terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

TRISTE LEGISLATURA - Miriam Leitão



Na economia, o ano não começou muito bem, mas pode melhorar. Na política, sem chance. A foto do ex-presidente Fernando Collor e do novo presidente do Senado, Renan Calheiros, rindo lembra aqueles pesadelos em que ficamos prisioneiros de uma cena que se repete. A frase de Lobão Filho sobre a vestal desossada parece uma confissão coletiva de mau comportamento.
Segundo Lobão Filho, “a última vestal nesta Casa foi desossada pela imprensa – Demóstenes Torres. Então, não há ninguém para levantar o dedo ao Renan Calheiros”.
Primeiro, acreditou na hipocrisia de Demóstenes quem quis. Segundo, ele perdeu mandato não pelo que disse, mas pelo que fez. Praticava o que condenava. Há outros defensores da ética que não são “desossados”. E isso porque simplesmente se comportam como os princípios que defendem.
Mas a declaração de Lobão Filho parece ser uma ameaça a quem quiser “levantar dedo” contra o presidente do Senado e um convite para que nos conformemos com o padrão moral dos novos comandantes e líderes.
A oposição mais uma vez mostrou a sua falta de espinha dorsal. Para defender uma secretaria no Senado para o mais controverso dos seus senadores, o PSDB de novo hipotecou metade da sua alma. Com a outra metade tentou salvar as aparências.
De saída da Presidência do Senado, que ocupou por quatro vezes, José Sarney chorou, disse que a Casa foi “pioneira em transparência” e citou Lincoln para dizer que nunca cravou, “por meu desejo”, espinho no peito de ninguém.
Deve ter sido sincero no choro. O escândalo dos atos secretos derruba a sua tese do pioneirismo da transparência.
Quanto aos espinhos, Sarney foi um fiel sustentáculo político de um regime que cravou, deliberadamente, mais que espinhos no peito dos discordantes. Foi uma dose tripla porque, no fim de semana, houve a escolha de um líder polêmico para o PMDB na Câmara e depois a eleição, também controversa, de Henrique Eduardo Alves. Com todos eles, teremos isso, uma triste legislatura.
Na economia, as coisas também não estão bem, mas, como disse acima, com chance de melhorar. A indústria terminou 2012 com enorme retração, a balança comercial começou o ano com uma vermelhidão não vista em décadas.
O pior do déficit comercial de US$ 4 bi é ele ter sido fruto de mais uma operação de administração das contas do país pela equipe alquimista que administra nossa economia.
Com a defasagem do registro das importações pela Petrobras é possível que nem todo o vermelho de 2012 tenha sido incluído nos números. Mas, de qualquer maneira, ao longo do ano o país deve acumular superávit no seu comércio externo.
A indústria pode se recuperar no ano, até pela base muito fraca, e ter resultados melhores.
Na área fiscal, o pior não foi o país ter descumprido a meta de superávit primário. Isso seria compreensível se fosse explicado como resultado isolado de um ano de economia fraca e com o compromisso de fazer esforço maior nos anos bons. O pior mesmo foi a confusão nas contas públicas para maquiar resultados e esconder números que retiraram transparência dos indicadores.
A dose da alquimia foi tão forte, tão criticada, que há uma chance de que a equipe econômica recorra menos a esses expedientes. Mas este ano, como um todo, tem chance de o país ter um desempenho melhor do que o que passou.
O que tem ficado cada vez mais estranho no executivo é a desenvoltura do ex-presidente Lula de se envolver na administração. Lula disse que seu maior desafio era o de aprender a ser ex-presidente. Deve se esforçar mais porque tem regredido nesse quesito.
Ele está cobrando dos ministros o cumprimento das metas do governo. Reúne-se com a presidente com atitudes de chefe. Faz admoestações até do exterior. Esquisito. Para uma presidente que tem dito, em privado, querer governar oito anos, a presidente Dilma está passando a perigosa sensação de ter um governo tutelado

Um comentário:

  1. EIS O PERFIL E A FOLHA CORRIDA RECHEADA DE CRIMES DE PECULATO, ESTELIONATO, TUDO ISSO –Y OTRAS COSITAS MÁS– DA NOVA MESA DIRETORA DA CÂMARA. LÁ, TEM TRÊS DEPUTADOS COM PROBLEMAS NA JUSTIÇA. ALÉM DO PRESIDENTE HENRIQUE EDUARDO ALVES (PMDB-RN), OS CONGRESSISTAS MAURÍCIO QUINTELLA (PR-AL) E TAKAYAMA (PSC-PR) TAMBÉM ENFRENTAM ACUSAÇÕES. O PRESIDENTE É ALVO DE AÇÃO NO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE. ELE FOI CONDENADO EM PRIMEIRA INSTÂNCIA EM MAIO DE 2011, JUNTO COM SEU PRIMO, O EX-GOVERNADOR DO RIO GRANDE DO NORTE E HOJE MINISTRO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL, GARIBALDI ALVES FILHO. TERCEIRO-SECRETÁRIO, QUINTELLA É ALVO DE UM INQUÉRITO NO STF (SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL) POR PECULATO. E O QUARTO-SUPLENTE, O DEPUTADO TAKAYAMA (PSC-PR) RESPONDE A UMA AÇÃO PENAL POR PECULATO, ESTELIONATO E CRIMES CONTRA A ORDEM TRIBUTÁRIA. TEM QUEM DÊ JEITO NESSA MALANDRAGEM CORRUPTA ACOBERTADA PELO PT E PSDB?!?!?!

    ResponderExcluir