sábado, 7 de maio de 2016

Ruy Fabiano: "Um ministério temeroso" Com Blog do Noblat - O Globo






Mistério (Foto: Arquivo Google)
A saída de Dilma Roussef da Presidência da República, a se efetivar esta semana, não encerra – antes inicia novo capítulo da crise, que promete ser longa, penosa e turbulenta.
O governo Michel Temer se prenuncia pouco promissor. Pelos sinais já emitidos, constata-se que não percebe o momento singular que vive. Mostra-se menor que o desafio que o aguarda.
O noticiário em torno de seu futuro ministério indica que manterá o padrão vigente, de troca de apoio parlamentar por cargos. Se não deu certo com os governos do PT, com toda a popularidade de que já desfrutaram, é improvável que dê com quem chega sem votos, em meio a tal crise.
Chegou a anunciar que reduziria à metade os ministérios, mas, ao iniciar as articulações, ao que parece, mudou de ideia. Se o apoio depende de cargos, jamais os haverá em número suficiente para saciar o apetite parlamentar. A saída é sair desse modelo. Mas ele aparentemente não conhece outro. É um peemedebista.
A chance – única – é buscar apoio no clamor da sociedade, sinalizar, desde o início, com mudança de rumos. Pensou-se que optaria por um ministério de notáveis, gente acima de qualquer suspeita e de comprovada credibilidade.
Dois nomes circularam no início das conversas, Carlos Ayres Brito (Ministério da Justiça) e Armínio Fraga (Fazenda). Ambos declinaram. Chegou-se a dois outros nomes, já tidos como definidos – José Serra (Relações Exteriores) e Henrique Meireles (Fazenda) -, mas nenhum outro de porte equivalente foi mencionado.
Os até aqui citados não são notáveis; alguns são notórios. E indicam que Temer, em relação ao chamado presidencialismo de coalizão (o outro nome do fisiologismo), troca seis por meia dúzia.
Vejamos alguns nomes, para citar apenas os que constam de todas as especulações: Romero Jucá (Planejamento), Eliseu Padilha (Casa Civil), Moreira Franco (Assuntos Estratégicos), além de outros sem pasta definida, como Geddel Vieira Lima, Helder Barbalho, Eunício de Oliveira, Gilberto Kassab, Henrique Eduardo Alves, Blairo Maggi – todos ex-servidores de governos do PT.
Henrique Eduardo Alves e Romero Jucá constam de delações da Lava Jato. O advogado Antonio Mariz, que Temer cogitava de colocar no Ministério da Justiça – e depois na Defesa -, é conhecido crítico do juiz Sérgio Moro. Temer não vê problemas em nomear ministros que serão investigados pela Polícia Federal.
A sociedade, com certeza, vê. E sua frustração será explorada pelos petistas, que, de volta à oposição, voltarão a brandir dossiês – falsos ou não – contra governantes cujos prontuários conhecem bem, já que ex-parceiros.
As milícias petistas já agitam o país, invadindo prédios públicos, fechando rodovias e avenidas. Prometem tornar essas ações rotineiras e mais amplas  e contundentes.

A herança maldita que deixam – a maior já legada a qualquer governo – será tratada como obra do adversário, não deles. Como não há receita para rápida solução – e ela só será abreviada se engajar a sociedade, como ocorreu com o Plano Real -, a saída seria um ministério que inspirasse confiança.
Não é o ministério Temer, não o anunciado até aqui – e é improvável que o noticiário a respeito, não desmentido, esteja inteiramente equivocado. Quem dera estivesse.
O futuro presidente precisa, como Macri na Argentina, chegar sinalizando novos rumos – e não apenas novos nomes. A crise exigirá remédios amargos e soluções lentas e dolorosas. A Lava Jato não vai parar (felizmente) – e a conjunção crise e corrupção não ajuda a construir um ambiente mais sadio.
A história oferece a Temer oportunidade única de mudar o país, de recolocá-lo numa rota da qual o PT o desviou. O desafio é gigante, mas a enfrentá-lo continuaremos a dispor de anões políticos – alguns, também, anões morais. O ministério Temer é uma temeridade – e o trocadilho não é cômico: é trágico.

Nenhum comentário:

Postar um comentário