domingo, 22 de outubro de 2017

O CENTENÁRIO DA REVOLUÇÃO RUSSA - RAFAEL BRASIL


Resultado de imagem para lenin trotsky e stalin


O que os historiadores, mais especialmente os de esquerda, passaram a chamar de Revolução Russa, foi um golpe de estado, em outubro de 1917, dado pelos bolcheviques, chamado partido da maioria, liderado por Lênin. Que lutara contra o marxismo da Segunda Internacional Comunista, que advogava um socialismo, mais, digamos, processual, ou seja, a ruptura revolucionária seria dada com o crescimento do capitalismo e suas contradições internas. A revolução se daria, como previra Marx, nos países capitalistas mais avançados, logicamente os de maior classe operária.
Lênin advogava que a revolução poderia acontecer em países mais atrasados como a Rússia, com uma incipiente classe operária, e uma população preponderantemente camponesa, e uma classe média urbana  atrelada ao poderoso aparato do estado imperial czarista. E o papel revolucionário caberia ao partido, com intelectuais oriundos das classes médias, denominados “traidores de classe”. Eram os pequenos burgueses, ou seja, os intelectuais que comandariam a revolução. E assim se deu, porém com fatores peculiares do envolvimento do Império Russo na Primeira Guerra mundial,  um dos fatores que redundaram no fenômeno histórico que viria a ser de fundamental importância para a política global do sangrento século XX, expressão utilizada pelo autor auto intitulado último intelectual comunista do séc. Eric Hobsbawm. O mesmo que omitiu todas as atrocidades do comunismo no século sangrento, como ele intitulara no seu livro Era dos Extremos. Haja contorcionismos e desonestidade intelectual.
A tomada do poder foi um golpe. Um golpe no vácuo do fracasso dos mencheviques, os social democratas liderados pelo hesitante Kerenski, que não soube enfrentar a crise causada pela guerra, onde abundavam incompetência e corrupção deslavada, e ampla e crescente antipatia popular. Já Lênin, negociara o fim da guerra secretamente com os alemães, era um estrategista e um lutador político incansável, e implacável com seus inimigos, lançando as bases do estado totalitário que viria a se tornar a União Soviética. Para tal acabou com as pretensões dos mencheviques e outros opositores com o cancelamento de uma assembleia constituinte, que dizem, os bolcheviques perderiam.
A Revolução se consolidaria de fato com a guerra civil. Na época, ninguém dava um derréis de mel coado, pela vitória dos bolcheviques. Mas graças a capacidade política e organizacional militar de Trotski, os bolcheviques ganharam, em batalhas sangrentas, em 1921. Ao passo do desenvolvimento da guerra civil, o chamado e endeusado pelos comunistas,  terror revolucionário, ao tempo que aniquilava os exércitos brancos, aniquilava toda a dissidência interna à esquerda, impondo o chamado centralismo democrático, que de democrático não tinha nada. Era apenas a imposição da ditadura bolchevista, sob o férreo comando de Lênin, e a agitação e organização militar de Trotski, que fundara o exército vermelho.
Com Lênin e Trotski, as sementes do estado totalitário já estavam plantadas. Todos os revolucionários que sobreviveram foram aniquilados por Lênin, e depois por Stálin, como o próprio Trotski. Depois da morte de Lênin em 1924, a luta pelo poder foi ganha pelo então obscuro burocrata Stálin, que seria um dos maiores tiranos da história. A experiência socialista na então União Soviética causou o extermínio de cerca de 30 milhões de pessoas. Há controvérsias para mais. Foi utilizado massivamente o trabalho escravo. Centenas de milhares de almas pereceram nas obras feias e suntuosas do regime comunista. Uma desgraça, a ainda tem gente que acha isso legal. Só se for por ignorância mesmo, ou simplesmente má fé.

A  Revolução russa marcou indelevelmente o século XX, que foi caracterizado por violentas guerras  tendo como pano de fundo a ideologia comunista. Hoje o comunismo é cultural, gramsciano, vindo da academia. Ademais, o comunismo é uma obra de intelectuais. A classe operária que os intelectuais diziam representar nunca aderiu efetivamente ao regime. Afinal nunca na história a classe trabalhadora foi tão explorada e escravizada. Coisa de satã. Vade retro!

Nenhum comentário:

Postar um comentário