terça-feira, 26 de março de 2013

ATÉ QUANDO? Rafael Brasil


Como comentei em ocasiões anteriores, o grande problema de Dilma e sua turma é que pensam que pensam. Que existem alternativas as já há muito apontadas tanto pela experiência internacional, quanto pelas análises dos setores mais liberais da nossa elite pensante, digamos assim. 
Na Europa, assistimos a crise do Welfare State, o estado de bem estar social montado pela social democracia européia no pós guerra. A conta do grande aparato social do estado está chegando. Em economia não existe almoço grátis, diz um ditado que felizmente já está se tornando popular. No Brasil, coisas como equilíbrio fiscal,  privatizações, e reforma ampla do estado, são, para a presidente e sua "equipe" verdadeiros palavrões. Sem estes pilares, a economia, cedo ou tarde desanda. No caso o tempo é importante como a pergunta: Quando o povo vai perceber o descalabro ideológico, econômico , administrativo e político? Eis a questão. Em outras palavras , o dito "modelo" dilmista, é parecido com o dos governos militares, sobretudo a partir de Médici, com  o crescimento sendo induzido pelo estado, através de incentivos principalmente via BNDES. Os tempos são outros, por isso nada disso funciona.
É preciso reformas para abrir e preparar o país para o CAPITALISMO LIVRE CONCORRENCIAL, como diria aliás o conhecido comunista italiano Antônio Gramsci. Diminuir os impostos, incluindo a chamada economia informal. Privatizar o restante das empresas estatais, diminuindo consideravelmente a corrupção ao tirar o queijo da boca dos ratos de plantão, reformar a segurança, a justiça, o sistema prisional, penal, e sobretudo consertar a educação. Digo consertar, porque basta afastar os chamados social-construtivistas que destruíram a educação, desideologizando-a amplamente. Nos livros de história ainda observamos, que no Chile sob Pinochet, houve uma ditadura, e em Cuba, onde a ditadura persiste há cinquenta anos, lemos que o que houve foi uma "revolução". Aluno fazendo bagunça? Código disciplinar para as escolas. Aliás, defendo que a maioridade penal seja rebaixada para , pelo menos doze anos. Com dez, os meninos não fazem sexo? Não sabem o que estão fazendo? Por que podem matar ou delinquir? Ou seja, ainda precisamos de quase tudo. E este quase tudo está muito distante da reacionária ideologia esquerdista que, malgrado a queda do muro de Berlim há quase duas décadas, ainda encanta muitos esquerdistas latinos, que, em rede, colocam o continente à margem do desenvolvimento das chamadas forças produtivas globais, num linguajar marxista. Bem mas essa turma não leu Marx, que chora no túmulo com a ignorância reinante.
Este "modelo" vai estourar. Se antes das eleições, as oposições terão chances. Se não, teremos um fim melancólico do petismo, para o bem de todos  a felicidade geral da nação. A pá de cal será jogada por Dilma, Mantega e sua triste turma. Veremos.

3 comentários:

  1. Você poderia apresentar um plano de governo aos mesmos? Você tem capacidade pra isso? Então porque nunca tentou fazer algo por Caetes - PE? Fae, sempre quem ta de fora acha tudo fácil, seria o sistema, se eu estivesse lá eu faria aquele gol. E agora??????????

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Muito bom texto! Exclui o último comentário, pois escrevi a mesma palavra repetidas vezes, o gerou uma cacofonia. Esse blog é uma inspiração! Parabéns!

    ResponderExcluir