sexta-feira, 18 de novembro de 2016

É DE VOMITAR AS CENAS DE GOVERNADOR PRESO. MAS O BRASIL MUDA. NA LEI OU NA MARRA. - RAFAEL BRASIL

Resultado de imagem para remoção de garotinho para a prisão ontem

Vi uma cena deprimente na televisão protagonizada pelo ex governador do Rio Garotinho. Uma cena ridícula, patética, de um homem sem a mínima noção de honra. Uma palhaçada de um canalha fundamental, como diria Nélson Rodrigues.
Ao ser removido do hospital, ele esperneava de cuecas na frente das câmaras tentando impedir seu triste embarque para um mais triste destino. 
As cenas das prisões dos ex governadores cariocas foi muito didática. A reportagem do jornal nacional foi perfeita. Mostrou a ascensão destes canalhas. Seus milhares de pares devem estar de cabelo em pé. Pelo Menos Sérgio Cabral foi mais humano. Será que teve vergonha? Se teve já é um bom início.
Estes pulhas sempre foram canalhas menores. Antigamente tínhamos uns bem mais talentosos e não eram nem tão corruptos. Mas agora a canalha do submundo da cleptocracia nacional, e com ramificações com o crime organizado.
E as propinas foram de centenas de MILHÕES. E muita coisa vem por aí. Por essas e outras diuturnamente conspiram contra a lava jato. Como é que pode, estas investigações vão paralisar o ajuste fiscal, e etc e tal, dizem os políticos, a partir do presidente. Afinal, como entrar numa enorme pocilga sem se sujar? Só por milagre, e milagres acontecem todos os dias, mas não com essa gente.
Foi bom o povo ver. E acordar ainda mais contra as maquinações dos políticos, odiados pela população. Por essas e outras não esta descartada a solução ucraniana. O povo bota a canalha toda pra correr e faz uma nova constituição. A safadeza afinal não tem limites. Mas ninguém pode dizer que a canalha não está sendo punida. Sou mais eu, um histórico liso, do que essa gente presa em celas miúdas, e que vão passar uns tempos neste aperreio. 
Claro a maioria nem liga, pois a sem-vergonhice dessa gente não tem limites. Mas que foi didático foi. Alguém duvida?

Nenhum comentário:

Postar um comentário