domingo, 26 de maio de 2019

POVO NAS RUAS PEDE REFORMAS - RAFAEL BRASIL

Resultado de imagem para manifestações hoje em são paulo

Pela primeira vez na nossa História o povo foi às ruas por reformas, ainda melhor, reformas capitalistas, ou seja a diminuição do estado e pela reforma da previdência, antes consideradas reformas impopulares.Também contra as artimanhas do parlamento, sobretudo o mais fisiológico, em querer emparedar o governo nestas questões, que ademais são cruciais ao país, nesta trilha lenta e gradual, como diria o general Geisel, rumo ao capitalismo, ou como chamam uma economia de mercado.
Muitos idiotas da objetividade quiseram tachar as manifestações como anti democráticas, porque achavam que tais atos seriam coisas como fascismo, ou coisa que o valha. Nem o PT ousou fazer tais acusações, povo nas ruas é democracia, ponto final. 
E como sempre, as manifestações da direita são extremamente ordeiras, ao contrário da esquerda radical, que parte logo para a baderrna, e o quebra quebra, e com palavras de ordem, digamos, violentas, com o velho discurso divisionista entre "nós e eles". É o povo nas ruas, e nas redes sociais clamando por mudanças, democráticas e republicanas, ora essa. A esquerda quebrou o Brasil e agora parte para a velha política do quanto pior melhor. O que chamamos de centrão é simplesmente a parte mais podre do congresso nacional, que tenta chantagear o governo, protelando às reformas, e agravando a crise, simplesmente pela sobrevivência política, e do sistema, antes batizado de presidencialismo de coalizão. Em poucas palavras, o velho loteamento do estado para grupos políticos mais do que comprometidos com escabrosos casos de corrupção. Essa turma quer mostrar força no parlamento, e quebrar a resistência do governo avesso totalmente a esta forma de fazer política, e que isto foi inclusive discurso de campanha e plataforma de governo. Parece que não vão conseguir, porém o caminho é longo e o tempo é curto.
O mais importante disso tudo, é que o governo se uniu com esta plataforma de governo, e o povo está mobilizado contra as manobras. E dentre as reivindicações, não podemos esquecer o combate à corrupção e à violência, em defesa do pacote de Moro. Também fica implícito o descontentamento, inclusive dos militares contra as medidas mais do que descabidas do STF para aliviar a barra dos corruptos de plantão, que aliás não são poucos, e mais importante: Barrar às investigações nas altas cortes do judiciário, inclusive o próprio STF. É isso aí, vamos acompanhar a batalha da reforma da previdência e das que virão. Reforma tributária, e privatizações. Se fosse presidente eu privatizaria logo a petrobrás. E vocês?

Nenhum comentário:

Postar um comentário