quinta-feira, 18 de novembro de 2010

DIREITA VELHA






A direita, para quem não desconfia, está no poder. Não aquela direita liberal, e mesmo conservadora, do ponto de vista ideológico, mas a pragmática, digamos assim. Como Lula nunca foi de esquerda, cobram caro no apoio, mas garantem qualquer governo, apoderando-se de parte da máquina do governo. Mantendo-se o clientelismo e o patrimonialismo estatal, tudo continua como dantes. Com a cleptocracia sempre em festa. Mas o povo há tempos está enjoado dessa história. Será? A direita que está no poder há séculos, é a dita nacionalista, estatocrata, e por isso, mais corrupta. Que vai de um Getúlo Vargas a um Geisel, que, como Dilma, teve especialmente um eleitor fundamental, Lula. No caso de Geisel, Medici, que era quase tão popular quanto Lula nos tempos do “Brasil grande”. Só que Médici indicou sem participação popular, claro. Estávamos numa ditadura, nos tempos mais duros do regime. Naquela época também não se falava em dissolução das oposições? E assim vamos andando. Como Dilma vai se relacionar com essa turma? Vamos ver.


CRISE INTERNACIONAL?
É, a crise bate à porta. Temos que fechar as torneiras, e pagar as contas de Lula. Que quer, porque quer, fazer o tal de trem bala, quando nem dispomos dos tradicionais. Já pensaram viajar por esse belo país de trem? Mas nossas elites com sua secular burrice, sucatearam quase todo o sistema ferroviário do país, que só pode ser recuperado em décadas. Deram preferência as estradas de rodagem de automóveis. Claro, tinham que cuidar das duas modalidades, não? Mas aqui, a burrice e falta de planejamento são obras de séculos. Lembram dos portugueses? Que raramente planejavam as cidades? Nem criaram universidades, ao contrário dos espanhóis. Aliás, transporte público no país sempre foi um horror. Noves fora as estradas esburacadas...


QUASE DUZENTOS BILHÕES


É o que o governo federal, depois dos aumentos da era Lula, vai pagar aos funcionários públicos federais, por ano. Mas aí os problemas não são os barnabés, claro, que ademais, no serviço público federal, são poucos mesmo. São os marajás, alô Collor? Estes estão com tudo. Claro, todos votam em Lula e Dilma. Veremos, quando o sapato apertar. E a conta, quem é que paga? Só para lembrar, o bolsa-família custa 14 bi. Também por ano.






POPULISMO


Quando era novo, me entusiasmava com os discursos populistas, como aliás, qualquer idiota. Diziam horrores do desperdício que era investir em Suape e num “monstrengo” chamado centro de convenções. Diziam que o dinheiro deveria servir para matar a fome do povo. Centro de convenções e porto era coisa de burguês. Que coisa! Já viram quanta burrice? E os idiotas de sempre aplaudiam. Eu no meio, claro.

4 comentários:

  1. O Lula é um artista,criticava a compra de votos
    do PDS/PFL hj DEM, e agora o mesmo compra voto com o dinheiro publico, e haja bolsas renda,escola, gás,etc...tudo regularizado diga-se
    de passagem.

    ResponderExcluir
  2. Amigo Faé,

    Gosto muito dos seus textos, tanto sobre Caetés como a respeito da política nacional e internacional. Acho, apenas, que você anda meio pessimista, é como se torcesse para tudo dar errado. Perdoe se é essa a minha impressão. Eu, apesar de ter perdido a voz e não ter mais a saúde de outrora, continuo com espírito sonhador, meio idealista. Crise internacional, crise nas prefeituras... Ora, todos temos de lutar para não deixar cair a peteca. E quem sabe a Dilma, apesar do PMDB e outros partidos fisiólogicos, não tem jogo de cintura suficiente para que o Brasil continue avançando? A gente só vai poder criticá-la quando ela estiver governando, não é mesmo? Quanto à compra de votos com os programas sociais, conforme comentário do leitor, já está demonstrado por pesquisas do IBOPE, Datafolha e outros institutos que os beneficiários desses programas votaram como os demais eleitores do país. Uns ficaram com a petista, outros com Serra. A vitória foi obtida graças a uma série de fatores e não se pode querer resumir tudo a esse raciocínio simplista. Qualquer dia a gente precisa marcar um almoço com carne de bode para conversar pessoalmente. Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  3. "Nem só de pão vive o homem" (repetida aos milhões), tomada por mim - não como argumento religioso, mas visionário - acrescento: "mas de todo investimento cultural". Desde que não seja sobre a vida de Lula, como: gibi e filme!
    Hoje, não vejo o cinema nacional digno de aplausos, este é o reflexo da política de desinstrução que se expande por todos os cantos. É verdade que não se pode criticar o governo Dilma antes de acontecer, mas não custa saber como se dará tal administração. Agora estão brigando por cargos e depois o circo pega fogo. Até porque os gastos do governo Lula foram extravagantes, esta é a hora de conter despesas ou "pior será"! Não podem ignorar isso.

    ResponderExcluir
  4. Professor, o populismo sempre esteve em alta por aqui. É uma tática que sempre deu certo nessas terras tupiniquins. Graças à ignorância de um povo que sempre foi privado de pensar e de usar a lógica e a razão. Citando o Roberto Freire: '' No Brasil, a burrice tem um passado glorioso e um futuro promissor''.
    Adiante...

    ResponderExcluir