sábado, 18 de maio de 2013

PROFESSORES BUROCRATAS E TECNOCRATAS DA EDUCAÇÃO- Rafael Brasil

O sindicato dos professores estaduais reclama com razão. Os tecnocratas da educação, estão empaturrando os professores estaduais de burocracia. Tudo a ver com a funesta mentalidade construtivista, do professor como "facilitador" da educação, não de verdadeiro protagonista que é. 
O professor agora é obrigado a fazer duas chamadas, uma na já terrível caderneta, e outra no computador. Os professores de português e matemática têm que planejar diariamente as aulas e botar no computador de sistema educacional, e, claro, na velha caderneta. Além de elaborar e corrigir provas mil, que tempo lhes resta para, pelo menos ler os jornais do dia, obrigação de qualquer profissional de educação? Se o professor fosse supérfluo na educação, bastava montar uns kits e treinar alguns profissionais sem formação nem conteúdo para "orientar" aulas.
O estado isto sim, deveria realmente conhecer seus próprios profissionais, coisa que não faz. E oferecer-lhes realmente capacitações mil sobretudo on line, sendo as promoções dependentes da participação dos professores e seu desempenho nestes cursos, além da assiduidade e da pontualidade, claro. 
Também a secretaria deveria oferecer um currículo único, elaborar as provas e avaliar os alunos, on line. Afinal todas as escolas estão devidamente interligadas pela internet. Ou não? Em outras palavras, professor só deveria ENSINAR, que é aliás sua principal função, é sempre bom lembrar. Com estas ações, a secretaria estaria avaliando in loco todas as unidades educacionais, interferindo nas de pior desempenho.
Só não fazem isso, para não demonstrarem o total fracasso da educação, pois os professores, além de suas infinitas atribuições burocráticas , são praticamente obrigados a aprovar os seus analfabetos alunos. Que já vêm do fundamental assim, sem nunca sequer ter lido um mísero gibi.
Quando falam em melhorar o sistema educacional, dão prêmios em dinheiro para os profissionais das escolas com maior desempenho, mas tornam os professores em verdadeiros escravos. Não podem nem ficar doentes, e são obrigados a uma burocracia ridícula, que só deve servir para os tecnocratas da educação. A maioria que nunca entrou em uma sala de aula.
Isto sem falar no ECA e no liberou geral que faz com que os alunos façam o que quiserem nas salas de aula, agredindo de todas as maneiras os professores-burocratas. mas disso falarei em outra ocasião. A burrice e a incompetência não tem limites no Brasil. Pernambuco atrás, aliás o estado que paga o pior salário de professores do Brasil. É este o "choque de gestão" que o governo disse que imprimiu à administração estadual? Quá, quá, quá!

Nenhum comentário:

Postar um comentário