quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Deixe a escória entrar, Bolsonaro. Pois faremos com ela um grande país - Leandro Narloch


Ao chamar os imigrantes sírios e haitianos de "escória do mundo" e compará-los a "marginais do MST", Bolsonaro trai o capitalismo que ele próprio diz defender

Por: Leandro Narloch  
O deputado Jair Bolsonaro está como a economia brasileira. Quando todo mundo acha que não tem como piorar, ele dá um jeito de cometer uma tolice ainda mais terrível que as anteriores. Nesta semana, durante uma entrevista para o jornal Opção, de Goiás, Bolsonaro disse:
Não sei qual é a adesão dos comandantes, mas, caso venham reduzir o efetivo [das Forças Armadas] é menos gente nas ruas para fazer frente aos marginais do MST, dos haitianos, senegaleses, bolivianos e tudo que é escória do mundo que, agora, está chegando os sírios também. A escória do mundo está chegando ao Brasil como se nós não tivéssemos problema demais para resolver.
É isso mesmo: Bolsonaro comparou imigrantes, gente que atravessa mares e percorre países a pé para encontrar um trabalho, com “marginais do MST” interessados em privilégios do governo e em tirar riquezas dos outros.
É verdade que haitianos e bolivianos são a escória do Brasil de hoje. Assim como poloneses, japoneses, alemães e italianos (alguns deles de sobrenome “Bolsonaro”) eram a escória da sociedade brasileira há um século.
O deputado costuma atacar o governo comunista de Cuba e defender o capitalismo. Pois não há força mais capitalista que a dos imigrantes. Ninguém representa tão bem a vontade de vencer pelo próprio trabalho. Eu, Bolsonaro e quase todos os brasileiros que eu conheço são descendentes de gente miserável que chegou ao Brasil aceitando qualquer subemprego. Em poucas gerações, essa gente enriqueceu mais que os nativos.
Em Londres, judeus e sikhs eram os grupos mais pobres no começo do século 20. Hoje são os mais ricos. Nos Estados Unidos, chineses e irlandeses sofriam tanta discriminação quanto os negros. Muitas empresas anunciavam empregos com a sigla NINA (No Irish Need Apply, “irlandeses não devem se candidatar”). Hoje chineses e irlandeses são mais ricos que a média dos americanos. No Brasil, imigrantes sírios e libaneses construíram o melhor hospital do país.
Economistas estão cansados de dizer que imigrantes não são um problema, mas a solução. Em maioria adultos jovens, contribuem mais em impostos do que gastam em serviços públicos. Ao ocupar vagas de baixa qualificação, liberam os brasileiros para trabalhos mais produtivos.
Se Bolsonaro gosta mesmo do capitalismo, deveria se inspirar no poema “O Novo Colosso”, gravado ao pé da Estátua da Liberdade, e proclamar na Câmara dos Deputados: “Dêem-me os cansados, os pobres, suas massas apinhadas, que anseiam por respirar a liberdade. Faremos com eles um grande país”.
*Adendo: neste vídeo, Bolsonaro afirma que se expressou mal ao usar o termo “escória”. Defende a entrada de imigrantes mas se diz preocupado com terroristas infiltrados entre eles. 
@lnarloch

Nenhum comentário:

Postar um comentário