sexta-feira, 31 de agosto de 2012

COVARDIA

O que fizeram com Roberto Almeida, foi, simplesmente covardia. E só o fizeram porque seu blog é o mais lido do agreste. Sempre tive divergências com Roberto, sobretudo políticas. Mas sempre nos respeitamos, e nutrimos, reciprocamente, uma boa amizade de mais de trinta anos, graças a Deus. Se Roberto fosse um picareta, estava rico, como muitas nulidades que conhecemos bem. Nada contra os ricos, sobretudo os que trabalham e produzem neste imenso país. Mas gente que sempre se apropriou do estado, claro para tirar vantagem, é que se sente incomodada. E, como estamos cheios desses pequenos cleptocratas! Uma praga nacional. Gente que se exibe roubando o dinheiro público. O pior é a covardia. Se querem criticar, que o façam abertamente, afinal vivemos ou não num país democrático?  Que façam blogs, ou coisa parecida. Mas os covardes de sempre se escondem. Como sempre.

MENSALÃO

O Brasil torce para que todos os envolvidos sejam devidamente condenados. Parece que as coisas estão melhorando com a condenação de Marcos Valério e sobretudo o ex deputado João Paulo Cunha. Quero ver a condenação de Zé Dirceu, Genoíno e companhia. E que alguém abra a boca para incluir alguém que está faltando. Alguém pensou em Lula? Ah, este de nada sabia! E para ele, nunca existiu mensalão. Não existiu, Lula? Mas é preciso muito mais. Alguém duvida?

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

JORNALISMO E A AÇÃO CRIMINOSA DO HACKER



Tenho 34 anos de profissão, tendo passado pelo Diário de Pernambuco, Jornal do Comercio, Folha de Pernambuco, Rádio Clube, O Monitor, FM Sete Colinas e Marano FM, além de diversos trabalhos de assessoria de imprensa.

Os jornais que criei nas rádios de Garanhuns deram certo. O jornal impresso Correio Sete Colinas está aí há quase 13 anos. Já com mais de 50 anos entrei no mundo da internet e comecei timidamente um blog que este mês chegou perto dos 60 mil acessos.
Não fiquei rico na profissão, mas criei meus filhos com meu trabalho e construí uma reputação por ser honesto, levar ao conhecimento público os fatos e ter posições políticas firmes.
Toda uma história de vida alguém de mente doentia tenta apagar cometendo um ato criminoso. E por quê? Por motivos políticos, porque não vivo em cima de muro, tenho um lado, aquele que julgo ser o melhor para minha terra natal.
O criminoso cibernético e os que o acompanharam na aventura irresponsável vêm com essa conversa de imparcialidade.
Ou não acompanham o que escrevo ou não conseguem entender um texto.
Neste blog já disse várias vezes que não acredito em imparcialidade. Isso é um mito inventado pela grande imprensa.
A Veja é parcial, a TV Globo é, a Folha de São Paulo também, o mesmo acontece com o Jornal do Commercio. Cada veículo de comunicação, cada radialista ou jornalista tem suas preferências, seus interesses, professam alguma ideologia.
Só os robôs podem ser imparciais.
Eu sou parcial, sempre admiti. Um jornalista decente não precisa ser imparcial. Sua obrigação é ser honesto, noticiar os fatos, servir a comunidade dentro daquilo que ele acredita.
Em Garanhuns, por exemplo, neste ano de campanha política eu posso simpatizar mais com determinado candidato ou proposta. Mas isso não me dá o direito de inventar coisas sobre os seus adversários, mentir, distorcer. Tudo que eu escrever deve buscar o equilíbrio e a verdade dos fatos.
Com relação a Capoeiras, município em que nasci e onde voto, não é segredo para ninguém que estou ao lado do prefeito Dudu.
E sempre procurei noticiar as ações positivas do governante no município. Quanto aos adversários, sempre os respeitei, ninguém vai encontrar na minha produção jornalística nenhuma inverdade sobre eles.
Alguns fatos que saíram atingindo A ou B não foram inventados pelo jornalista, decorreram de ações na justiça, de coisas mal pensadas publicadas nas redes sociais ou de algum discurso feito por algum parlamentar descontrolado.
Querem que eu aceite comentários anônimos denegrindo a imagem do prefeito. Isso eu não faço. Embora o blog publique muitas opiniões de anônimos, enorme é a quantidade de material não aceito por ofender ou acusar sem provas políticos como Luiz Carlos de Oliveira, Zé da Luz, Silvino Duarte, Sivaldo Albino, Izaías Régis e outros de Garanhuns e da região.
A moderação de comentários cabe ao blogueiro e deve ser usada para conter excessos. Democracia não é se fazer ou se dizer o que quer, existem limites e respeitos no jornalismo, na família, nos meios de comunicação ou nos regimes políticos.
A ação criminosa praticada através da internet contra este blogueiro pretendeu em última instância atingir o prefeito de Capoeiras.
Um cidadão de bem, que não precisa de dinheiro público para tocar sua vida e que foi atacado da maneira covarde. Existem Câmara Municipal, emissoras de rádio, os palanques eleitorais, por que se utilizar de um hacker para fazer seu proselitismo político?
Publicaram atos do TCE que estão sendo contestados pela defesa e não passaram pela Câmara, indícios de fraude em licitação sem nenhum prova e sustentam que o prefeito não fez nada em sua gestão.
Até quem não é de Capoeiras sabe que na atual gestão foi feito mais em três anos e meio do que no governo passado em 8 anos.
Só os filhinhos de papai, os mortos inscritos no Bolsa-Família ou os que recebiam salário morando em Petrolina ou São Paulo, estão insatisfeitos e contestam de maneira irracional o que foi realizado.
Mais de 500 barragens, estradas conservadas, cinco ônibus novos, duas retroescavadeira, duas casas de apoio, um aparelho de ultrassom no hospital, que foi todo reequipado porque nem uma cama ou colchão que prestasse tinha.
Um Centro de Fisioterapia, ambulatórios, a farmácia básica do hospital sempre abastecida, quando antes era difícil achar até dipirona; veículos para servir aos povoados e uma Ducato para transporte fora do domicílio.
Resgate do desfile cívico do dia sete de setembro, redução substantiva da violência, salário dos professores triplicado além de rateio no final do ano.
Equipamento novo nas escolas, regularização do programa Dinheiro Direto na Escola, já que todas estavam inadimplentes e sem receber recursos.
Reforma da feira parque, com recursos próprios, com investimentos da ordem de R$ 400 mil. Antes parecia uma tapera, hoje é um curral de gado modelo no interior de Pernambuco.
O prefeito Dudu pegou uma massa falida e saneou. Tirou o município do SPC. Hoje não existe nenhuma inadimplência junto ao Governo Federal. A situação da Previdência foi regularizada e foi comprada uma sede própria para o instituto dos servidores.
É um governo que respeita, que não persegue, que não bota a mão no alheio.
Não, eu não sou imparcial.
Entre o descaso, o desgoverno e a irresponsabilidade, eu fico ao lado de gestão responsável, do compromisso com os que mais precisam, da honestidade com o dinheiro público.
O que eu escrevo é assinado embaixo, eu boto a minha cara na tela do computador. E quando eu erro admito e peço desculpas.
O hacker não pode fazer o mesmo, porque ele é um criminoso e se ele não tiver cuidado pode terminar nas mãos da polícia federal. Pois invadiu minha privacidade, minha caixa de e-mails, o facebook, o blog...
Um cara desses ainda vem falar em liberdade! É muita pretensão!
Você, seu anônimo covarde, é um terrorista do Agreste, um fanático, deve ser feito do mesmo barro daqueles sujeitos malucos que derrubaram as torres gêmeas de Nova York.
Eu durmo de consciência tranquila porque luto por minhas ideias de forma transparente e honesta. Você se continuar nessa carreira, se vangloriando de ser o bamba no computador, um dia vai se dar mal, pode até ser notícia no Jornal Nacional, o país inteiro vendo você sendo levado algemado.
Antes que isso aconteça talvez faça bem a você procurar um psiquiatra. Aqui em Garanhuns existem bons profissionais.
Por fim, agradeço as muitas manifestações de solidariedade, através dos blogs da cidade, no facebook ou pelo telefone.
Lembro especialmente a minha conterrânea e comadre Maria Almeida, que intrigada com o fato observou: “Mas você não mal a ninguém, não atinge as pessoas, procura ser ético...”.
Respondi: “Mas Maria, quem está livre do mal? Não vê padre Júnior? Estava na Igreja, pregando a palavra de Deus, veio um desajustado e quase o mata com uma faca...”
Nessa hora é importante a fé e lembrar do final do Padre Nosso: “Perdoai as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido. Não nos deixei cair em tentação, mas livrai-nos do mal, amém”.

terça-feira, 28 de agosto de 2012

O DIA DO BASTA À CORRUPÇÃO

O DIA DO BASTA À CORRUPÇÃO é um movimento apartidário de protesto ao atual cenário politico do país.
Para aquela galera que já se sente madura o suficiente para sair do face e ir as ruas, uma boa pedida.

domingo, 26 de agosto de 2012

Positivismo inconsciente - Olavo de Carvalho


 
Olavo de Carvalho
Diário do Comércio, 10 de agosto de 2012 

Quando escrevi que os militares que governaram o Brasil de 1964 a 1985 erampositivistas, não quis dizer que fossem seguidores conscientes e devotos de uma doutrina, que estudassem dia e noite a filosofia de Augusto Comte ou qualquer das suas modernas versões neopositivistas, analíticas, etc. Ao contrário, se o fizessem acabariam adquirindo uma visão crítica das limitações dessa escola e talvez até rompendo abertamente com ela, à imagem do que aconteceu com tantos intelectuais nas hostes marxistas.
O poder de influência de uma doutrina não se mede pelo número dos que a conhecem a fundo, mas pelo dos que a seguem sem ter a menor idéia de que o fazem. À medida mesma que uma corrente de pensamento se dilui no “senso comum”, perdendo sua identidade própria, redobra a força com que seus símbolos, valores, critérios de julgamento e normas de ação determinam o comportamento dos homens na sociedade. O próprio marxismo não seria nada se tivesse a seu serviço somente intelectuais de elite capazes de conhecê-lo e meditá-lo: é a massa dos marxistas inconscientes – aqueles que acreditam não ser comunistas – que lhe dá seu tremendo poder de impregnação na sociedade.
O mesmo sucedeu com o positivismo dos militares. Nos últimos anos do Império e nos primeiros da República, o Système de Politique Positive e o Catéchisme Positiviste passavam de mão em mão nas escolas militares como se fossem reedições da Bíblia. Pouco a pouco, à medida mesma que essas obras deixavam de ser lidas, suas lições se impregnaram nos hábitos mentais da comunidade castrense e aí continuaram, com a passagem das décadas, exercendo uma influência sem nome, tanto mais penetrante quanto mais despida de qualquer identidade reconhecível. A “ditadura tecnocrática” é a mais típica proposta política de Augusto Comte. Se sabemos que é de Comte, podemos ter a idéia maligna de estudá-la nos textos do mestre e discuti-la em voz alta, o que terminará por nos levar a analisá-la criticamente e relativizá-la, se não a rejeitá-la por completo. Se, ao contrário, ela bóia invisivelmente no ar, ela começa a nos parecer a voz direta da realidade, com todo o prestígio do consensual, do óbvio e do indiscutível.
Pior ainda, essa influência residual veio a se mesclar, numa confusão dos diabos, com outros elementos ideológicos de origem não conscientizada criticamente, como por exemplo o dogma do marxismo vulgar que institui o primado do econômico. Nossos militares acreditavam piamente que o sucesso da propaganda comunista era fomentado acima de tudo pela miséria e pelo subdesenvolvimento. Deram o melhor de si para combater esses dois males. Elevaram consideravelmente o PIB, construíram obras públicas fundamentais e, no conjunto, suas realizações nada perdem na comparação com as de outros governos criativos, como Getúlio Vargas e JK, com a diferença nada desprezível de que no tempo destes últimos a corrupção crescia junto com o país.
Tudo isso é excelente em si mesmo, mas não ajudou em nada a deter o avanço do esquerdismo revolucionário. Nem poderia ajudar. O comunismo jamais recrutou o grosso dos seus militantes entre os miseráveis, mas entre jovens de classe média inconformados de que a instrução que receberam não lhes dê a ascensão social e política que promete e que imaginam merecer. O progresso econômico dos anos 70-80 espalhou universidades por toda parte e multiplicou ilimitadamente o “proletariado intelectual”, como o chamava Otto Maria Carpeaux, a massa de estudantes semi-instruídos aos quais, ao mesmo tempo, o governo sonegava toda formação política conservadora, deixando-os à mercê dos professores esquerdistas que já naquela época monopolizavam as cátedras universitárias. A crença no poder mágico do crescimento econômico e a completa ignorância do fator cultural (que àquela altura os próprios comunistas já haviam compreendido ser o mais decisivo) selaram o destino do regime.
Outro elemento ideológico mesclado veio do cacoete “pragmatista” (entre sólidas aspas) segundo o qual as ideologias não fedem nem cheiram e tudo deve ser resolvido “com neutralidade” pela técnica e pela ciência. Essa idéia, posta em circulação sobretudo por interpretações populares do best sellerde Daniel Bell, The End of Ideology, dominou a atmosfera mental de boa parte da direita nos anos 60-80 e, também sem exame crítico, contaminou os nossos governantes, reforçando consideravelmente sua aposta numa “ditadura tecnocrática” salvadora. Não espanta que nada fizessem para construir um partido de massas, uma militância popular, e reduzissem a política a conchavos de gabinete onde os “técnicos”, pairando assepticamente acima de discussões ideológicas, tinham sempre a última palavra.
Dizem que a Arena, nesse período, chegou a ser “o maior partido do Ocidente”. Chegou, sim, em número de votos e de candidatos eleitos. Mas eleitores vão e vêm. O que fica, num partido, é a militância organizada, ideologicamente adestrada, espalhada e arraigada no fundo da sociedade civil, capaz de disseminar na opinião pública um corpo de crenças, valores e atitudes duráveis, não meros nomes de candidatos que no dia seguinte serão esquecidos. A Arena não tinha nada disso. Tinha apenas cabos eleitorais. Ao primeiro sopro de um vento contrário, seus eleitores bandearam-se para o PT e demais partidos de esquerda, sem nem mesmo perceber que haviam mudado de filiação ideológica. O enigma aparente de um povo conservador que só vota em candidatos de esquerda tem ao menos parte da sua explicação no esforço de esvaziamento ideológico da sociedade, empreendido pelos governos militares.

A falsa memória da direita - Olavo de Carvalho


Olavo de Carvalho
Diário do Comércio, 3 de agosto de 2012 

Dizem que o Brasil é um país sem memória, mas isso não é verdade: o Brasil é um país com falsa memória. Esquecer o passado é uma coisa, reinventá-lo conforme as ilusões do dia é bem outra. É desta doença que a memória do Brasil padece, e ela é bem mais grave que a amnésia pura e simples.
Não, não estou falando da manipulação esquerdista do passado. Ela existe, mas é só um aspecto parcial da patologia geral a que me refiro. Esta infecta pessoas de todas as orientações ideológicas possíveis e algumas sem orientação ideológica nenhuma. Ela é um simples resultado da ojeriza nacional à busca do conhecimento, portanto à reflexão madura sobre o que quer que seja.
Querem um exemplo de falsa visão do passado que não foi produzida por nenhum esquerdista? O país está cheio de almas conservadoras e cristãs que ainda idealizam o regime militar, como se ele fosse uma utopia retroativa, a encarnação extinta das suas esperanças.
É verdade que os militares não roubavam, que eles fizeram o país crescer à base de quinze por cento ao ano, que eles construíram praticamente todas as obras de infra-estrutura em que a economia nacional se apóia até hoje, que eles acabaram com as guerrilhas, que no tempo deles a criminalidade era ínfima e que os índices de aprovação do governo permaneceram bem altos pelo menos até a metade da gestão Figueiredo. Que tudo isso são méritos, ninguém com alguma idoneidade pode negar.
Mas também é verdade que, tendo subido ao poder com a ajuda de uma rede enorme de instituições, partidos e grupos conservadores e religiosos, a primeira coisa que eles fizeram foi desmanchar essa rede, cortar as cabeças dos principais líderes políticos conservadores e privar-se de qualquer suporte ideológico na sociedade civil.
Fizeram isso porque não eram conservadores de maneira alguma, eram indivíduos formados na tradição positivista – forte nos meios militares até hoje – que abomina o livre movimento das idéias na sociedade e acredita que o melhor governo possível é uma ditadura tecnocrática. Pois foi uma ditadura de militares e tecnocratas iluminados o que impuseram ao país por vinte anos, rebaixando a política à rotina servil de carimbar sem discussão os decretos governamentais. Suas mais altas realizações foram triunfos típicos de uma tecnocracia, seus crimes e fracassos o efeito incontornável do desejo de tudo controlar, de tudo reduzir a um problema tecnoburocrático onde o debate político é  reduzido a miudezas administrativas e a onde a iniciativa espontânea da sociedade não conta para absolutamente nada.
O positivismo nada tem de conservador: é, com o marxismo, uma das duas alas principais do movimento revolucionário. Compartilha com sua irmã inimiga a crença de que cabe à elite governante remoldar a sociedade de alto a baixo, falando em nome do povo para que o povo não possa falar em seu próprio nome. Tal foi, acima de qualquer possibilidade de dúvida, a inspiração que acabou por predominar nos governos militares. Que dessem ao movimento de 1964 o nome de “Revolução” não foi mera coincidência, nem usurpação publicitária de um símbolo esquerdista: foi um sinal de que, por baixo da meta nominal de derrubar um governo corrupto e devolver rapidamente o país à normalidade, tinham planos de longo prazo, totalmente ignorados da massa que os aplaudia e até de alguns dos líderes civis de cuja popularidade se serviram para depois jogá-los fora com a maior sem-cerimônia.
Todas as organizações civis conservadoras e de direita que criaram a “Marcha da Família com Deus pela Liberdade”, a maior manifestação popular da história brasileira até então, foram depois extintas, marginalizadas ou reduzidas a um papel decorativo. Como bons tecnocratas, os militares acreditavam piamente que podiam governar sem sustentação cultural e ideológica na sociedade civil, substituindo-a com vantagem pela pura propaganda oficial. Esta, por sua vez, era esvaziada de toda substância ideológica, reduzida ao triunfalismo econômico e à luta contra o “crime”. Gramsci, no túmulo, se revirava, mas de satisfação: que mimo mais delicioso se poderia oferecer aos próceres da “revolução cultural” do que um governo de direita que abdicava de concorrer com eles no campo cujo domínio eles mais ambicionavam? Naqueles anos, e não por coincidência, o monopólio do debate ideológico foi transferido à esquerda, que ao mesmo tempo ia dominando a mídia, as universidades, o movimento editorial e todas as instituições de cultura, sob os olhos complacentes de um governo que por isso se gabava de ser “pragmático” e “superior a ideologias”.
A esquerda, quando caiu do cavalo em 1964, teve ao menos o mérito de se entregar a um longo processo de autocrítica e até demea culpa, de onde emergiu a dupla e concorrente estratégia das guerrilhas e do gramscismo, calculada para usar os guerrilheiros como bois-de-piranha e abrir caminho para a “esquerda pacífica”, na qual o governo militar não viu periculosidade alguma até que ela, por sua vez, o derrubou do cavalo com o escândalo do Riocentro e a enxurrada de protestos que se lhe seguiu.
Aqueles que, na “direita”, ou no que resta dela, se apegam ao regime militar como um símbolo aglutinador, em vez de examinar criticamente os erros que o levaram ao fracasso, estão produzindo um falso passado. Não o fazem por esperteza, como a esquerda, mas por ingenuidade legítima, com base na qual a única coisa que se pode construir é um futuro ilusório.

TE CUIDA EDUARDO

Até os macacos, os poucos que restam, sabiam que, caso Eduardo leve seu candidato ao segundo turno, a coisa vai se radicalizar. E já não está radicalizando? Lula está brabo com Eduardo, e o bicho é vingativo. Mas ficarão todos contra o PT, partido stalinista, retrógado e corrupto. E, como stalinista na essência, com pretensões hegemônicas no poder, com colorações, digamos autoritárias ou totalitárias, e de uma visão estatista, ou seja, anti-mercado, nos moldes tradicionais. Enfim, um cacareco político e ideológico. Vajam a hesitação de Dilma em privatizar o que já devia ser privatizado há mais de cinco décadas, no mínimo. É uma lentidão dos diabos.A aliança com Jarbas foi um sinal aberto a todas as forças conservadoras do estado numa grande aliança contra o PT. Aliás, em termos programáticos , ou mesmo ideológicos, o que separa Eduardo, Armando Monteiro, Roberto Magalhães, Jarbas, e muitos outros? Em termos nacionais, também. Aliás ninguém entra na luta pelo poder pensando em ser apenas coadjuvante. O PT não quer aliança. Quer séquito. Muitos se habilitam, por alguns trocados. Outros não. É a vida. É a política.

LULA BRABO

Como todo ser autoritário por natureza, se é que isso existe, Lula detesta opositores. Gosta mesmo é de platéia, e de preferência com clarque. Com a ajuda de Eduardo, o novo pretendente a ACM do estado, derrotou Jarbas e Marco Maciel. Jarbas ainda escapou, pois tinha metade do mandato de senador. Lula detesta Jarbas, a quem assediou no passado, mas não teve jeito: Jarbas continua até hoje na oposição. Agora vamos ver sua ira contra Eduardo. Que comete o pecado de se colocar como candidato no cenário nacional, contrariando o projeto hegemonista do PT. A prefeitura do Recife é o primeiro passo dessa briga. Veremos.

sábado, 25 de agosto de 2012

CAETÉS: A HISTÓRIA SE REPETE?

Como sabemos, a história não se repete. Novamente a família Sampaio insiste em colocar um membro da família no pleito com poucas chances de prosperar no TSE. Não admitem colocar gente de fora do núcleo familiar. Querem colocar de novo um candidato a pulso. Quando li a sentença da juíza, vi que não existe possibilidade da candidatura passar pelo TSE, e por vários fatores. Jurisprudência firmada e provas de que o candidato em questão tentou por várias vezes na justiça conturbar o processo político e eleitoral, ferindo a democracia e o princípio da rotatividade no poder. Com a nova orientação do TSE pela lisura do processo democrático, é difícil esta candidatura vingar. Mas, como a história não se repete, ele é o candidato mais frágil da situação. Só tem a seu favor a certidão de nascimento. Não tem história na cidade, onde não construiu nenhuma sólida amizade, pois na infância foi totalmente ausente. É um cidadão do Recife, antenado na cidade aonde nasceu e que realmente tem alguma identidade. Se gostasse de Caetés viria morar aqui. Ou seja, independentemente dos tribunais, e diferentemente das eleições passadas, vai perder pelo voto. E Armando é o melhor candidato para Caetés, unindo as oposições, e o que é mais importante: Unindo o povo rumo a dias melhores. Enfim, o povo está rejeitando o "estilo" Zé da Luz de Governar, com seus eleitores de cabresto, coronelismo dos mais atrasados, em pleno limiar do século XXI. Enfim, o que tem de moderno neste "estilo" é a propaganda. Faliu, porque já nasceu falido. E o povo está perto de dar o troco. Ou o recado, a quem tente imitar o "modelo". 

ZOADA IMPOPULAR

Fizeram tanto barulho, com a queima de fogos, que boa parte da população de Caetés não dormiu direito. Teve eleitor que mudou de lado por causa da baderna. Até em Capoeiras ouviram. Alguns pensaram que era uma nova guerra civil. Ridículo. A maioria dos "militantes" eram os que recebem da prefeitura sem trabalhar, a maioria jovens pobres da cidade. Estes não podem dizer não. Mas é assim mesmo. Logo acaba. Não há mal que sempre dure, assim reza o ditado popular.

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

GREVE DE MARAJÁS

Um delegado da polícia federal, ganha mais de 25 mil contos de réis. Um professor universitário em fim de carreira, com todos os mestrados e doutorados possíveis, creio que não ganha mais de quinze. Juízes, magistrados, parlamentares e assessores, ganham os tubos. Nas empresas do governo, sempre ganham mais do que na iniciativa privada. E prestam serviços que nós conhecemos, os piores possíveis. O povo sofre, nas entranhas das filas e falta de leitos na saúde, e com uma das piores redes educacionais do planeta, salvo honrosas exceções. A burocracia é de matar, é simplesmente aviltante, sobretudo para o cidadão comum, e pobre. Lula seu aumento a todo mundo, duplicando as despesas com salários, dentre outras coisas, para eleger Dilma. 

GREVES CRIMINOSAS

Faltam remédios para cancerosos. Hospitais de emergência são paralisados, deixando a população à míngua. A questão da greve nos serviços essenciais ainda não foi regulamentada na constituição. Seria preciso, desde anteontem, fazer as inúmeras reformas de que o país tanto precisa. Sobretudo a reforma do estado. Nada foi feito, dentre outros fatores, por preconceito ideológico. Seria preciso privatizar mais, todos os cacarecos estatais que ainda representam mais da metade da economia nacional. petrobrás, banco do brasil, bancos regionais, e o que for preciso. É preciso liberar nossas forças produtivas, e quem for contra, é inclusive anti-marxista. Mas essa gente nem leu o velho Marx. Ou quando leu, foi com as lentes da chamada terceira internacional, de moldes leninistas, para não dizer stalinistas.

RIDÍCULO

O governo procura uma palavra para substituir o termo privatização. Ridículo, pois concessões, são privatizações, que existem nos seus mais variados modelos. Seria bom abrir o setor de educação para entidades estrangeiras, não? Importar escolas e universidades. Já que não conseguimos alfabetizar nosso povo, que venham os estrangeiros.

CAETÉS

Parece que o grupo dominante já ganhou as eleições. É que desde ontem pipocam fogos por todos os quadrantes da cidade. Deve ser porque o candidato oficial se livrou da justiça. Até parece que as oposições estão com medo. Parece piada. O povo é que está percebendo o abandono da cidade pela oligarquia dominante. Querem continuar "administrando" a cidade a partir do Recife. Agora fazem pressão, e tentam a todo o custo radicalizar a campanha. O certo é que o povo está percebendo, antes tarde do que nunca. Não tem médicos, nem remédios, educação e estradas. O município está sucateado. As oposições estão tranquilas, pode vir com qualquer um que o povo está disposto a dar a resposta. Ninguém tem medo de lobisomem nem de comadre fulôzinha. E muita gente está sentindo uma verdadeira ojeriza pelo atual governo. E é pelo povo que Caetés se libertará. Já que até agora a justiça nada fez.

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Educação é mais eficaz que assistencialismo - EDITORIAL O GLOBO


O ex-presidente Fernando Henrique costuma dizer, com razão, que o Brasil não é pobre, mas injusto. Há várias provas disto. A última se encontra no trabalho “Estado das cidades da América Latina e Caribe”, da ONU-Habitat, no qual o país aparece como o quarto de pior distribuição de renda da América Latina, superado, apenas, em ordem decrescente, por Guatemala, Honduras e Colômbia.

O caráter da injustiça nacional fica evidente ao se comparar a mazela ao fato de o Brasil ter subido no ranking de PIBs mundiais, estando entre os seis primeiros. Mas já foi pior. Em 1990, o país liderava a lista da desigualdade continental.
Nestes 12 anos, todos reconhecem, avançou-se muito — mas não o bastante — no combate às disparidades de renda. A política de recuperação do poder aquisitivo do salário mínimo e as ações de transferência de renda, iniciadas na Era FH e radicalizadas a partir de Lula, são a mola mestra da mudança para melhor.
Mas não foi o bastante porque não se deve considerar positivo ter uma distribuição de rendimentos pior que Nicarágua, Bolívia e até Venezuela. Claro que índice de repartição da renda entre a população não pode ser considerado termômetro absoluto da situação de um país. A Venezuela, por exemplo, tem uma inflação crônica acima dos 20% e um regime que desmantela de maneira competente seu parque produtivo. Cuba, outro exemplo, deve ter boa distribuição de renda, reflexo de uma pobreza socializada equitativamente.
Porém, não se pode subvalorizar o indicador. Nem supervalorizar a melhoria do cenário social brasileiro. Ela foi importante, mas, apesar das dezenas de bilhões de reais gastos todo ano com transferências de renda, via Bolsa Família e por meio do sistema previdenciário (Loas e aposentadoria rural), o Brasil está longe de ter uma distribuição equivalente à de El Salvador.
Além de se reconhecer a injustiça do padrão de desenvolvimento brasileiro, é preciso apontar responsabilidades, causas. O economista Marcelo Neri, da FGV, especialista em políticas sociais, diagnostica que Bolsa Família, aposentadorias e pensões previdenciárias respondem por apenas um terço dos avanços. O resto se deve à renda do trabalho.
Quer dizer, não será — nem tem sido — pela via da tutela de um Estado assistencialista que o Brasil terá uma repartição de renda política e socialmente aceitável, mas pelo aprimoramento da mão de obra, em todos os níveis, função direta da qualidade da Educação — quesito em que o Brasil tem sido reprovado.
Explica-se, portanto, por que, apesar de todo o esforço feito desde a redemocratização no resgate da “dívida social”, ainda há ponderável saldo a ser pago. A constatação precisa não apenas reforçar o consenso nacional em torno da prioridade no resgate do ensino público básico, mas levar o Estado brasileiro a dar mais velocidade e abrangência aos projetos voltados à Educação.

domingo, 19 de agosto de 2012

AS MELHORES FRASES DE NELSON RODRIGUES



A companhia de um paulista é a pior forma de solidão

O homem começa a morrer na sua primeira experiência sexual
Só os profetas enxergam o óbvio
Deus prefere os suicidas
A morte é anterior a si mesma
Toda unanimidade é burra. Quem pensa com a unanimidade não precisa pensar.
Todo desejo é vil
A cama é um móvel metafísico
Até 1919, a mulher que ia ao ginecologista sentia-se, ela própria, uma adúltera
O brasileiro chamado de doutor treme em cima dos sapatos. Seja ele rei ou arquiteto, pau-de-arara, comerciário ou ministro, fica de lábio trêmulo e olho rútilo
Tarado é toda pessoa normal pega em flagrante
Toda mulher gosta de apanhar. Só as neuróticas reagem
Hoje é muito difícil não ser canalha. Todas as pressões trabalham para o nosso aviltamento pessoal e coletivo
O marido não deve ser o último a saber. O marido não deve saber nunca
O biquíni é uma nudez pior do que a nudez
Só há uma tosse admissível: a nossa
Toda mulher bonita é um pouco a namorada lésbica de si mesma
Não admito censura nem de Jesus Cristo
Nada nos humilha mais do que a coragem alheia
Eu me nego a acreditar que um político, mesmo o mais doce político, tenha senso moral
Morder é tara? Tara é não morder
Todo tímido é candidato a um crime sexual
Quem nunca desejou morrer com o ser amado nunca amou, nem sabe o que é amar
O que atrapalha o brasileiro é o próprio brasileiro. Que Brasil formidável seria o Brasil se o brasileiro gostasse do brasileiro
O amigo é um momento de eternidade
O asmático é o único que não trai
Não há bola no mundo que seja indiferente a Zizinho.
A humilhação de 50, jamais cicatrizada, ainda pinga sangue. Todo escrete tem sua fera. Naquela ocasião, a fera estava do outro lado e chamava-se Obdulio Varela.
Djalma Santos põe, no seu arremesso lateral, toda a paixão de um Cristo negro.
Muitas vezes é a falta de caráter que decide uma partida. Não se faz literatura, política e futebol com bons sentimentos.
Um jogador rigorosamente brasileiro, brasileiro da cabeça aos sapatos. Tinha a fantasia, a improvisação, a molecagem, a sensualidade do nosso craque típico.
Não me venham falar em Di Stéfano, em Puskas, em Sivori, em Suárez. Eis a singela e casta verdade: não chegam aos pés de Pelé. Quando muito, podem engraxar-lhe os sapatos, escovar-lhe o manto.
Um time que tem Pelé é tricampeão nato e hereditário.
O futebol é passional porque é jogado pelo pobre ser humano.
Um Garrincha transcende todos os padrões de julgamento. Estou certo de que o próprio Juízo Final há de sentir-se incompetente para opinar sobre o nosso Mané.
Eu digo: não há no Brasil, não há no mundo ninguém tão terno, ninguém tão passarinho como o Mané.
O casamento não é culpado de nada. Nós é que somos culpados de tudo.
A dúvida é autora das insônias mais cruéis. Ao passo que, inversamente, uma boa e sólida certeza vale como um barbitúrico irresistível.
Toda coerência é, no mínimo, suspeita.
A maioria das pessoas imagina que o importante, no diálogo, é a palavra. Engano, e repito: – o importante é a pausa. É na pausa que duas pessoas se entendem e entram em comunhão.
Toda a história humana ensina que só os profetas enxergam o óbvio.
Amar é ser fiel a quem nos trai.
Acho a liberdade mais importante que o pão.
Ou a mulher é fria ou morde. Sem dentada não há amor possível.
Dinheiro compra tudo. Até amor verdadeiro.
Só não estamos de quatro, urrando no bosque, porque o sentimento de culpa nos salva.
No Brasil, quem não é canalha na véspera é canalha no dia seguinte.
A morte de um velho amigo é uma catástrofe na memória. Todas nossas relaões com o passado ficam alteradas.
Deus só freqüenta as igrejas vazias.
Copacabana vive, por semana, sete domingos.
Não ama seu marido? Pois ame alguém, e já. Não perca tempo, minha senhora!
A fome é mansa e casta. Quem não come não ama, nem odeia.
Todo ginecologista devia ser casto. O ginecologista devia andar de batina, sandálias e coroinha na cabeça. Como um são Francisco de Assis, com a luva de borracha e um passarinho em cada ombro.
A verdadeira grã-fina tem a aridez de três desertos.
No passado, a notícia e o fato eram simultâneos. O atropelado acabava de estrebuchar na página do jornal.
Não reparem que eu misture os tratamentos de tu e você. Não acredito em brasileiro sem erro de concordância.
Nossa ficção é cega para o cio nacional. Por exemplo: não há, na obra do Guimarães Rosa, uma só curra.
Os magros só deviam amar vestidos, e nunca no claro.
Um filho, numa mulher, é uma transformação. Até uma cretina, quando tem um filho, melhora.
O cardiologista não tem, como o analista, dez anos para curar o doente. Ou melhor: – dez anos para não curar. Não há no enfarte a paciência das neuroses
Não há ninguém mais vago, mais irrelevante, mais contínuo do que o ex-ministro.
Nunca a mulher foi menos amada do que em nossos dias.
O Natal já foi festa, já foi um profundo gesto de amor. Hoje, o Natal é um orçamento.
Enquanto um sábio negro não puder ser nosso embaixador em Paris, nós seremos o pré-Brasil.
Se eu tivesse que dar um conselho, diria aos mais jovens: – não façam literatice. O brasileiro é fascinado pelo chocalho da palavra.
Qualquer menino parece, hoje, um experimentado e perverso anão de 47 anos.
Quero crer que certas épocas são doentes mentais. Por exemplo: – a nossa.
Sexo é para operário.
Desconfio muito dos veementes. Via de regra, o sujeito que esbraveja está a um milímetro do erro e da obtusidade.
Falta ao virtuoso a feérica, a irisada, a multicolorida variedade do vigarista.

Sobram pedagogos e faltam gestores, diz especialista



Em entrevista a VEJA, o educador João Batista Araujo e Oliveira diz que o Brasil necessita de redes de ensino fundamental eficientes, não de ilhas de excelência, e anuncia um prêmio para os prefeitos que avançarem nesse objetivo
Há décadas governos estaduais, municipais e federal se vangloriam de suas escolas-modelo, unidades que recebem toda a atenção da administração de plantão e que, por isso, se destacam dos demais colégios públicos pela excelência. Os governantes deveriam, na verdade, se envergonhar da situação, afirma o educador João Batista Araujo e Oliveira, presidente do Instituto Alfa e Beto, ONG dedicada à educação. O argumento do especialista é simples: “As escolas-modelo são exceções. A regra, como sabemos, são as demais escolas do Brasil”. Para incentivar governos a corrigir a distorção, Oliveira criou, em parceria com a Gávea Investimentos e a Fundação Lemann, o Prêmio Prefeito Nota 10, que vai dar 200.000 reais a administradores municipais cuja rede de ensino fundamental obtiver a melhor avaliação na Prova Brasil, exame federal que mede a qualidade do ensino público no ciclo básico. Escola-modelo, portanto, não conta. “Não adianta o prefeito falar que tem duas escolas excepcionais, se as demais não acompanham esse nível. Queremos premiar o conjunto.” Confira a seguir a entrevista que ele concedeu a VEJA.
O MEC divulgou nesta semana os resultados da Prova Brasil, que mostra o nível de aprendizado das crianças no ciclo fundamental das escolas públicas. Como o senhor avalia os resultados?
Eles foram divulgados com grande fanfarra, mas não há nenhuma justificativa para isso. Se você analisa a questão no tempo, percebe que existe estagnação. Há um ponto fora da curva, os resultados divulgados em 2010. Mas eles não foram corroborados neste novo exame, e já esperávamos isso. Estamos onde estávamos em 1995. Há uma melhora bem pequena nos anos iniciais da escola, e pouquíssima variação nas séries finais e no ensino médio. Os gastos em educação aumentaram -- e muito -- e foram criados muitos programas, mas isso não tem consistência suficiente para melhorar a qualidade do ensino. Então, temos duas hipóteses para a estagnação: ou os programas criados são bons mas não foram bem executados, ou são desnecessários e não trouxeram benefício algum.
Especialistas, entre os quais o senhor, pregam que uma reforma educacional eficaz se faz com receitas consagradas -- ou seja, sem invencionices. Quais são os ingredientes para o avanço?
O primeiro é uma política para atrair pessoas de bom nível ao magistério. Desde a década de 60 há um rebaixamento do nível do pessoal, e a qualidade do ensino depende essencialmente do professor. O segundo ingrediente é a gestão do sistema. Uma boa gestão produz equidade: todas as escolas de uma mesma rede funcionam segundo o mesmo padrão. Hoje, unidades de uma mesma rede, estadual ou municipal, apresentam desempenhos díspares. O terceiro é a existência de um programa de ensino estruturado, que falta ao Brasil. As escolas têm um punhado de papéis reunidos sob o nome de “proposta político-pedagógica”, seja lá o que isso queira dizer: começa com uma frase do Paulo Freire e termina citando Rubem Alves. Os governos de todos os níveis abriram mão de manter uma proposta de ensino, detalhando o que os alunos devem aprender em cada série. O quarto ingrediente é um sistema de avaliação que possa medir a evolução do aprendizado. Para isso, porém, é preciso ter um programa de ensino: afinal, se você não sabe o que ensinar, como vai saber o que avaliar? De posse de bons profissionais, gestão, programa de ensino e métodos de avaliação, acrescenta-se o último ingrediente, um sistema de premiação e punição. Algumas redes começam a pensar em um sistema de premiação, mas não adianta só dar incentivo. É preciso premiar quem faz direito e punir quem não faz. Hoje, o único punido no sistema de ensino brasileiro é o aluno reprovado. Isso é covardia. Nada acontece com professor, diretor, secretário de Educação, prefeito ou governador quando eles falham. 
Em meio a tantos desacertos, há municípios fazendo a lição de casa em matéria de educação?
Sim, mas os exemplos são poucos. Sobral, no Ceará, é um deles, além de algumas dezenas de cidades em São Paulo e em Minas Gerais. Elas seguem a receita de estruturar o ensino, de cuidar de questões que realmente fazem a diferença. Mas ainda estamos falando das primeiras séries do ensino fundamental. Ou seja, estamos aprendendo a fazer escola primária.
O senhor organiza um prêmio que será entregue a administrações municipais que mostrarem o melhor desempenho em educação. Como ele vai funcionar?
A ideia é premiar o prefeito das cidades que apresentarem uma rede de qualidade, ou seja, um conjunto em que todas as escolas atinjam um patamar satisfatório de ensino. Não adianta o prefeito falar que tem duas escolas-modelo, excepcionais, se as demais não acompanham esse nível. Queremos premiar o conjunto.
Qual o problema das escolas-modelo?
O problema é que elas não são modelo de nada. Em sua excelência, elas são exceções. O prêmio parte da premissa de que uma andorinha sozinha não faz verão. Por meio da Prova Brasil, constatamos que existem algumas escolas  boas espalhadas pelo país, mas, sozinhas, elas não vão mudar o jogo.
Precisamos de uma rede que funcione. Quando analisamos avaliações de outras nações, percebemos que escolas de uma mesma rede têm um desempenho muito similar. Isso é democracia, isso é cidadania: você pode matricular seu filho em qualquer escola, pois todas oferecem o mesmo nível de ensino.
Por que é tão difícil levar a qualidade das escolas-modelo para toda a rede de ensino?
Porque no Brasil o que importa é acessório. O legal é colocar xadrez na escola, é ensinar teatro. O brasileiro vai à Finlândia e acha que o sucesso da educação daquele país se deve ao fato de que as paredes das escolas são pintadas de rosa. Na volta ao Brasil, ele quer pintar todas as escolas daquela cor. Depois, ele vai à França, onde vê um livro que julga importante e decide introduzi-lo nas escolas daqui... Em vez de olharmos o que os sistemas de ensino daqueles países têm em comum, olhamos exatamente para o que há de diferente neles, como se isso fosse a bala de prata da educação. Por isso gestão é tão importante: é preciso focar o DNA da escola e deixar de lado o que é periférico. O problema é que as escolas e as secretarias de Educação estão povoadas de pedagogos, e não de gestores. Não conheço uma Secretaria de Educação no Brasil que tenha um especialista em demografia, que saiba quantas crianças vão nascer nos próximos anos e, portanto, quantas escolas precisam ser abertas ou fechadas.
Há alguns meses, o MEC anunciou a aquisição de milhares de tablets para professores. O senhor vê isso com bons olhos?
É mais confete. O bom professor vai se beneficiar; o mau, não. E nem o benefício ao bom professor justifica o custo. Quando a tecnologia está atrelada ao professor, ele, o ser humano, vai ser sempre o fator limitante. Nenhum país conseguiu melhorar a educação a partir do uso da tecnologia. Não estou dizendo que a tecnologia seja ruim. Ela tem potencial, desde que seja usada no contexto apropriado. Não adianta colocar ingredientes certos na receita errada.
Alguns países que tinham índices educacionais semelhantes aos do Brasil hoje ostentam números aceitáveis ou mesmo invejáveis. É o caso de Coreia do Sul, China e Chile. O que essas nações podem ensinar ao Brasil?
Elas podem servir de modelo, mas é preciso entender o processo de cada uma delas. Os três países citados aprimoraram seu sistema de ensino em regimes militares, o que não é a realidade do Brasil, felizmente. Mas a estratégia central dessas nações foi adotar medidas de forma gradual. Essa é uma lição que o Brasil tem dificuldades para aprender. Queremos fazer tudo de uma só vez, e acabamos não fazendo nada direito. A Coreia do Sul, por exemplo, realizou sua reforma entre os anos 1950 e 1980. Primeiro, reestruturou o ensino primário, depois, o ginásio, e assim por diante. A outra estratégia acertada dessas nações foi construir as condições necessárias ao sucesso do ensino. Dou novamente um exemplo dos sul-coreanos: eles introduziram um programa de ensino rigoroso, tocado por professores bem formados. Temos também exemplos de democracias que fizeram reformas educacionais bem-sucedidas, como Finlândia e Irlanda. A Finlândia tinha índices muito inferiores aos dos demais países escandinavos. Há cerca de trinta anos, eles elaboraram um plano de ensino extremamente rigoroso, que incluía formação lapidar de professores.
A sensação generalizada é que o ensino público nacional é um desastre. É uma visão errada?
É uma visão correta. Sobretudo para as crianças pobres, que teriam na escola a única chance de ascensão social. A escola é um desastre quando analisada pela ótica das avaliações internacionais, e um desastre também do ponto de vista pessoal, individual. A única chance que um cidadão tem de melhorar de vida no Brasil é por meio da educação de qualidade. E ela não tem qualidade para a maioria das pes- soas. O número de jovens que chegam ao ensino médio é baixíssimo, e entre estes a evasão é uma calamidade. E o governo é incapaz de entender que há um modelo errado ali, que penaliza jovens justamente quando eles atravessam uma fase de afirmação.
O Enem foi criado como ferramenta de avaliação e aprimoramento do ensino médio. Porém, vem sofrendo mudanças para atender a outro fim: a seleção de estudantes para universidades públicas. Qual a avaliação do senhor a respeito?
Ninguém consegue servir a dois senhores. O Enem nasceu com um formato, mas transformou-se em outra coisa. Ele nasceu para ser uma prova de avaliação das competências dos jovens, mas não deu certo. Em seguida, tentou-se vender a ideia de que é uma prova seletiva, um vestibular barato. E ficamos com esse troço que ninguém sabe o que é. O Enem não tem a menor importância. A ideia de ter uma forma simplificada de ingresso à universidade é bem-vinda, mas isso não serve para todos os estudantes do ensino médio.
O que poderia ser feito para corrigir o ensino médio?
O Brasil tem a necessidade de atender a demandas da sociedade e da economia. Mas insistimos em fazer um ensino acadêmico, reprovando alunos e negando qualquer futuro a essas pessoas. O grosso do currículo escolar tem de ser voltado para a massa, para pessoas que vão enfrentar o mercado de trabalho. Uma formação técnica, profissional, para aquele sujeito que vai trabalhar no shopping, no telemarketing. Não há demérito algum nisso: essa é a base das economias de serviço. Nos Estados Unidos, a maior economia do mundo, 50% das pessoas que estão no mercado de trabalho têm apenas o ensino médio. É um nível de qualificação que permite a eficiência da economia. Aqui, quem possui somente o ensino médio é considerado um fracassado.
Tramita no Congresso o Plano Nacional de Educação, que prevê aumentar o porcentual do PIB destinado à área de 5% para 10%. A falta de dinheiro é a razão de crianças não saberem ler ou operar conceitos fundamentais de matemática?
O país deve investir em educação, mas colocar dinheiro na equação atual é jogá-lo fora. O problema mais importante é a gestão. Não adianta pôr mais dinheiro no sistema atual porque ele vai ser malgasto. É como pagar dois professores que não sabem ensinar: melhor é pagar somente um bom mestre. Temos problemas estruturais muito graves: se eles não forem resolvidos, não haverá financiamento que baste. Desde 1995, o salário do professor quintuplicou no Brasil, mas não houve avanço no desempenho do ensino. Então, aumentar uma variável só não vai mexer no resultado. A equação é mais complexa. Além disso, 10% é uma cifra descabida do ponto de vista da macroeconomia.
O país estabeleceu metas para o ensino básico até 2021. Como estará o Brasil, do ponto de vista da educação, às vésperas do bicentenário da Independência?
Estaremos no mesmo patamar. Não há nenhuma razão para pensar que será diferente. Não se muda a educação estabelecendo metas, mas a partir de instituições. Não há milagre. Uma vez que não existe investimento nas políticas corretas, não há por que achar que teremos uma situação melhor no futuro.

Enfim, um diagnóstico lúcido sobre o desastre do ensino público fundamental e médio no Brasil. Ou: Reformando o ensino com parede cor-de-rosa, teatro e tablets… Funciona? É claro que não!



O governo divulgou na semana passada o resultado do Ideb, que avalia o ensino fundamental e médio. Comentei o desastre aqui em alguns posts. O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, no entanto, comemorou. Compreendo.
A presidente Dilma Rousseff, como sabem, está prestes a endossar uma lei verdadeiramente criminosa aprovada pelo Congresso: a reserva de 50% das vagas das universidades federais para alunos egressos da escola pública, segundo a cor da pele dos estudantes. Pesquisa recente demonstra que nada menos de 4% dos universitários brasileiros são semialfabetizados, e escandalosos 38% não são plenamente alfabetizados. É a tragédia da escola pública fundamental e média se alastrando célere no terceiro grau. Sancionada a lei — Dilma e Mercadante a aprovam —, a universidade pública estará condenada a funcionar como curso supletivo, destinado a suprir as deficiências do ensino nas etapas anteriores. Pior: diminuirá enormemente a pressão em favor da melhoria da escola pública.
Muito bem! As Páginas Amarelas de VEJA desta semana trazem uma entrevista com João Batista Araújo de Oliveira, especialista em educação que põem os pontos no “is”. Voltarei a este assunto (espero que Ricardo Lewandowski e Marco Aurélio de Mello não abusem excessivamente da nossa paciência) para discutir por que, afinal de contas, o Brasil tem feito tudo errado nessa área. Destaco algumas frases de Oliveira:

Qualidade do professor:
“Desde a década de 60 há um rebaixamento do nível do pessoal, e a qualidade do ensino depende essencialmente do professor.”
Palavrório pedagógico
“As escolas têm um punhado de papéis reunidos sob o nome de ‘proposta político-pedagógica’, seja lá o que isso queira dizer: começa com uma frase do Paulo Freire e termina citando Rubem Alves.”
Programa de ensino
“É preciso ter um programa de ensino: afinal, se você não sabe o que ensinar, como vai saber o que avaliar?”
Premiar e punir
“É preciso premiar quem faz direito e punir quem não faz. Hoje, o único punido no sistema de ensino brasileiro é o aluno reprovado. Isso é covardia.”
Pedagogos demais, gestores de menos“O problema é que as escolas e as secretarias de Educação estão povoadas de pedagogos, e não de gestores.”
Idiotia deslumbrada
“Porque no Brasil o que importa é acessório. O legal é colocar xadrez na escola, é ensinar teatro. O brasileiro vai à Finlândia e acha que o sucesso da educação daquele país se deve ao fato de que as paredes das escolas são pintadas de rosa.”
Enem
Ficamos com esse troço que ninguém sabe o que é. O Enem não tem a menor importância.”
Tablets nas escolas
Nenhum país conseguiu melhorar a educação a partir do uso da tecnologia. (…) Não adianta colocar ingredientes certos na receita errada.”
Verba para educação
“Desde 1995, o salário do professor quintuplicou no Brasil, mas não houve avanço no de­sempenho do ensino. Então, aumentar uma variável só não vai mexer no resul­tado.”
Educação em 2021
Estaremos no mesmo patamar. Não há nenhuma razão para pensar que será diferente.”
Leiam trechos da entrevista. A íntegra está na revista. Por Nathalia Goulart:Há décadas governos estaduais, municipais e federal se vangloriam de suas escolas-modelo, unidades que recebem toda a atenção da administração de plantão e que, por isso, se destacam dos demais colégios públicos pela excelência. Os governantes deveriam, na verdade, se envergonhar da situação, afirma o educador João Batista Araújo e Oliveira, presidente do Instituto Alfa e Beto, ONG dedicada à educação. O argumento do especialista é simples: “As escolas-modelo são exceções. A regra, como sabemos, são as demais escolas do Brasil”. Para incentivar governos a corrigir a distorção. Oliveira criou, em parceria com a Gávea Investimentos e a Fundação Lemann, o Prêmio Prefeito Nota 10, que vai dar 200 mil reais a administradores municipais cuja rede de ensino fundamental obtenha a melhor avaliação na Prova Brasil, exame federal que mede a qualidade do ensino público no ciclo básico. Escola-modelo, portanto, não conta. “Não adianta o prefeito falar que tem duas escolas excepcionais se as demais não acompanham esse nível. Queremos premiar o conjunto.” Confira a seguir a entrevista que ele concedeu a VEJA.
O MEC divulgou nesta semana os resultados da Prova Brasil, que mostra o nível de aprendizado das crianças no ciclo fundamental das escolas públicas. Como o senhor avalia os resultados?Eles foram divulgados com grande fanfarra, mas não há nenhuma justificativa para isso. Se você analisa a questão no tempo, percebe que existe estagnação. Há um ponto fora da curva, os resultados divulgados em 2010. Mas eles não foram corroborados neste novo exame, e já esperávamos isso. Estamos onde estávamos em 1995. Há uma melhora bem pequena nos anos iniciais da escola, e pouquíssima variação nas séries finais e no ensino médio. Os gastos em educação aumentaram — e muito — e foram criados muitos programas, mas isso não tem consistência suficiente para melhorar a qualidade do ensino. Então, temos duas hipóteses para a estagnação: ou os programas criados são bons, mas não foram bem executados, ou são desnecessários e não trouxeram benefício algum.
Especialistas, entre os quais o senhor, pregam que uma reforma educacional eficaz se faz com receitas consagradas — ou seja, sem invencionices. Quais são os ingredientes para o avanço?O primeiro é uma política para atrair pessoas de bom nível ao magistério. Desde a década de 60 há um rebaixamento do nível do pessoal, e a qualidade do ensino depende essencialmente do professor. O segundo ingrediente é a gestão do sistema. Uma boa gestão produz equidade: todas as escolas de uma mesma rede funcionam segundo o mesmo padrão. Hoje, unidades de uma mesma rede estadual ou municipal apresentam desempenhos díspares. O terceiro é a existência de um programa de ensino estruturado, que falta ao Brasil. As escolas têm um punhado de papéis reunidos sob o nome de “proposta político-pedagógica”, seja lá o que isso queira dizer: começa com uma frase do Paulo Freire e termina citando Rubem Alves. Os governos de todos os níveis abriram mão de manter uma proposta de ensino, detalhando o que os alunos devem aprender em cada série. O quarto ingrediente é um sistema de avaliação que possa medir a evolução do aprendizado. Para isso, porém, é preciso ter um programa de ensino: afinal, se você não sabe o que ensinar, como vai saber o que avaliar? De posse de bons profissionais, gestão, programa de ensino e métodos de avaliação, acrescenta-se o último ingrediente, um sistema de premiação e punição. Algumas redes começam a pensar em um sistema de premiação, mas não adianta só dar incentivo. É preciso premiar quem faz direito e punir quem não faz. Hoje, o único punido no sistema de ensino brasileiro é o aluno reprovado. Isso é covardia. Nada acontece com professor, diretor, secretário de Educação, prefeito ou governador quando eles falham.
(…)
Por que é tão difícil levar a qualidade das escolas-modelo para toda a rede de ensino?Porque no Brasil o que importa é acessório. O legal é colocar xadrez na escola, é ensinar teatro. O brasileiro vai à Finlândia e acha que o sucesso da educação daquele país se deve ao fato de que as paredes das escolas são pintadas de rosa. Na volta ao Brasil, ele quer pintar todas as escolas daquela cor. Depois, ele vai à Franca, onde vê um livro que julga importante e decide introduzi-lo nas escolas daqui… Em vez de olharmos o que os sistemas de ensino daqueles países têm em comum, olhamos exatamente para o que há de diferente neles, como se isso fosse a bala de prata da educação. Por isso gestão é tão importante: é preciso focar o DNA da escola e deixar de lado o que é periférico. O problema é que as escolas e as secretarias de Educação estão povoadas de pedagogos, e não de gestores. Não conheço uma Secretaria de Educação no Brasil que tenha um especialista em demografia, que saiba quantas crianças vão nascer nos próximos anos e, portanto, quantas escolas precisam ser abertas ou fechadas.
Há alguns meses, o MEC anunciou a aquisição de milhares de tablets para professores. O senhor vê isso com bons olhos?É mais confete. O bom professor vai se beneficiar; o mau, não. E nem o benefício ao bom professor justifica o custo. Quando a tecnologia está atrelada ao professor, ele, o ser humano, vai ser sempre o fator limitante. Nenhum país conseguiu melhorar a educação a partir do uso da tecnologia. Não estou dizendo que a tecnologia seja ruim. Ela tem potencial, desde que seja usada no contexto apropriado. Não adianta colocar ingredientes certos na receita errada.
A sensação generalizada é que o ensino público nacional é um desastre. É uma visão errada?É uma visão correta. Sobretudo para as crianças pobres, que teriam na escola a única chance de ascensão social. A escola é um desastre quando analisada pela ótica das avaliações internacionais, e um desastre também do ponto de vista pessoal, individual. A única chance que um cidadão tem de melhorar de vida no Brasil é’ por meio da educação de qualidade. E ela não tem qualidade para a maioria das pessoas. O número de jovens que chegam ao ensino médio é baixíssimo, e, entre estes, a evasão é uma calamidade. E o governo é incapaz de entender que há um modelo errado ali, que penaliza jovens justamente quando eles atravessam uma fase de afirmação.
O Enem foi criado como ferramenta de avaliação e aprimoramento do ensino médio. Porém, vem sofrendo mudanças para atender a outro fim: a seleção de estudantes para universidades públicas. Qual a avaliação do senhor a respeito?
Ninguém consegue servir a dois senhores. O Enem nasceu com um formato, mas transformou-se em outra coisa. Ele nasceu para ser uma prova de avaliação das competências dos jovens, mas não deu certo. Em seguida, tentou-se vender a ideia de que é uma prova seletiva, um vestibular barato. E ficamos com esse troço que ninguém sabe o que é. O Enem não tem a menor importância. A ideia de ter uma forma simplificada de ingresso à universidade é bem-vinda, mas isso não serve para todos os estudantes do ensino médio.
(…)
Tramita no Congresso o Plano Nacional de Educação, que prevê aumentar o porcentual do PIB destinado à área de 5% para 10%. A falta de dinheiro é a razão de crianças não saberem ler ou operar conceitos fundamentais de matemática?O país deve investir em educação, mas colocar dinheiro na equação atual é jo­gá-lo fora. O problema mais importante é a gestão. Não adianta pôr mais dinhei­ro no sistema atual porque ele vai ser malgasto. É como pagar dois professo­res que não sabem ensinar: melhor é pagar somente um bom mestre. Temos problemas estruturais muito graves: se eles não forem resolvidos, não haverá financiamento que baste. Desde 1995, o salário do professor quintuplicou no Brasil, mas não houve avanço no de­sempenho do ensino. Então, aumentar uma variável só não vai mexer no resul­tado. A equação é mais complexa. Além disso, 10% é uma cifra descabida do ponto de vista da macroeconomia.
O país estabeleceu metas para o ensino básico até 2021. Como estará o Brasil, do ponto de vista da educação, às véspe­ras do bicentenário da Independência?Estaremos no mesmo patamar. Não há nenhuma razão para pensar que será diferente. Não se muda a educação, estabelecendo metas, mas a partir de ins­tituições. Não há milagre. Uma vez que não existe investimento nas políticas corretas, não há por que achar que tere­mos uma situação melhor no futuro.
Por Reinaldo Azevedo