sábado, 1 de abril de 2017

Ferraço: "O Estado brasileiro era garagem do PT" - LEIAM NOTINHAS DO ANTAGONISTA

Gil Castelo Branco: "As investigações vão tomar outro rumo"


O especialista em contas públicas Gil Castelo Branco, da ONG Contas Abertas, também conversou com O Antagonista sobre os depoimentos publicados por este site ontem e hoje com exclusividade:
"A casa caiu. Foram dados nome e endereço aos bois. Daqui para frente, as investigações vão tomar outro rumo."
No entender de Castelo Branco, se alguém ainda tinha alguma dúvida sobre quem era o "Amigo", "isso está muito claro e será muito difícil continuar a contestar". Ele acredita que a estratégia de defesa terá de ser revista.
"E olha que a situação atual será muito mais agravada pelas delações. O fim do PT e do Lula - e talvez da própria Dilma - parece ser uma questão de pouco tempo."

Ferraço: "O Estado brasileiro era garagem do PT"

Ricardo Ferraço se disse estarrecido com os depoimentos publicados ontem e hoje com exclusividade por O Antagonista.
"A riqueza de detalhes com que Marcelo Odebrecht fala das relações promíscuas com o governo do PT é estarrecedor. As evidências já eram muito fortes, mas aquilo que era evidência está agora mais claro do que a luz do dia."
Para o senador tucano, os relatos dos executivos da empreiteira mostram que "o Estado brasileiro era garagem do PT".
"Qualquer narrativa contrária a esse entendimento está sepultada."

MAS A ODEBRECHT DEPOSITAVA PROPINA NOS EUA?

Em 24 de março, publicamos um trecho do depoimento de Hilberto Filho ao TSE. Ele disse que a Odebrecht não depositava propina em contas nos Estados Unidos, por medo da fiscalização das autoridades americanas.
Como é, então, que a empreiteira pode ter pago propina numa conta operada por Andrea Neves, irmã de Aécio, num banco em Nova York?
Ministro Fachin, repetindo outra vez: é vital divulgar as delações da Odebrecht, para que toda a verdade sobre os depoimentos à PGR venha à tona.

Nenhum comentário:

Postar um comentário