domingo, 30 de julho de 2017

Exclusivo: "Não vou fazer acordo com o diabo para ser simpático", diz Bolsonaro - COM O ANTAGONISTA

Exclusivo: "Não vou fazer acordo com o diabo para ser simpático", diz Bolsonaro


No encerramento da conversa com O Antagonista, Jair Bolsonaro, segundo colocado nas pesquisas eleitorais, falou sobre suas chances ao disputar em 2018 a presidência por um partido pequeno como o atual PEN:
“Eu acredito que quem tiver 22% vai para o segundo turno e daí você empata o jogo. E o que é importante também é que eu não vejo isso como obsessão. Então eu acho que está na hora de contribuir com meu país. Se for vontade de Deus, estamos lá. É isso que eu penso. Não vou fazer acordo com o diabo para ser simpático e talvez conseguir sentar na cadeira dessa forma. Você senta, mas depois não governa, é muito difícil.”
Com 20,8% no último levantamento do instituto Paraná Pesquisas (no cenário com Geraldo Alckmin), Bolsonaro está próximo dos 22% que acredita ser necessário alcançar. Se contar a margem de erro, na verdade, já alcançou.

Exclusivo: "Eu sou a formiguinha contra o elefante", diz Bolsonaro


Jair Bolsonaro citou em conversa com O Antagonista as matérias do Globo e da Veja deste fim de semana sobre a repercussão e a atuação política nas redes sociais:
“O que eu senti é uma tendência em jogar mais para o [prefeito de São Paulo, João] Doria, dar uma certa ‘dourada’ no Doria, e tentar em parte desacreditar as mídias sociais. Ambas as matérias dizem que vai ser um vale-tudo no ano que vem. Mas a verdade é que a imprensa de papel, o pessoal já sabe que a credibilidade dela está sendo deteriorada a passos largos. E o negócio deles é vender papel, vender propaganda. Mas há uma tendência aí de tentar desqualificar as mídias sociais."
Em seguida, o deputado deu a sua visão sobre a sua própria ordem de grandeza na disputa pelo eleitorado, em comparação com a concorrência:
"Eu não tenho equipe nenhuma. Minha equipe é composta por um ou outro funcionário meu que trabalha depois do expediente. O PSDB tem o estado de São Paulo, tem a capital, tem ali uns 60 parlamentares entre deputados e senadores – eles têm a máquina na mão, eu não tenho nada, não tenho nem partido ainda. Não sou nem o Golias, de David e Golias. Eu sou a formiguinha contra o elefante. E chegamos aonde chegamos.”

Exclusivo: "O importante é que a legenda é minha", diz Bolsonaro

De Jair Bolsonaro a O Antagonista, sobre seu acerto com o PEN para se candidatar à presidência da República em 2018:
"O importante é que a legenda é minha. Não vai ter desconfiança em hipótese alguma de alguém trair ali – você sabe bem como funciona a política, não é? Nós temos certeza de que vai ter uma enxurrada de filiados ao partido e vai ser no mínimo um partido [de tamanho] médio no ano que vem, se a gente conseguir continuar nessa nossa caminhada. Tem tudo para ser um baita de um casamento.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário