFIANÇA DO GRUPO, PRINCIPALMENTE DO CHE. CERTA VEZ, ELES SEM MAIS AGUENTAREM E POR TER SE APAIXONADO PELO CARÁTER E A DETERMINAÇÃO DO CHE, CONFESSARAM: "Comandante, na verdade nós viemos aqui para dar-lhe fim, mais não nos sentimos com coragem de fazer isso em razão de sua dignidade". Imediatamente, CHE convidou a tropa e houve uma eleição para executá-los ou não pela traição cometida depois confessada. O resultado foi 40 votos a favor e 40 contra. Daí, pediram para eles não serem eliminados. CHE, como tinha direito ao voto de minerva votou a favor e detonou-los para servir de exemplo a tropa. Afinal de contas, guerra é guerra.

    ResponderExcluir
  8. ..........Daí o '' Porco'', como Che era chamado pelos amigos por ter cheiro de rim fervido, ter sido deixado de lado até pelo Partido Comunista da Bolívia.
    Com excessão de Cuba, Che fracassou em todas as outras frentes em que atuou......... NA VERDADE, CHE GUEVARA NÃO ERA UM PORCO FEDORENTO. ELE FOI MARCADO PELA PERSONALIDADE FIRME, FORTE E SEM CONTESTAÇÃO COMO O HOMEM DO SÉCULO XX.

    ResponderExcluir
  9. FINALMENTE, VAMOS A “MALDIÇÃO” DE CHE GUEVARA:

    EIS AS INCRÍVEIS COINCIDÊNCIAS QUE CERCAM A VIDA DE DIVERSOS ENVOLVIDOS COM O EPISÓDIO DA CAPTURA E MORTE DO COMANDANTE CHE GUEVARA, OS QUAIS PARECEM “AMALDIÇOADOS” PELA VINGANÇA DO GUERRILHEIRO. VEJA A LISTA CRONOLÓGICA DOS FATOS:
    1 -- General René Barriento, Presidente da Bolívia, morreu carbonizado num acidente de helicóptero, em abril de 1969. Até hoje, as circunstâncias que envolveram o evento são inexplicáveis;

    2 – O General Alfredo ovando candia, Comandante Chefe das Forças Armadas, viu seu filho falecer por causa de um câncer, em outubro de 1970;

    3 – Um dos últimos oficiais a conversar com Che em La Higuera – Bolívia - o Tenente-Coronel Andrés Selich, perdeu a vida sob tortura em 1973, durante o governo do General Hugo Banzer;

    4 – O General Juan José Torres, Chefe do Estado Maior, um dos responsáveis pela decisão de executar Guevara, foi assassinado, em fevereiro de 1976, por um esquadrão da morte argentino, em Buenos Aires;

    5 – O Coronel Zenteno Anaya – que fez parte do sexteto que assassinaram Guevara – foi vítima de um atentado fatal em Paris, França, no ano de 76;

    6 – Em 1981, o General Gary Prado –que pegou carona na última foto de Guevara, momento antes de ser assassinado - foi baleado durante uma reunião de militares e ficou paraplégico.

    A PROFECIA SE CONCRETIZOU: É O FANTASMA VINDO AS CATACUMBAS PEGAR NOS PÉS DE SEUS VERDUGOS.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Manda ele vir pegar no meu! Cheguevara de araque. Vagabundo!
      Será que vc fez este comentário mesmo? Você acredita no candomblé ou o q?

      Excluir
  10. Como médico, o CHE tinha uma frase de um teor exuberante, personalista e bastante humanista, senão vejamos: “PARA AUSCULTAR O CLAMOR DO POVO NÃO É PRECISO USAR ESTETOSCÓPIO, BASTA TER CORAÇÃO.”

    ResponderExcluir
  11. A “MALDIÇÃO” DE CHE GUEVARA:

    EIS AS INCRÍVEIS COINCIDÊNCIAS QUE CERCAM A VIDA DE DIVERSOS ENVOLVIDOS COM O EPISÓDIO DA CAPTURA E MORTE DO COMANDANTE CHE GUEVARA, OS QUAIS PARECEM “AMALDIÇOADOS” PELA VINGANÇA DO GUERRILHEIRO. VEJA A LISTA CRONOLÓGICA DOS FATOS:

    1 -- General René Barriento, Presidente da Bolívia, morreu carbonizado num acidente de helicóptero, em abril de 1969. Até hoje, as circunstâncias que envolveram o evento são inexplicáveis;

    2 – O General Alfredo ovando candia, Comandante Chefe das Forças Armadas, viu seu filho falecer por causa de um câncer, em outubro de 1970;

    3 – Um dos últimos oficiais a conversar com Che em La Higuera – Bolívia - o Tenente-Coronel Andrés Selich, perdeu a vida sob tortura em 1973, durante o governo do General Hugo Banzer;

    4 – O General Juan José Torres, Chefe do Estado Maior, um dos responsáveis pela decisão de executar Guevara, foi assassinado, em fevereiro de 1976, por um esquadrão da morte argentino, em Buenos Aires;

    5 – O Coronel Zenteno Anaya – que fez parte do sexteto que assassinaram Guevara – foi vítima de um atentado fatal em Paris, França, no ano de 76;

    6 – Em 1981, o General Gary Prado –que pegou carona na última foto de Guevara, momento antes de ser assassinado -- foi baleado durante uma reunião de militares e ficou paraplégico.

    A PROFECIA SE CONCRETIZOU: É O FANTASMA VINDO AS CATACUMBAS PEGAR NOS PÉS DE SEUS VERDUGOS.

    ResponderExcluir
  12. FINALMENTE, GUEVARA MORREU, MAS DEIXOU A SUA A “MALDIÇÃO”: EIS AS INCRÍVEIS COINCIDÊNCIAS QUE CERCAM A VIDA DE DIVERSOS ENVOLVIDOS COM O EPISÓDIO DA CAPTURA E MORTE DO COMANDANTE CHE GUEVARA, OS QUAIS PARECEM “AMALDIÇOADOS” PELA VINGANÇA DO GUERRILHEIRO. VEJA A LISTA CRONOLÓGICA DOS FATOS:

    1 -- General René Barriento, Presidente da Bolívia, morreu carbonizado num acidente de helicóptero, em abril de 1969. Até hoje, as circunstâncias que envolveram o evento são inexplicáveis;
    2 – O General Alfredo ovando candia, Comandante Chefe das Forças Armadas, viu seu filho falecer por causa de um câncer, em outubro de 1970;
    3 – Um dos últimos oficiais a conversar com Che em La Higuera – Bolívia - o Tenente-Coronel Andrés Selich, perdeu a vida sob tortura em 1973, durante o governo do General Hugo Banzer;
    4 – O General Juan José Torres, Chefe do Estado Maior, um dos responsáveis pela decisão de executar Guevara, foi assassinado, em fevereiro de 1976, por um esquadrão da morte argentino, em Buenos Aires;
    5 – O Coronel Zenteno Anaya – que fez parte do sexteto que assassinaram Guevara – foi vítima de um atentado fatal em Paris, França, no ano de 76;
    6 – Em 1981, o General Gary Prado –que pegou carona na última foto de Guevara, momento antes de ser assassinado -- foi baleado durante uma reunião de militares e ficou paraplégico.

    A PROFECIA SE CONCRETIZOU: É O FANTASMA VINDO AS CATACUMBAS PEGAR NOS PÉS DE SEUS VERDUGOS.

    ResponderExcluir
  13. Grande humanista esse Che! Ele e toda a esquerda só queriam implantar um socialismo autoritário e sanguinário pelo mundo: matando inocentes... Vejam o que Fidel fez até hoje! É horroroso saber que também temos um regime parecido no Brasil, querendo criminalizar os defensores da ordem e enaltecendo os desordeiros. Que vergonha!!!

    João Gustavo

    ResponderExcluir
  14. FIDEL CASTRO É UM TIRANO; DILMA UMA EX-TERRORISTA ASSASSINA FRIA E CALCULISTA QUE MATAVA GENTE INOCENTE COMO SE SANGRA PORCO OU BODE; QUANTO A GUEVARA, FIZERAM DELE UM MITO. AGORA COMO ELE MESMO DIZIA: “DEPENDENDO DAS CIRCUNSTÂNCIAS, O REVOLUCIONÁRIO DEVE SER UMA FRIA E SELETIVA MÁQUINA DE MATAR”. QUER DIZER, "DEPENDENDO DAS CIRCUNSTÂNCIAS..."

    ResponderExcluir
  15. è verdade que dilma é terrorista sim, e agora presidenta. E Gueuvara foi terrorista tambem.

    ResponderExcluir
  16. EXISTE UMA DIFERENÇA MUITO GRANDE, PODE-SE DIZER ATÉ CAVALAR, ENTRE TERRORISTA E GUERRILHEIRO. TERRORISTA, QUE ERA O CASA DA DILMA SÃO PESSOAS COVARDES QUE MATAM A TRAIÇÃO PESSOAS INOCENTES. NÃO É À TOA QUE, A VACA TERRORISTA DA DILMA, AO CHEGAR NAS PROXIMIDADES DUMA GUARITA DO EXÉRCITO, LANÇAVA UM CARRO ENTUPIDO DE BANANAS DE DINAMITES E AQUELE JOVEM QUE ESTAVA TIRANDO SERVIÇO, DE SENTINELA, ERA DESPEDAÇADO E PARTES DO SEU CORPO ERAM JOGADOS A QUILOMETROS DE DISTÂNCIA. SEQUER SEUS FAMILIARES TINHA O PRAZER DE ENTERRAR SEUS ENTEQUERIDOS. JÁ O GUERRILHEIRO, NÃO!!! ELE ENFRENTA O PERIGO, O INIMIGO, FRENTE A FRENTE, TETE A TETE, NA BALA. PORTANTO, CHE GUEVARA NUNCA FOI TERRORISTA E SIM UM GUERRILHEIRO QUE NUNCA PERDEU A TERNURA, JAMAIS. ENTENDESTE ANÔNIMO?!?!?! OU QUERES QUE EU FAÇA O DESENHO!!!

    ResponderExcluir
  17. EIS AS INCRÍVEIS COINCIDÊNCIAS QUE CERCAM A VIDA DE DIVERSOS ENVOLVIDOS COM O EPISÓDIO DA CAPTURA E MORTE DO COMANDANTE CHE GUEVARA, OS QUAIS PARECEM “AMALDIÇOADOS” PELA VINGANÇA DO GUERRILHEIRO. ESSAS COINCIDÊNCIAS FICARAM CONHECIDAS COMO A “MALDIÇÃO” DE CHE GUEVARA. VEJA A LISTA CRONOLÓGICA DOS FATOS:

    1 -- General René Barriento, Presidente da Bolívia, morreu carbonizado num acidente de helicóptero, em abril de 1969. Até hoje, as circunstâncias que envolveram o evento são inexplicáveis;
    2 – O General Alfredo ovando candia, Comandante Chefe das Forças Armadas, viu seu filho falecer por causa de um câncer, em outubro de 1970;
    3 – Um dos últimos oficiais a conversar com Che em La Higuera – Bolívia - o Tenente-Coronel Andrés Selich, perdeu a vida sob tortura em 1973, durante o governo do General Hugo Banzer;
    4 – O General Juan José Torres, Chefe do Estado Maior, um dos responsáveis pela decisão de executar Guevara, foi assassinado, em fevereiro de 1976, por um esquadrão da morte argentino, em Buenos Aires;
    5 – O Coronel Zenteno Anaya – que fez parte do sexteto que assassinaram Guevara – foi vítima de um atentado fatal em Paris, França, no ano de 76;
    6 – Em 1981, o General Gary Prado –que pegou carona na última foto de Guevara, momento antes de ser assassinado -- foi baleado durante uma reunião de militares e ficou paraplégico.

    A PROFECIA SE CONCRETIZOU: É O FANTASMA VINDO AS CATACUMBAS PEGAR NOS PÉS DE SEUS VERDUGOS!!!

    ResponderExcluir
  18. As "incríveis coincidências" das quais o Altamir Pinheiro fala, são uma brutal mistificação. Um general perdeu um filho com câncer. Qual a família que não perde alguns membros por doenças, acidentes, violência urbana, etc.? Dá para levar a sério o Altamir? Eu respondo que não.
    Ele fala da maldição de Che Guevara, como outros mistificadores falam da MALDIÇÃO DO FARAÓ. A morte de várias pessoas dentre as que entraram na tumba de Queóps pela primeira vez, na década de 20. As pessoas tem que morrer um dia não é?
    Foi muito ilustrativo o texto do Altamir. Sabem porque? Porque exemplifica muito bem o que o Hadriel disse no seu ótimo texto sobre Che Guevara, ou seja, que a esquerda adora MISTIFICAR, endeusar os seus heróis, falsos heróis.

    ResponderExcluir
  19. Altamir Pinheiro faz TODOS os comentários...kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk... Isso que é um BLOGUE democrático... mas democrático que isso só Che e Fodel!!!!!!kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir