quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

Ruy Castro: "Quem sabe, sabe"

Ruy Castro: "Quem sabe, sabe"

Rahel Patrasso - 23.dez.2017/Xinhua
171223) -- SAO PAULO, diciembre 23, 2017 (Xinhua) -- El expresidente de Brasil, Luis Inácio Lula da Silva, participa durante el evento de inauguración de un campo de fútbol en la Escuela Nacional Florestan Fernandes, creada por el Movimiento de los Sin Tierra (MST) de Brasil en 2005, en Guararema, estado de Sao Paulo, Brasil, el 23 de diciembre de 2017. El MST es uno de los mayores movimientos sociales de Brasil. (Xinhua/Rahel Patrasso) (rp) (jg) (rtg)
O ex-presidente Lula em evento realizado em dezembro de 2017


Folha de São Paulo
A dias de ter seu destino selado pela Justiça, o ex-presidente Lula vai jogar sua última cartada para a galera, recrudescendo o grau de ira de seu discurso. É verdade que não falta mais ninguém para ofender —o próprio juiz Sergio Moro já foi chamado por ele de parcial, ilegítimo, mentiroso, czar e até de surdo. E sua ladainha contra a "burguesia loura e de olhos azuis" teve de ser posta de lado quando se percebeu que seu advogado é louro e de olhos azuis —tal como, aliás, a falecida dona Marisa.

Será o confronto final entre seu discurso triunfalista de que, por falta de documentos, nunca poderão provar que ele era dono de sítios e triplexes, e a constatação óbvia de que ninguém passa recibo por malfeitos. O outro argumento, dirigido aos desinformados do exterior, de que não lhe dão direito de defesa, não pode ser usado aqui diante das dezenas de recursos dirigidos por sua defesa à Justiça e da repetida convocação de testemunhas para ilibá-lo —segundo José Simão, nem Jeová teve tantas testemunhas quanto Lula.

Será interessante também assistir, nos próximos dias, à campanha da ex-presidente Dilma Rousseff pregando que os inquéritos visam apenas impedir que Lula volte à Presidência. Supondo que seja verdade, nada disso estaria acontecendo se, ao fim de seu mandato em 2014, ela tivesse aberto mão de sua candidatura à reeleição e devolvido a vaga a Lula —como ficara combinado que aconteceria quando ele a inventou como candidata em 2010.

Donald Trump, presidente dos EUA, chamou há pouco o Haiti e os países africanos de "países de merda". Lula não precisou ir tão longe —chamou o próprio Brasil de país de merda. "Este país não nasceu para ser a merda que é", ele disse em Feira de Santana, na Bahia, no dia 20 de agosto do ano passado.

Quem sabe, sabe. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário