segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Os (dez)mandos do populismo - Gustavo Krause

Resultado de imagem para gustavo krause
Há quem diga que populismo não é uma doutrina, mas uma síndrome. Carece de elaboração orgânica e sistemática; as definições se ressentem de ambiguidade conceitual; a divisão arbitrária ocorre entre povo e “não-povo” (Ludovico Incisa, Dicionário de Política, Bobbio, Matteucci, Pasquino. Brasília, Editora Universidade de Brasília, 1986, pags. 980/2).

Trata-se de um fenômeno recorrente na história e objeto de estudo permanente das ciências sociais. Atualmente, desperta especial atenção por conta da mudança de endereço e de figurino. Com habitual maestria, o economista Sergio Buarque constata: “O nacionalismo e o populismo se deslocaram dos antigos países do terceiro mundo para as nações ricas e os antigos impérios coloniais”. E ao se alojar nos EUA, xenófobo e anacrônico, “faz tremer a ordem mundial” (Revista Será?, 11//11/16, revistasera.info).

Por sua vez, o cientista político mexicano Enrique Krauze (coincidência), no ensaio os “Os Dez Mandamentos do Populismo” (aqui renomeado “Os Dez(mandos) do Populismo”), fornece os seguintes traços do fenômeno:

I. O populismo exalta o líder carismático, o homem providencial na perspectiva Weberiana.

II. O populista usa, abusa e se apropria da palavra (todos são verborrágicos e demagogos, amparados pelo marketing do embuste).

III. O populista fabrica a verdade e odeia a liberdade de opinião.

IV. O populista usa o erário como recurso privado, promete soluções simples, rápidas e, invariavelmente, desastrosas para economia.

V. O populista prega e pratica a mágica distributivista, dando benefícios e cobrando obediência.

VI. O populista é maniqueísta e dissemina o ódio conveniente entre “eles” e “nós”.

VII. O populista apela, mobiliza e inflama o poder das massas no teatro da “praça pública”.

VIII. O populista fustiga o “inimigo externo ou interno” como bode expiatório para os fracassos (todo populista é onisciente e infalível).

IX. O populista despreza a ordem legal, incutindo nas pessoas profunda desconfiança nas regras feitas pelos homens.

X. O populista mina, domina, ameaça e elimina as instituições, os mecanismos de pesos e contrapesos da democracia liberal por considerá-los oligárquicos e contrários à “vontade popular”.

Finalmente, cabe atentar para o fato de que o populismo nasce, renasce e viceja à margem dos canais institucionais vigentes. O “povo” é transformado em mito cuja força regeneradora, fascinante e obscura, imotivada e funcional está “latente mesmo na sociedade mais articulada, complexa, pluralista, pronta a materializar-se, de um instante para outro, nos momentos de crise”.

*Gustavo Krause é ex-ministro da Fazenda do governo Itamar Franco

Nenhum comentário:

Postar um comentário