sábado, 27 de maio de 2017

EDITORIAL: O pacto nacional para a sucessão de Temer - com Reaçablog


Hoje, o maior entrave para a sucessão de Michel Temer é o tal do ‘pacto nacional‘ para garantir a transição até o dia 1º de janeiro de 2019.
Durante a campanha pelas ‘Diretas Já!‘ começou a ser costurado um pacto nacional para se eleger Tancredo Neves presidente. Após a rejeição da Emenda Dante de Oliveira, Tancredo acabou sendo eleito através da via indireta. O PT não participou do pacto.
Depois, houve o impeachment do presidente Fernando Collor de Mello e novamente ocorreu um pacto nacional para garantir o governo do presidente Itamar Franco. O PT não participou do pacto e foi um sabotador do Plano Real porque acreditava que iria vencer o ministro da Fazenda, Fernando Henrique Cardoso, no primeiro turno das eleições de 1994. O PT perdeu no primeiro turno e apostou em manter a crise e a inflação por motivos eleitorais.
O presidente Michel Temer no começo de seu mandato também foi levado a manter um pacto. O governo continuou a financiar entidades como o MST e o MTST como forma de acalmar as ruas. A esquerda não manteve o pacto e não só inferniza a vida do cidadão com atos criminosos, como ainda recebe recursos públicos sob a desculpa de que seria pior sem o pacto.
Em todos esses episódios, as esquerdas são chamadas e tidas como agentes fundamentais no processo democrático e atravancam o quanto podem as negociações. Depois, quando viram as costas, nos damos conta de que elas nem eram tão fundamentais assim. Existe ainda o fator de existirem várias esquerdas no país sem que todas acreditem em democracia. Governo após governo, agente político depois de outro, muitos são instados a firmarem pactos democráticos com quem não tem a democracia como valor.
A situação é a de um tanque de guerra (o governo e as forças políticas majoritárias) cedendo às ameaças de um trombadinha armado com uma faca plástica descartável (as esquerdas).
Quando Eduardo Cunha (PMDB) foi eleito presidente da Câmara contra o governo Dilma, ele não só venceu, como retirou o PT (o segundo maior partido em número de deputados) do comando das principais Comissões da Casa. O deputado fez política, conquistou a maioria e transformou a esquerda no que ela é: a força parlamentar minoritária com cerca de 1/5 das cadeiras.
É claro que as esquerdas socialistas são parte da vida política do país, mas se são minoria parlamentar, devem ser tratadas como minoria. A força de seus argumentos já teve o freio legítimo das urnas. O voto da minoria do Congresso vale mais que o da maioria?
O maior arauto do pacto com as esquerdas é FHC (que nem os deputados do próprio partido suportam mais). Nas notas de bastidores na imprensa ele tem sido apontado como o maior articulador e empata de um nome que não leve em conta os anseios do PT. Uma palhaçada. O pior é saber que figuras sem voto como a trinca FHC-Lula-Sarney estão sendo as fiadoras de candidaturas que dizem respeito aos parlamentares, com voto, e sua prestação de conta aos eleitores.
O pacto nacional com as esquerdas não interessa ao país. Os parlamentares devem realizar aquilo que lhes é prerrogativa legítima: o fazer político e da conquista de maioria.
O PT tem que ser excluído do pacto nacional.
Obs.: Um presidente que trabalhe para acabar com a Lava Jato é delírio da classe política e do STF. Ninguém segura uma onda.
Presidente Michel Temer discute a crise política com a base aliada (Foto: Marcos Corrêa/PR)

Nenhum comentário:

Postar um comentário