terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

Por que o caos na Venezuela não surpreende?


Folha de São Paulo


Como comentamos neste espaço na semana passada, a Venezuela passa por uma crise humanitária sem precedentes. Papel higiênico e comida? Só para o exército e para os muy amigos de Maduro. As fronteiras pululando de gente. Um país que estava, vejam vocês, entre os mais ricos do continente nos ano 1980. Rico e democrático!
O petróleo, que a alguns ajuda, nesse caso atrapalhou. Não que ele seja o vilão direto. Se eu ganho um bilhete premiado eu estou rico mesmo. Até aí tudo bem, o ticket não tem como me deixar mais pobre de cara... Ou pode? Depende de como eu o administro, e como lido com os abutres que vão querer tirar uma lasca. Se eu começo a gastar mais do que deveria, passo a distribuir benesses para amigos e familiares, e se toda uma corja se mobiliza e organiza para tirar proveito da minha renda extraordinária, posso terminar pior do que comecei, cheio de dívidas e, sem aquela capacidade de trabalho que tinha antes...
O bilhete detonou com o sistema politico venezuelano; trouxe para o comando populistas militarizados. As coisas vinham mal já há mais de década, mas agora o país cai de joelhos. O congelamento de preços destruiu os incentivos dos produtores. Muitos se mandaram, outros tiveram seus ativos expropriados. Ah, a nacionalização dos meios de produção! O povo, representado pelo messias Maduro, enfim no poder.
Mas sem papel higiênico.
As estatais, começando pela Petróleos de Venezuela (PDVSA), foram dominadas pelos cupinchas do rei; técnicos competentes de longa data, demitidos e substituídos por lacaios. A produção de petróleo, claro, despencou afinal, general não é especialista em extrair óleo do subsolo. E o governo, perdendo receita sem parar devido à recessão e à incompetência, mas precisando agradar os amiguinhos, meteu o pé na jaca, quer dizer, na impressão de moeda. Consequentemente, a inflação já anda na casa dos 100% ao mês.
Qual o tamanho do desastre? Espia esse gráfico aí abaixo. Ele contém todas as taxas de crescimento médio para períodos consecutivos de três anos (média móvel) desde metade dos anos 1990 até 2017, para 165 países diferentes. Na média dos últimos três anos, o PIB venezuelano cai 14,2% cada ano! Ou seja, entre 2014 e 2017, a renda dos venezuelanos foi reduzida pela metade. E 2018 não deve fugir do padrão. Nos últimos 20 anos, apenas Serra Leoa e Líbia, países imersos em guerra civil, testemunharam quedas do PIB mais violentas.
Gráfico sobre a crise na Venezuela
O pior: não há possibilidade de acordo, liderado por negociadores internacionais —com o governo de Maduro. Ele não largará o osso mesmo que lhe seja oferecida uma proposta lucrativa e indecente. Maduro não é irracional; ele sabe que promessas podem se tornar rapidamente vazias a posteriori. Uma vez deposto o tirano, que incentivo teriam os bem-intencionados negociadores para manter sua palavra? Maduro terminaria mais provavelmente atrás das grades ou debaixo da terra. E ele sabe disso.
Há luz no fim do túnel? Sim, há. Mas trata-se de um trem vindo em nossa direção. A incompetência do governo no campo da economia é tamanha que podemos chegar ao ponto em que não lhe seja mais possível continuar pagando pelo apoio de que ainda desfruta. Nesse ponto, os soi-disant amigos começam a escassear, e a situação se complica. 
Infelizmente, é preciso mais deterioração para que haja uma mudança de governo. Maduro só cairá de maduro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário