quinta-feira, 14 de julho de 2016

CUNHA, LULA E DILMA PERDERAM. MENOS MAL - RAFAEL BRASIL


O resultado da eleição da presidência da câmara foi, digamos um mal menor para o país. Lula Dilma e Cunha perderam. O discurso dos petistas também ficou esvaziado, com o malfadado slogan "fora Cunha". Agora só resta o surrado grito de guerra de que foi golpe. Golpe mesmo foi no petismo em estado terminal. Mas urge remover o cadáver o que é mais complicado. Ou seja o aparelhamento do estado, que vem desde os tempos do regime militar.
Rodrigo Maia é filho de César Maia, ex esquerdista que virou liberal, até aí uma evolução, decerto. Ele não aderiu ao petismo ficando no PFL, depois transformado em "democratas", partido que Lula jurou acabar, e quase acaba por causa dos setores fisiológicos que nunca foram poucos. Afinal a pedra de toque da nossa política é o adesismo. Os cargos federais proporcionam dinheiro roubado para eleições cada vez mais milionárias. Vivemos numa triste cleptocracia ancorada no gigantismo estatal. O povo, claro é quem paga a conta.
Cunha prestou um grande serviço ao país que  afastando Dilma da presidência. Um bandido extremamente competente, mas ainda conseguiu protelar ao máximo sua cassação. E ainda tinha um enorme poder sobre os congressistas, neste pior congresso da história brasileira. 
Os três maiores empecilhos da política nacional, completamente desacreditados pelo povo, estão sendo devidamente afastados. Para o bem do país. Agora a tarefa dura da recuperação. Temer cedeu ao corporativismo e com isso se desgastou diante da necessidade de se fazer o ajuste fiscal. Vamos ver agora os pacotes de "maldades". Ou seja, medidas impopulares, mas necessárias. 
Se a situação piorar muito, o que pode acontecer, pode ser atropelado pelo povo numa baita guerra civil. Se conseguir pelo menos estancar a sangria da economia terá feito o seu trabalho e será bem lembrado pela história. Mas Temer não é nenhum  Itamar, e a história não se repete. Vivemos a maior crise da história republicana. E a maior crise é  política. É o fim da malfadada "nova república". O que virá depois só Deus sabe. O caminho é longo, e estamos apenas no começo. 

2 comentários:

  1. Pelas cores nenhum desses personagens escapa.A grande maioria nunca quis mudança de nada.Qual deputado federal e senador vai votar para acabar com as suas mordomias.Quando a OAB apresentou a ADI e o Supremo Tribunal Federal aprovou por 8x 3 e o Juíz Gilmar Mendes defendeu todas as doações e 220 deputados federais tentaram derrubar a PEC do Eduardo Cunha que foi vetada por DILMA,mostra-se concretamente que os 367 deputados federais e os 55 senadores não querem mudança de nada.Recentemente eles receberam do vice presidente aplausos por terem antecipadamente aprovaram os salários deles de R$ 33.763,00 para R$ 39.293,00.Elas escolhem alguns para serem sacrificados.Delcídio Amaral,Dilma e Eduardo Cunha.Eita PMDB honesto.O Brasil merece sim ter eles no comando da nação!

    ResponderExcluir
  2. O caminho das esquerdas passa por beijar a mão de Paulo Maluf (como Lula fez) e votar no DEM, como foi orientação da direção do PT.

    Lula é Maia.
    Maia é DEM,
    logo, Lula é DEM.

    Outra:

    DEM é PSDB.
    PT é DEM,
    logo, PT é PSDB.
    Tudo em casa!!!

    P.S.: - Só falta o Lula, de dentro da cadeia, apoiar um candidato do DEM ou do PSDB em 2018. Aí a petralhada se suicida!!!

    ResponderExcluir