sexta-feira, 18 de novembro de 2016

ROGER SCRUTON - "NÓS CONSERVADORES, SOMOS CHATOS. MAS TAMBÉM ESTAMOS CERTOS.

“Nós, conservadores, 

somos chatos. Mas também estamos certos”

Referência da direita, o filósofo britânico Roger Scruton fala, em poucas palavras, sobre a importância de ser conservador hoje em dia
14/03/2016 - 07H57 - ATUALIZADA ÀS 14H44 - POR GUILHERME FELITTI
O filósofo inglês Roger Scruton (Foto: Divulgação)
Uma 
















 Uma das vozes mais proeminentes do conservadorismo 
de hoje, o filósofo britânico Roger Scruton era um jovem estudante em Paris em maio de 1968 quando seus colegas foram às ruas engrossar os protestos populares. Convidado, Scruton não saiu de casa. “Fiquei enjoado. Foi ali que virei um conservador”, disse, anos mais tarde. Explicou sua crença em proteger instituições, não revolucioná-las, em livros como “The Meaning of Conservatism”, de 1980 (traduzido no Brasil pela editora É Realizações com o título "O que é Conservadorismo”), e “Como ser um conservador”, de 2014.
Provocador, o filósofo defende ideias polêmicas, como dizer que entende a homofobia e acusar a publicidade de matar a beleza das obras de arte clássicas. A extensa obra e as opiniões fortes lhe renderam uma posição de destaque entre os conservadores. Amante das artes, já escreveu dezenas de livros sobre estética, além de 3 óperas. Por e-mail, Scruton respondeu, em poucas palavras, às dúvidas de Época Negócios.
Qual é a importância de ser um conservador nos dias de hoje?
Tudo que é valioso está sob ameaça e, por isso, temos que fazer um esforço para conservá-lo.
É mais aceitável ser conservador atualmente que há décadas?
É sempre aceitável ser conservador, mais quanto mais as boas coisas que temos estiverem ameaçadas.
Alguns especialistas alegam que estamos experimentando uma receita onda de conservadorismo pelo mundo, especialmente entre os mais jovens? O senhor concorda?
Não tenho certeza. Certamente os mais jovens querem encontrar algo no que acreditar e estão se afastando do niilismo dos seus pais.
O senhor já disse que os conservadores fazem as perguntas certas, mas são chatos. Esse traço mudou entre os conservadores modernos?
Não, somos todos chatos. Mas nós também estamos certos.
A decepção generalizada com governos de esquerda na América Latina pode significar uma onda de líderes de direita na região?
A América Latina parece sempre depender de líderes - o que é uma pena, já que a alternativa verdadeira à ditadura socialista não é uma ditadura e a política natural de associação. No Reino Unido, temos líderes em tempos de guerra - ainda assim, nem sempre. Eu acho que seria bom para a América Latina cultivar a regra da lei, e não a regra de uma pessoa, uma família ou uma ideia.
Alguns estudiosos brasileiros alegam que o Brasil não tem um conservadorismo real, já que nossa democracia e nossa Constituição são muito novas (menos de 40 anos). Existe uma correlação entre uma democracia velha e um conservador de verdade?
Os brasileiros, mesmo assim, tem uma cultura enraizada, majoritariamente católica, misturada com um jeito completamente indígena de aproveitar a vida e um respeito pela família. É aí onde o conservadorismo deve estar enraizado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário