sábado, 10 de dezembro de 2016

Padilha operacionalizou dinheiro para Temer, diz delator

Padilha operacionalizou dinheiro para Temer, diz delator

O presidente da República, Michel Temer, e o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, durante cerimônia de anúncio de futuras medidas para a economia, no Palácio do Planalto, em Brasília (DF) - 27/10/2016
O presidente da República, Michel Temer, e o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, durante cerimônia de anúncio de futuras medidas para a economia, no Palácio do Planalto, em Brasília (DF) - 27/10/2016 (Andressa Anholete/AFP)

Thiago Bronzatto, Robson Bonin, Daniel Pereira - Veja

LOBISTA RELATA QUE ESCRITÓRIO DE MINISTRO DA CASA CIVIL FOI UTILIZADO PARA ENTREGAS DE PAGAMENTOS DA MAIOR EMPREITEIRA DO PAÍS


O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha (PMDB-RS), tem um capítulo especial nas 82 páginas da delação explosiva do lobista da Odebrecht em Brasília, Claudio Melo Filho, revelada por VEJA em sua edição atual. Segundo o ex-executivo da empreiteira, Padilha era o operador dos repasses da empresa destinados a Temer. “Para fazer chegar ao presidente Michel Temer os meus pleitos, eu me valia de Eliseu Padilha ou Moreira Franco, que o representavam. Essa era uma via de mão dupla, pois o atual Presidente da República também utilizava seus prepostos para atingir interesses pessoais, como no caso dos pagamentos que participei, operacionalizado via Eliseu Padilha”, diz Melo Filho.
“Sempre soube que Eliseu Padilha representava a figura política de Michel Temer”, diz o lobista. Por essa razão, Cláudio Melo fazia questão de estar em contato permanente com o peemedebista, seja em reuniões no Instituto Ulisses Guimarães ou no escritório da empreiteira em Brasília. Essa relação tinha laços comerciais. Quando inaugurou o seu escritório de advocacia em Porto Alegre, Padilha solicitou que Melo o indicasse para a Odebrecht, o que foi feito, segundo o delator. O escritório do ministro da Casa Civil, de acordo com o lobista, foi “o local de entrega de pagamento a título de contribuição” feito pela empreiteira para o PMDB.
Reportagem de VEJA desta semana conta que Padilha, cujo apelido é “Primo”, recebeu da Odebrecht 4 milhões de reais dos 10 milhões de reais da ajuda financeira solicitada por Temer ao empreiteiro Marcelo Odebrecht, num jantar realizado no Palácio do Jaburu em maio de 2014. Desses recursos, 1 milhão de reais foi repassado por Padilha ao ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, preso na Operação Lava-Jato. A outra parte foi entregue no escritório do advogado José Yunes, amigo íntimo e assessor especial de Temer.
Procurada, a assessoria do presidente Michel Temer e do ministro da Casa Civil Eliseu Padilha apresentou o seguinte esclarecimento: “O presidente Michel Temer tratou diretamente com Marcelo Odebrecht do pedido de doação. O presidente não se recorda da participação de Claudio Melo na conversa e reafirma que a doação solicitada foi regularmente declarada em acordo com as regras eleitorais. As informações imputadas por Claudio Melo ao ministro Eliseu Padilha e ao assessor José Yunes são absolutamente inverídicas e sem amparo na realidade”.
Matéria completa na Veja

Nenhum comentário:

Postar um comentário