sábado, 27 de agosto de 2016

Para Giannetti, governabilidade de Temer depende de PEC

Para Giannetti, governabilidade de Temer depende de PEC

• Para Eduardo Giannetti, projeto que limita os gastos deve ser aprovado este ano, pois ‘álibi da interinidade’ acabou

Gustavo Porto - O Estado de S. Paulo

RIBEIRÃO PRETO - O economista Eduardo Giannetti disse, em entrevista ao Broadcast, que o grande sinalizador do governo Michel Temer (PMDB), após a ratificação dele no cargo de presidente da República, será a aprovação, até o final deste ano, da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que limita os gastos públicos para o ano corrente à inflação do anterior. Para Giannetti, caso o projeto não seja aprovado a tempo para ser implementado em 2017, o cenário de crise se complicará muito e a governabilidade de Temer estará ameaçada.

"O governo Temer usou a interinidade como um álibi para não ser mais incisivo e agressivo no início do ajuste fiscal. Com a aprovação do impeachment, acabou o álibi, o tempo começa a correr e vai ser um enorme desapontamento se não votarem a PEC até o final do ano", disse. "Se perder o timing, o quadro brasileiro complica bastante, inclusive para a governabilidade de Temer até 2018", completou Giannetti que participou, em Ribeirão Preto (SP), de um seminário do banco BRP.


A aprovação da PEC dos gastos públicos passa ainda, na avaliação de Giannetti, por um detalhamento de propostas. Segundo ele é preciso definir se o teto para Saúde será estabelecido pela soma da inflação com as despesas deste ano, marcado por uma forte queda na receita, ou se seria estudada uma alternativa parar evitar que o setor sofra com investimentos baixos em 2017. "Outra questão é o enquadramento do Judiciário, já que esse poder não terá como cumprir o aumento do gasto em termos reais nos próximos anos porque está contratado (aumentos já concedidos) e não tem investimento e custeio relevantes para cortar", explicou.

Giannetti disse que Temer deve levar adiante as reformas da Previdência e a política de concessões e privatizações. Indagado se o PSDB poderá deixar o governo caso os reajustes do funcionalismo prosperem, o economista avalia que isso não vai ocorrer e que o governo não concederá os aumentos. "Eu acredito no discurso da equipe econômica".

Para o economista, o grande risco para o governo Temer é político, com o eventual surgimento de um fato novo nas investigações da Operação Lava Jato que atinja a cúpula do governo e do PMDB. "São duas ameaças: a delação acertada do (empresário) Marcelo Odebrecht e o desenrolar do caso Eduardo Cunha, que pode caminhar em uma situação muito perigosa ao governo", concluiu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário