sábado, 22 de junho de 2013

O PACTO DA RAPOSA - RAFAEL BRASIL

Quando a poeira baixar, uma grande pauta de reformas deve ser apresentada à população. A presidente, no seu pronunciamento, apresentou, digamos, uma breve pauta, que corresponde mais a pauta do petismo do que do que seria a da nação. Contratação de médicos estrangeiros - leia-se cubanos - e uma maior inserção dos movimentos sociais na política. Lembremos que os ditos movimentos sociais, como os sindicatos , são quase inteiramente controlados pelos petistas. Até as pedras sabem disso. Teríamos uma república sindicalista, e pior, chapa branca? Aliás, em relação ao sindicalismo, o mesmo devia ser inteiramente desatrelado do estado. Em outras palavras, o povo devia deixar de financiar compulsoriamente sindicatos que passaram a ser verdadeiras universidades de corrupção, dentre outras mazelas.
Dizer que o governo vai promover a mobilidade urbana é uma balela. Para isso, seria interessante abrir a caixa preta dos transportes. Aliás, é este setor, o responsável pelo financiamento das campanhas carregadas de corrupção. Até o lixo é superfaturado, e o ex prefeito Sérgio Daniel foi assassinado pela máfia do lixo. Participou da máfia do lixo em Ribeirão Preto, o ex ministro petista Antonio Palocci. Ou seja, o buraco é muito mais embaixo. Envolveria boa parte dos principais integrantes da alta cúpula petista. Além é claro do mensalão. Seria também preciso que o próprio governo apoiasse a condenação dos principais integrantes da quadrilha, altos membros do comando petista.
Na educação seria preciso , antes de aumento de verbas, o abandono do nefasto sócio-construtivismo das nossas escolas. A alfabetização voltaria a ser fonética, e a disciplina seria novamente rígida, com a valorização da carreira dos professores. Privatizar as universidades federais, e reformar completamente os currículos, unificando-os, e simplificando-os. Mudar completamente os cursos de formação de professores, priorizando as atividades de pesquisa e ensino, estas devidamente separadas, e lutando pelo processo de desideologização amplo geral e irrestrito no setor.
Bem, seria preciso muita discussão, e uma reforma ampla e geral no estado, e a adoção de um novo pacto federativo. Claro, também uma grande reforma política. Bem , devido a amplitude e diversidade dos reclamos públicos, a inação é aposta no pior. E essa história de pacto, já é muito velha, sobretudo quando é para engabelar os adversários políticos. Os petistas só pensam no poder. Correm o risco de o perderem para sempre, o que aliás seria muito bom para o país. Só estes aspectos apontados já se constituiriam numa verdadeira revolução republicana no Brasil. A segunda transição, que seria do aperfeiçoamento politico e institucional. Se nada for feito, a crise se agravará, e partiremos para a anarquia geral. No Brasil tudo pode piorar. E a inação é a pior atitude na política, sobretudo em tempos de crise, já dizia, no sangrento século XX, o autocrata e revolucionário russo León Trotski. É isso aí. 

SITUAÇÃO ECONÔMICA ADVERSA

Diante da crise politica, a economia está em pandarecos. Para consertá-la o governo teria que ter austeridade, cortar gastos , ou seja, tomar medidas impopulares. Como os petistas querem ganhar as eleições de qualquer jeito,  não vão fazer tal ajuste, que seria constituído de medidas de médio prazo. Como o governo só pensa em eleições, está difícil. Com o acirramento da crise, de todo jeito o governo, mesmo com "são Lula", pode perder.





Nenhum comentário:

Postar um comentário