terça-feira, 27 de novembro de 2018

A INTENTONA COMUNISTA - RAFAEL BRASIL

Resultado de imagem para foto de prestes com vargas no palanque

Os comunistas odeiam esta palavra, intentona. Dizem que foi um levante, ou mesmo movimento, mas na verdade foi uma tentativa de golpe dentro dos quartéis, e que deu  a Vargas o pretexto para baixar o pau não só na esquerda, mas em todos os democratas de então, como aliás em todas as ditaduras. Logo depois, Vargas inventou um suposto levante comunista, o "Plano Cohen",  para implantar uma das piores, senão a pior ditadura da nossa Hirtória que foi o chamnado Estado Novo, de forte inspiração fascista, em 1937. Aliás, os fascistas depois de usados, foram defenestrados por Vargas também, depois de uma tentativa de golpe.
O levante e a repressão que se seguiu, matou mais do que o regime militar, cerca de 750 pessoas. Depois, na ditadura do Estado Novo a repressão foi a maior da nossa história republicana. A censura também, além do culto à personalidade, tal qual era a moda nos regimes autoritários e totalitários, como o comunismo, fascismo e nazismo, nesta ordem.  A propaganda e o culto à personalidade era intensa.
Vargas torturou, matou, enlouqueceu muita gente brutalmente perseguida pelo regime. Prestes foi preso e barbaramente torturado e o pior: Sua mulher, uma agente comunista alemã treinada pela internacional comunista Olga Benário, foi entregue pelo ditador a Hitler, que como judia e comunista foi eliminada nos porões da gestapo. Porém a Olga real nada tinha a ver com a Olga edulcorada pelo livro que depois virou filme, do jornalista de esquerda Fernando Morais.
Olga era uma agente da Internacional Comunista muito preparada. E era comum Stálin matar comunistas que íam pedir asilo ou proteção na chamada "pátria do socialismo". Nos expurgos da década de 30 matou milhões, e costumava presentear Hitler com prisioneiros comunistas alemães, assim como Hitler o retribuía. Não que seja justificável esta cruel ação de Vargas, claro, ele sempre foi um crápula e assassino. Mas seguindo esta lógica macabra, depois da guerra, os comunistas se aliariam a Vargas, e depois, com o varguismo, até os dias de hoje. E fizeram campanha pela volta de Vargas em 1950. Tudo a ver. Segundo a ideologia comunista, tudo pelo partido e pela revolução. Sentimentalismos pessoais? Que nada isso era tachado de sentimentalismo individualista burguês, ora essa. Quem quiser conferir leia a trilogia "Subterrâneos da Liberdade" de Jorge Amado, na época comunista, e que foi perseguido, exilado, e seus livros queimados em praça pública em Salvador. Claro , depois Amado renegaria este passado e esta obra essencialmente stalinista, e que acusava inclusive indiretamente, pessoas da própria esquerda trotskista pintando-os como uns verdadeiros diabos. Mas isso é outra história.
É isso aí, história é narrativa. E as narrativas são muitas, mas baseadas em documentos, e pela compreensão do universo cultural e político da época em questão. Claro, muitos novos trabalhos virão, o que sempre é bom. Afinal a História é a chave para a compreensão do presente e que procuremos não repetir os erros do passado. E a manipulação política da História serve sempre a interesses escusos. É isso aí.


Nenhum comentário:

Postar um comentário