quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

Entenda a Operação “Lava Toga” e a sua gravidade

Entenda a Operação “Lava Toga” e a sua gravidade

No final da tarde de hoje (12/12), tanto órgãos de imprensa sem verba estatal (O Antagonista), como os tradicionais (Globo), começaram a noticiar pânico no mundo jurídico, em especial no Superior Tribunal de Justiça (STJ) com rumores de que Orlando Diniz estaria negociando um acordo de colaboração premiada.
Orlando Diniz foi preso pela Lava Jato do RJ e solto por Gilmar Mendes em meados deste ano. Ele presidia a Fecomercio, entidade que lá controla Sesc e Senac e as polpudas verbas do chamado sistema S, recolhidas de nós contribuintes quando se paga a GPS ao INSS.
Por meio da entidade, Silva teria pago 180 milhões de reais em honorários de advogados para a defesa de figurões do PT. Ainda não está confirmada a informação de que a delação envolveria o advogado-compadre do presidiário Lula, Dr. Roberto Teixeira, e 3 ministros do STJ. 28 dos 33 ministros da Corte foram nomeados por Lula, Dilma ou seu vice, Temer. A Corte tem importância prática imensa e julga causas com um valor total que provavelmente ultrapassa a dimensão econômica dos julgados do STF, pois o STJ é última instância para qualquer causa que não tenha discussão constitucional ou foro privilegiado no STF.
O chamado sistema S recebe no Brasil cerca de 20 bilhões por ano e está dispensado de contratar por licitações e concursos, bem como de controle por Tribunais de Contas. Nos últimos anos a União tem tentado reduzir essa verba, mas CNI, CNC, CNA e CNT têm tido sucesso em evitar isso no Congresso. O futuro ministro Paulo Guedes já antecipou que irá mexer nesse vespeiro de privilégios e ralo de recursos públicos.

2 comentários:

  1. Operação Hurricane 80% + Lava Jato 10% + Banestado 10% = Velho Coronelismo Judicial!! Mesmos envolvidos, mesmos advogados, mesmo modus operandi, porém com coadjuvantes e protagonistas alternados!! Tudo prescrevendo pq envolve ministros do STJ e um bem famoso do STF. Motivo pelo qual a Min. Elem Gracie deve ter pedido para sair, vez que foi até ameaçada pêlos donos do judiciário do país. Ministro Joaquim Barbosa herdou a investigação e tbm pediu pra sair. Muita coisa se arquiva no STF e pouco se sabe.
    Mas 1 deles está na 6 Vara Federal do RJ, e os envolvidos manobraram para ninguém mexer ou ouvir o teor do que se tem no ip2424. Ali está o maior achado da história do país. Vai acabar com o Judiciário de BSB se for profundamente revisado. Mais de meia Tonelada de papel, em autos físicos. Vale cada página.

    ResponderExcluir
  2. Aonde encontrar subsídios para o maior escândalo do país na Lava Toga??

    Caminho das Escutas encontradas/ocultadas no Inquérito Policial 2424STF/PF (10 anos sob sigilo até voltar ao Paraná em 2018). Por alguma razão o maior interessado na verdade não se esforçou para garantir o direito fundamental à segurança jurídica e à tutela de direitos nas outras esferas.

    STF 2006 (com sigilo) – Inquérito Polícia Federal nº 2424STF/PF (encontro fortuito de provas Paraná);

    TJPR 2007 (com sigilo) – Sindicância n.º 2007.0080964-3/0 e PAD nº 2007.80964-4/1;

    MPPR 2007 (com sigilo) – Procedimento Administrativo nº 9236/2007 (arquivado por falta das gravações e do Acórdão Administrativo em PAD do TJPR);

    STF 2008 (com sigilo) – APn 552 (ofício TJPR – solicitando escutas Paraná);

    CNJ 2010 (com sigilo) – PAD 0001533-77.2007.2.00.0000 109ª Sessão Ordinária (cópia integral das escutas do IP2424DF);

    STJ 2012 (com sigilo) – APn 697 RJ e APn 837 DF (provas Paraná paradas até 2017 na Corte Especial, com várias trocas de relatoria);

    JFRJ 2017 (sem sigilo – recebibo em junho de 2017):
    6ª VF 0504550-16.2017.4.02.5101 (provas Paraná);
    6ª VF 0504548-46.2017.4.02.5101 (provas Paraná);
    6ª VF 0504549-31.2017.4.02.5101;
    1ª VF 0035006-79.2012.4.02.5101;
    1ªVF 0503067-48.2017.4.02.5101;

    MPPR 2018 (com sigilo) – Notícia de Fato/Inquérito Civil/Peças de Informação desarquivadas/levantamento sigilo provas JFRJ – MPPR-0046.18.030343-3 (provas fato Paraná na íntegra);

    PGJ/MPPR/ORIGINÁRIA (com sigilo) 2018* – MPPR-0046.18.053327-8 (*pendente confirmação);

    TRF2 2018 (HC) – HC 0006158-49.2018.4.02.0000;

    STJ 2018 (5ª Turma – autuado em 25/06/2018; afastando Ministro Félix Fischer da Relatoria) – HC 0153984-20.2018.3.00.0000;

    STJ 2018 (5ª Turma – autuado em 04/09/2018; com novo relator, manobra para afastar o Ministro Fischer, evitando entendimento similar ao HC de Virgílio Medina, julgado em junho de 2017) – Novo HC 0230843-77.2018.3.00.0000.

    Não existe prescrição moral.

    “A moral é o cerne da Pátria. A corrupção é o cupim da República. República suja pela corrupção impune tomba nas mãos de demagogos, que, a pretexto de salvá-la, a tiranizam. Não roubar, não deixar roubar, pôr na cadeia quem roube, eis o primeiro mandamento da moral pública.” (retirado do discurso proferido na sessão de 5 de outubro de 1988, publicado no DANC de 5 de outubro de 1988, p. 14380-14382, por Ulysses Guimarães)

    contraponto.jor.br/o-caso-do-juiz-do-parana-que-virou-auxiliar-no-stj/

    Para Mudar o País!!! Maior furo. Basta acreditar e seguir as pistas aqui no Rio. Rumo à Glória.

    ResponderExcluir