terça-feira, 29 de setembro de 2015

Ricardo Setti com Augusto Nunes no Aqui entre Nós: ‘Ninguém mais leva Dilma a sério’

Ricardo Setti com Augusto Nunes no Aqui entre Nós: ‘Ninguém mais leva Dilma a sério’

Regina Duarte tinha ou não razão? ESCRITO POR PERCIVAL PUGGINA |

O tempo, como senhor da verdade, veio mostrar que Regina Duarte tinha razão.

Em 2002, quando se desenhava a vitória de Lula nas eleições de outubro, a economia brasileira levou um solavanco. O dólar bateu em quatro reais, os investidores externos se retiraram e os internos se retraíram. A atriz Regina Duarte expressou esse sentimento de insegurança num vídeo gravado para a campanha de José Serra. Sua primeira frase foi - “Tenho medo”. Era uma peça muito forte e suscitou reação imediata das hostes petistas que responderam afirmando que a esperança haveria de vencer o medo.
Já naquela época, quem acompanhava a atividade do Partido dos Trabalhadores sabia. Sabia que a democracia direta defendida por ele e por seus parceiros internacionais sempre descambou em totalitarismo. Quem repelia a violência e a ruptura da ordem que o PT promovia através de seus movimentos sociais sabia. Quem era capaz de reconhecer a corrupção moral em suas várias formas (mentira, mistificação, assassinato de reputações, desonestidade intelectual, etc.) também sabia. E todos nós, que sabíamos, podíamos antever para onde estávamos sendo levados. Era de ter medo, sim. O que não podíamos imaginar era o nível de degradação a que as instituições políticas seriam deliberadamente conduzidas.
O tempo, como senhor da verdade, veio mostrar que Regina Duarte tinha razão. Seria muito melhor para o país se ela estivesse errada. Se nós estivéssemos errados. Os muitos males produzidos pelo petismo – e eu não os vou desfiar aqui porque agora estão bem visíveis aos olhos do mundo – nos fazem regredir muitos anos. E a sociedade convive com o medo em proporções inimagináveis em 2002: é o medo da criminalidade, é o medo de não haver instituição política em que confiar, é o medo da inflação, do desemprego, da fuga de capitais, da depreciação do real e de uma crise de muitas faces, com proporções inimagináveis. E o dólar, treze anos depois, volta aos patamares para onde disparou naquele ano em que Regina Duarte expressou o sentimento de tantos brasileiros. O medo, agora, não é de que o PT chegue ao poder, mas o de que ele prossiga atravessando nossa história como o cavalo de Átila, após o qual nem a grama nasce.

Padre iraquiano revela drama de “Igreja dos mártires” no Oriente Médio



“Não chamem o que acontece em meu país de conflito”, disse o sacerdote. “O nome disso é genocídio.”
Imagem: Flickr/Rimini Meeting
"Há mais mártires hoje do que nos primeiros tempos da Igreja"disse certa vez o Papa Francisco, em uma frase que sintetiza a condição dos cristãos no Oriente Médio. De fato, não há palavra para definir melhor o que são esses valentes seguidores de Cristo: o martírio, que eles aceitam corajosa e generosamente, eleva-os à perfeita imitação de Jesus, ao ponto mais alto da caridade, como está escrito: "Ninguém tem amor maior que aquele que dá a vida por seus amigos" (Jo 15, 13).
É o que mostra o testemunho do padre Douglas Al-Bazi, pároco da igreja de Mar Elia, em Erbil, no Iraque.
No dia 23 de agosto, o sacerdote aproveitou o conhecido Encontro de Rímini para falar sobre os "mártires de hoje", vítimas do regime de terror que se espalha em todo o Oriente Médio pelo Estado Islâmico.
"Quem acha que o ISIS não representa o Islã, está errado", disse o padre. " O ISIS representa cem por cento o Islã. Se alguém diz: 'Não, eu tenho amigos muçulmanos, eles são legais'. Sim, eles são legais aqui. Mas, lá, eles são assassinos". As palavras do sacerdote são uma resposta clara e inequívoca ao discurso recente de um chefe de Estado, para quem 99,9% dos muçulmanos seriam contrários ao islamismo radical.
Durante a sua fala, o pe. Al-Bazi ressaltou a sua pertença à "Igreja dos mártires", que ele também chamou de "Igreja de sangue". "Antes de 2003, éramos mais de 2 milhões de cristãos no Iraque. Agora, não passamos de 200 mil", ele conta. O clérigo mantém dois abrigos para refugiados na região onde trabalha e acolhe todos os dias milhares de famílias, vindas das mais diversas regiões do Médio Oriente. "Não chamem o que acontece em meu país de conflito. O nome disso é genocídio."
"Como sacerdotes no Iraque e no Oriente Médio, nós vivemos uma missão única", ele diz. "Não sabemos se saíremos da igreja ou voltaremos a ela vivos. Quando estava em Bagdá, eles implodiram uma igreja na minha frente. Eu mesmo sobrevivi duas vezes a bombas que estouraram bem próximas a mim, e já fui atingido na perna por uma AK-47, uma espécie de Kalashnikov. (...)Ainda acredito que, mais cedo ou mais tarde, eles irão me matar."
O padre também revela detalhes dos dias em que foi mantido refém por terroristas muçulmanos. O sequestro aconteceu depois da celebração de uma Missa dominical, quando a estrada que dava acesso à igreja foi bloqueada e o sacerdote foi levado para um lugar desconhecido. De imediato, um dos sequestradores quebrou o seu nariz, acertando-o com o joelho. Com as mãos atadas e os olhos vendados por 9 dias, o padre Douglas permaneceu quatro dias sem tomar sequer um copo d'água.
Quando começaram as negociações para libertá-lo, o sacerdote conta que já tinha a sua morte como certa. "Eu achava que eles iriam me matar, atirar em mim. Quando falei com outro padre por telefone, com o viva-voz ligado, disse a ele: 'É isso, eu não vou mais voltar'. Então, ele disse: 'Fiquem com o padre Douglas. Nós vamos inclui-lo como um de nossos mártires, podem ficar com ele'."
"Naquele dia – continua o padre –, eles ficaram irritados e me levaram para outro quarto. Quando falavam comigo, eles ligavam a TV em um canal muçulmano e aumentavam o volume. Assim, se eu gritasse, nenhum vizinho ouviria a minha voz. Eles também faziam isso para mostrar aos outros quão religiosos eles eram, ouvindo o Corão todos os dias."
"Um deles bateu em meu dente e eu senti que ele sangrava. Ele me disse: 'Não se preocupe. Você tem muitos dentes e nós temos a noite inteira.' Depois disso, eles bateram em minhas costas com o martelo e quebraram a minha coluna."
O pe. Al-Bazi conta que só foi libertado depois que a sua comunidade pagou o resgate aos sequestradores. "Eu, é claro, nunca me esqueço do que aconteceu durante aqueles 9 dias, que é exatamente o mesmo que está acontecendo agora a muito cristãos no Oriente Médio".
O sacerdote iraquiano também relata que, quando estava acorrentado, usava os anéis da corrente para rezar o Santo Terço. "Quando me acorrentaram, eles me prenderam com um cadeado grande. Com os 10 anéis suspensos, eu rezava o meu Rosário: os 10 anéis eram as Ave-Marias e o cadeado era o Pai Nosso."
Durante o dia, os sequestradores se reuniam e procuravam "direção espiritual" com ele. "Eles costumavam pedir a minha opinião como pai espiritual. Um deles perguntava: 'O que eu devo fazer com a minha mulher?' E eu, acorrentado e com venda nos olhos, dizia: 'Vamos lá, seja amável com ela, chame-a de meu bem, meu amor...' À noite, eram essas mesmas pessoas que me batiam."
Ele continuou o seu testemunho com um apelo e um alerta. "Minha Igreja – diz ele – ainda está na Sexta-Feira Santa. Ajude-nos a passar para o Domingo da Ressurreição. (...) Sejam a nossa voz. Falem! E acordem. O câncer está às suas portas! Eles vão destruir vocês! Os cristãos no Oriente Médio e no Iraque são o único grupo que viu o rosto do demônio: o Islã".
No fim, portando uma mensagem de esperança, o padre concluiu fazendo uma bela analogia da perseguição aos cristãos com a Cruz de Cristo. "Jesus disse: Tomem a sua cruz, e nós estamos fazendo isso. Porém, mais importante que carregar a cruz é segui-Lo, e isso significa aceitar, resistir e comprometer-se até o fim. Eu acredito que eles vão nos destruir no Oriente Médio, mas acredito também que a última palavra a sair de nossa boca será: Jesus nos salva. Nunca vamos desistir. (...) Nós pertencemos a Jesus, não à terra. Jesus é a nossa terra, a nossa Terra Prometida. Deixem meu povo chegar à Terra Prometida. Ajam!"
Com informações de Rimini Meeting

Aumenta a aposta no impeachment Com O Antagonista




Estão maiores as possibilidades de Dilma não chegar a 2018 sentada na cadeira de presidente. 

Cientistas políticos consultados pelo O Financista atribuem 50% de chance de interrupção do mandato. 

No mês passado, a média ficou em 47,5%. 

Os dados integram a 3ª edição do Barômetro de Brasília, criado pelo site para acompanhar a pressão política na capital. 

Entre os participantes, estão nomes de peso da área, como os cientistas políticos Antô

HÉLIO BICUDO CHAMA PSDB DE FROUXO - RAFAEL BRASIL



O velho e bom Hélio Bicudo ao ser indagado sobre a conduta conciliatória do PSDB, mais especialmente seu líder FHC, em relação ao ipeachment,  disse que o PSDB era frouxo. Que ademais o impedimento da presidente está perfeitamente dentro das chamadas normas constitucionais, portanto nada de golpe. Antes pelo contrário, o afastamento da presidente seria um bem para o fortalecimento da democracia, óbvio.
Aos 92 anos. Bicudo está mais lúcido do que a grande  maioria dos políticos e da academia brasileira, devidamente aparelhada pelo PT.
 Por falar em aparelhamento ele disse sentir o vergonhoso aparelhamento do estado, mais especialmente do poder judiciário, e suas demais supremas cortes. E deixou transparecer que o impedimento da presidente é apenas uma faceta do processo de aperfeiçoamento democrático. Estamos num processo longo e a democracia nunca foi um projeto feito e acabado, tendo como característica básica o dinamismo das mudanças apontando para o que poderíamos chamar de aprofundamento democrático.
Ao ser indagado sobre o futuro do PT, Bicudo disse que o PT nem existia mais. O que existe é Lula, que comanda com mão de ferro o partido há décadas. Óbvio pela simplicidade. 
E que as riquezas das pessoas sejam devidamente investigadas, sobretudo àquelas que tem cargos públicos. Citou Lula como exemplo de enriquecimento corrupto, e que igual ao PT nunca antes teve casos desta magnitude. Além da corrupção destacou o autoritarismo do PT remanescente do velho marxismo leninismo enraizados, podemos dizer assim, ainda em corações e mentes petistas. Muito bem Hélio Bicudo. Mesmo aos 92 anos temos como um grande exemplo de cidadão brasileiro.
 Um cidadão que age como um verdadeiro cidadão brasileiro ao ser um dos principais signatários de um pedido de impeachment de Dilma neste tempos mais do que difíceis. Que Deus proteja sua imensa sanidade, questionada por alguns petistas reacionários nas redes sociais.

Janot não facilitou a vida de Lula Com O Antagonista



Na sua coluna, Merval Pereira traz esclarecimentos sobre a inclusão de Lula na Lava-Jato, sempre dando crédito ao jurista Cosmo Ferreira, que o assessora em matérias jurídicas.
Em primeiro lugar, Merval Pereira explica que o delegado Josélio Souza não pediu autorização ao STF para ouvir Lula, visto que o ex-presidente não tem foro privilegiado. Apenas requereu ao STF mais 80 dias para continuar as investigações que incluem Lula. Em segundo lugar, o colunista de O Globo afirma que não estaria entre as atribuições de Rodrigo Janot determinar como Lula será ouvido, se na condição de testemunha ou investigado.
Merval Pereira termina o seu artigo da seguinte forma:
"Mesmo que o Procurador-Geral Rodrigo Janot tenha extrapolado suas prerrogativas segundo alguns especialistas, por excesso de zelo ou outras razões, o fato de definir o papel de Lula no inquérito como de testemunha, e não investigado, não facilitará a vida do ex-presidente.
Ele terá que assumir o compromisso de dizer a verdade. Não poderá, por exemplo, ficar em silêncio, um direito do investigado. A mentira, se constatada pela Autoridade Policial, ou pelo Ministério Público, ou pelo Juiz, seja no momento do depoimento ou após, implicará infração prevista no Código Penal."
Como dizer a verdade é uma impossiblidade quase fonética para Lula, ele infringirá o Código Penal.

"O preço do apoio", por Carlos Heitor Cony Folha de São Paulo



Já ultrapassamos a metade do ano de 2015 e parte do segundo mandato de Dona Dilma. Não se precisa de esforço algum para saber como vão as coisas. Basta uma leitura dos jornais, ouvir os noticiários da TV e acompanhar esporadicamente os debates do Senado e da Câmara.

Tirante o noticiário miúdo (crimes, futebol, balas perdidas etc.), predominam os problemas da seara institucional, política e policial, este último por conta da corrupção instaurada sob o patriótico esforço do PT, cujos chefes principais estão na cadeia ou a caminho dela.

Houve época, em quase todos os governos anteriores, que o balanço publicado pelos meios de comunicação era mais ameno e até mesmo positivo: construção de Brasília, abertura de estradas, novas indústrias, como a naval e a automobilística, Plano Real, tranquilidade institucional e otimismo.

Agora, a questão dominante é o impeachment de Dona Dilma, a debacle econômica e financeira, o desemprego nas empresas privadas e a inflação crescente. Não é caso ainda para o desespero, mas a crise agravará não apenas o bolso dos brasileiros, mas a normalidade do país.

Temos a possibilidade do impeachment. As perspectivas são as mais sinistras, venha ou não venha o impedimento da presidente.

Os planos de salvação nacional prometidos pelo governo dependem de aprovação do Congresso, onde há apetites por cargos, missões e negócios que constituem a pedra angular da corrupção. Milhares de políticos estão ansiosos, na boca de espera, aguardando a compensação que pagará o apoio que Dona Dilma precisa e espera.

Inclusive, à formidável pizza que está sendo preparada para impedir que o Poder Judiciário e a Polícia Federal continuem as investigações que podem chegar a Lula e a outros sobas do PT.

"Cabeça dinossauro", por Arnaldo Jabor O Globo


NO BRASIL, A PALAVRA 'ESQUERDA' CONTINUA O ÓPIO DOS INTELECTUAIS


Gosto muito do dito latino: “Credo quia absurdum”, ou seja, “creio, mesmo que seja um absurdo”. É a raiz de toda fé, seja em Deus, em uma superstição ou numa ideologia.
Por isso, me pergunto: se os católicos explicam de algum modo sua fé na Santíssima Trindade; se os muçulmanos nos falam que “Só Alá é grande” e detalham no Corão as regras de sua religião; se os evangélicos ensinam seu catecismo, por que tantos intelectuais e artistas brasileiros não nos explicam por que apoiam o Maduro, por que fazem manifestos de apoio à Coreia do Norte, como fez o PCdoB? 

Como podem ignorar os escândalos evidentes de uma quadrilha de corrupção que está levando o país à bancarrota? Ninguém fala nada? Por que se negam a detalhar os caminhos dessa “religião” que professam? Será que não viram a queda do muro de Berlim, o fim vergonhoso do socialismo real? Será que a mistura de leninismo com bolivarianismo que apoiam tem alguma lógica inquestionável que ignoramos? Haverá alguma equação que decifre o emaranhado de suas mentes, algo assim como “penso assim, por isso e por isso, logo...”?

Não; não dizem nada — só apoiam e creem. Será que nos deixam babando de curiosidade porque não querem dar luz aos cegos da “pequena burguesia”? Por isso tento entender seu labirinto de ilações, de deduções, de reviravoltas com que constroem o “Caminho de Santiago” que teimam em percorrer. Em primeiro lugar, eu acho que renegar as evidências é uma maneira de se sentirem portadores de uma verdade inatingível pelos homens comuns. Nos olham com o desprezo de homens superiores.

Para eles é impossível aceitar que o mundo não se molda apenas pelos desejos humanos, mas pela marcha das coisas. Se acham os sujeitos certos de uma História errada. Consideram as provas cabais da roubalheira como armações da “direita” ou apenas as “contradições negativas”, superáveis, passageiras, de um processo histórico que tende para o “bem” de todos. Eles se acham parte de um seleto grupo de apóstolos que resistem às sedições do mercado e do capitalismo — as fontes do “eterno mal”. Nossa alma ibérica rançosa, nosso mal endógeno de patrimonialistas perniciosos são considerados coisas menores.

Para eles, toda a culpa de nosso atraso foi só do “imperialismo norte-americano”, a contradição principal. Eles rejeitam a circularidade da vida, o mistério dos desejos, as mutações da sociedade. Eles acham que a sociedade é um bando de imbecis que têm de ser protegidos contra sua ingenuidade. Por isso, precisam de um guia, seja o antigo Prestes ou hoje o Lula. Temos de ser controlados pelo Estado que tudo vê, como uma divindade ante a qual devemos nos ajoelhar. E não veem que é justamente o contrário — que aqui a sociedade é que mantém vivo um Estado falido.

Eles acham que mudar de ideia é falta de caráter e que macho mesmo não muda. Eles acham que quem quiser alguma positividade é traidor. Por isso, quero entender qual é o caminho que as suas ideias percorrem antes de irromper de suas bocas e de seus sorrisos de mofa, do alto de sua superioridade.

Bem... sua fé ideológica pode nascer por antigas humilhações a serem vingadas por um voluntarismo neurótico que prove sua grandeza imaginária. São em geral fracassados e professam essas ideias para ocultar seu fracasso absoluto. A certeza férrea que os habita pretende evitar dúvidas sobre sua ignorância arrogante, sem “vacilações pequeno burguesas”, como eles chamam. A ideologia os conforta. Como sentenciou um dia Nelson Rodrigues: “Só os canalhas precisam de uma ideologia que os absolva e justifique”.

Eles se sentem dentro da linha justa. Os islamitas sonham com o paraíso das 11 mil virgens, eles sonham com um futuro de harmonia, onde todos terão tudo, cada um “dentro de sua necessidade e de sua capacidade”. Como eles não têm poder real (vejam a miséria do PT) inventam um poder paralelo que eles professam. É um “‘sendero luminoso”, é um país imaginário onde habitam, uma ilha da utopia que anda escangalhada mas que um dia (quando?) vai prevalecer. Me fascinam também as contorções acrobáticas que leninistas decepcionados praticam para revitalizar suas crenças. É a turma do “mesmo assim”. 

Mesmo com essa cagada nacional, preferem se agarrar em palavras de ordem antigas do que reconhecer um fracasso óbvio. Os renitentes intelectuais orgânicos dirão: “O PT está desmoralizado, mas mesmo assim ainda é um mal menor que o inimigo principal: os neoliberais. Sabemos que está tudo uma merda, mas da merda nasce a luz”.

No Brasil, a palavra “esquerda” continua o ópio dos intelectuais. Pressupõe uma “substância” que ninguém mais sabe qual é, mas que “fortalece”, enobrece qualquer discurso. O termo é esquivo, encobre erros pavorosos e até justifica massacres. E eles se sentem “vítimas” da nossa desconfiança de estúpidos que ainda não viram a “verdade”. Eles não querem entender que a miséria do país é uma consequência e não a causa. Eles amam a miséria, a Academia cultiva a “desigualdade” como uma flor. A miséria tem de ser mantida “in vitro” para justificar teorias velhas e absolver incompetência. Para eles, o socialismo é um dogma. Diante dele, abole-se o sentido crítico. É como duvidar da virgindade de Nossa Senhora.

Como podem achar que este pobre povo de miseráveis e analfabetos vai se erguer contra o “neoliberalismo”? Só a loucura explica isso. Antes achavam que a luta de classe era o motor da História. Para eles hoje o motor da História está em uma espécie de “miséria revolucionária”. Não é possível que homens inteligentes não vejam este óbvio uivante, ululante.

Não esqueçamos que a burrice é uma categoria fundamental para entendermos suas cabeças.

O que mais me grila é que não parece se tratar de um período histórico regressivo. Será que é uma crise passageira que, uma vez terminada, o país volte ao “normal’”? Não. É um salto para outra anormalidade sem fim; é uma mudança de estado. Temo que não seja uma doença que passa; talvez seja uma anomalia incurável.

ASSISTAM ENTREVISTA COM HÉLIO BICUDO NO PROGRAMA RODA VIVA


Hélio Bicudo revela ao Roda Viva quem foi Lula ontem e quem é Lula hoje Aqui - veja vídeo da entrevista

Hélio Bicudo revela ao Roda Viva quem foi Lula ontem e quem é Lula hoje

Aqui

Merval Pereira- Disputa de espaço


O Globo

A disputa entre a Polícia Federal e o Ministério Público pelas investigações da Operação Lava- Jato voltou à tona com o episódio da inclusão do ex- presidente Lula na lista dos que devem ser ouvidos no inquérito instaurado no Supremo Tribunal Federal, iniciado naquela Corte em razão de sua competência originária.

Noticiado inicialmente como tendo partido do delegado Josélio Souza o pedido de autorização feito ao STF para que Lula e outros fossem ouvidos, o que estranhei em coluna do último domingo por nenhum dos citados ter fórum privilegiado, na verdade fontes da Polícia Federal esclarecem que o que houve foi um pedido de prorrogação do prazo da investigação por 80 dias.

Esse inquérito é presidido por um ministro do STF, o ministro Teori Zavascki, e segue as regras específicas do Regimento Interno do Supremo. Segundo a explicação oficial, a Polícia Federal atua nesses casos como “longa manus” do ministro- presidente do inquérito, realizando as diligências investigativas.

Mesmo que fosse o caso, e há discordâncias sobre essa função da Polícia Federal, não há nada que indique que o procurador- geral da República tenha autoridade para definir o status em que Lula será ouvido, segundo Rodrigo Janot como “testemunha” e não como “investigado”.

A competência do STF está firmada nos artigos 101 a 103 – A, da Constituição Federal, e entre esses dispositivos não há um sequer que o autorize a investigar crimes. Qual a razão? Resguardar a imparcialidade do julgador. Se ele investiga, não terá isenção para julgar.

O ministro que preside o inquérito deveria funcionar como juiz das garantias, cabendo a ele tão somente decidir sobre matérias como reserva da jurisdição, ou que toquem nos direitos fundamentais, tais como prisão preventiva e temporária, quebra de sigilo bancário e fiscal, sequestro de bens, etc.

Nessa interpretação do papel da Polícia Federal nos inquéritos sob a presidência do Supremo, diferentemente do que ocorre em um inquérito policial, no qual o delegado de polícia possui ampla discricionariedade para realizar as diligências que entende necessárias, sem rito ou ordem cronológica previamente estabelecidas, esta discricionariedade é muito mitigada, já que a priori a investigação não é sua, mas ele colabora com as diligências e quem preside o feito é um ministro da Corte.

Como se trata de um inquérito do STF, presidido por um ministro, o regimento interno estipula, no seu artigo 230- C: “Instaurado o inquérito, a autoridade policial deverá em sessenta dias reunir os elementos necessários à conclusão das investigações, efetuando as inquirições e realizando as demais diligências necessárias à elucidação dos fatos, apresentando, ao final, peça informativa. §1 º O relator poderá deferir a prorrogação do prazo sob requerimento fundamentado da autoridade policial ou do procuradorgeral da República, que deverão indicar as diligências que faltam ser concluídas”.

O delegado de Polícia Federal Josélio Souza apresentou justamente o seu requerimento de prorrogação de prazo e, por força dessa norma, ficou obrigado a indicar as diligências faltantes — dentre elas, as audiências a serem marcadas com Lula e outros.

Esta norma não fala nada com relação à obrigatoriedade de opinião do procurador- geral da República sobre essas diligências complementares necessárias, indicadas pela autoridade policial. Nesses casos decorrentes da Lava- Jato, porém, tem sido interpretado que o PGR deve se manifestar sobre as diligências indicadas pelo delegado de Polícia Federal, e já houve conflitos anteriores entre as duas áreas.

Mesmo que o procurador- geral Rodrigo Janot tenha extrapolado suas prerrogativas — segundo alguns especialistas por excesso de zelo ou outras razões —, o fato de definir o papel de Lula no inquérito como de testemunha, e não investigado, não facilitará a vida do ex- presidente.

Ele terá que assumir o compromisso de dizer a verdade. Não poderá, por exemplo, ficar em silêncio, um direito do investigado. A mentira, se constatada pela autoridade policial, ou pelo Ministério Público, ou pelo juiz, seja no momento do depoimento ou após, implicará infração prevista no Código Penal.

* Esta coluna, assim como a de domingo, contou com a assessoria jurídica de Cosmo Ferreira, advogado criminal, ex- promotor de Justiça do Rio e procurador regional da República.

Hélio Schwartsman - As fatias e a pizza


- Folha de S. Paulo

A decisão do STF de, vá lá, fatiar a operação Lava Jato me parece mais uma oportunidade do que um convite à pizza. É claro que a dispersão das investigações envolve riscos e quase certamente resultará em alguma perda de eficiência, mas não podemos perder de vista o "big picture", isto é, o quadro geral.

O único aspecto positivo da crise é que as instituições, em especial as engrenagens da Justiça, estão se mostrando à altura da tarefa. Caso me perguntassem, na virada do milênio, se eu achava que um dia veria ex-ministros e dirigentes do partido no poder sendo condenados por corrupção, minha resposta seria negativa. Também apostaria que jamais assistiria a grandes empreiteiros sendo presos. Teria perdido dinheiro.

Contar com uma Justiça que não se dobra em demasia ao poder político e econômico de suspeitos e réus é um dos traços que distingue países desenvolvidos de Estados mais bananeiros. É importante, porém, que os eventos como os que eu acabei de descrever sejam fruto de uma cultura institucional disseminada e não apenas de uma conjunção mais ou menos fortuita de policiais, promotores e magistrados acima da média.

É nesse contexto que o fatiamento pode revelar-se uma oportunidade. Operadores do direito que receberem agora algum braço da Lava Jato não terão muito como escapar a uma comparação com o juiz Sergio Moro e os procuradores de Curitiba. Imagino que farão tudo para não aparecer na foto como procrastinadores ou mesmo pizzaiolos. Se isso de fato ocorrer, uma pequena e benfazeja revolução cultural terá se espalhado pelo normalmente fossilizado Judiciário brasileiro.

Uma vez que os prejuízos à operação, embora potencialmente graves, não são incontornáveis, penso que vale a pena tentar. A medida, de resto, ajuda a afastar a narrativa paranoica segundo a qual tudo não passa de uma perseguição das elites contra o governo amigo dos pobres.

Vinicius Torres Freire - O pior ainda piora: inflação


• É remota a chance de IPCA perto da meta em 2016, mais uma frente ruim de incerteza

- Folha de S. Paulo

A pretensão de chegar à inflação de 4,5% em 2016 foi praticamente para as cucuias, como quase tudo mais na economia. Não bastassem todas as incertezas, caos, na verdade, abriu-se de vez outra frente de desarranjos sérios.

Em termos simples, a conversa na nova trincheira de desastres diz respeito ao que vai piorar mais: juros, dólar ou inflação? A pergunta é se o Banco Central vai: a) Elevar a taxa de juros (o que aprofunda ou prolonga a recessão e, agora, pode não fazer efeito); b) Intervir no câmbio (segurar o preço ora inflacionário do dólar: improvável); c) Jogar a toalha, esperar que pelo menos meia boca do pacote fiscal meia boca passe (improvável, diz o PMDB) e que seja o que Deus quiser.

Há duas opções restantes, claro. Primeira, o espírito de todos os santos baixa no governo, que apresenta milagrosamente um plano amplo e crível de arrumação de suas contas e de renúncia a bobagens econômicas de outra espécie, tirando o gás de dólar, juros etc. Segunda, credores incrédulos ligam o botão do colapso, com a disparada fatal de câmbio e juros.

Levar a inflação à meta de 4,5% no fim de 2016 sem elevar a taxa básica de juros além do nível atual, 14,25%, era o plano do BC até ao menos a quinta-feira passada, passado remoto, nas novas condições brasileiras.

Na semana passada, o próprio Banco Central previa inflação de 5,3% em 2016, mantida a taxa de juros atual, dólar ali por R$ 3,90 no final do ano etc. Ontem, os economistas que mais costumam acertar previsões, de acordo com o BC, estimavam inflação de 6,4% para 2016.

Previsões costumam estar erradas; não são destino. Mas é o que se tem à mão a fim de calibrar a taxa de juros a fim de evitar alta extra da inflação.

Pode ser que a recessão de 2015-16 seja grande o bastante para evitar altas adicionais de preços. Quer dizer, em termos "pop", só vai ser bom se for ruim.

Só que não.

A expectativas de inflação em alta, como agora, tendem a elevar a inflação. De resto, ainda não há perspectiva de contenção do preço ora inflacionário do dólar.

A economia indexada deve carregar pelo menos parte da inflação de agora para o ano que vem. Isto é, por meio de regras formais ou não, reajustar 2016 pelas altas de 2015. Por exemplo, haverá em 2016 um reajuste de 10% no salário mínimo, aliás letal para prefeituras. Mesmo que não esteja em contrato, as pessoas passam a fazer contas reajustando tudo por "10%".

Pode haver ainda reajustes de preços controlados pelo governo. Não está certo se a conta de luz já pagou todos os efeitos da seca e dos erros de Dilma Rousseff: pode haver mais reajustes extras. Dado o risco de desastre na Petrobras e a falta de dinheiro do governo para socorrê-la, não é absurdo imaginar que virão reajustes de combustíveis.

Note-se que o aumento das estimativas de inflação para 2016 não se deveu à previsão de inflação maior nos preços administrados. O pior pode piorar.

Em um governo crível, seria possível ter uma meta "extraordinária", intermediária, de inflação para 2016, com um plano estrito de redução da meta nos anos seguintes, o que permitiria segurar os juros sem rolo maior. Um governo crível teria plano fiscal para os próximos anos.

Não é o que temos.

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

CPMF – Ah, que bonitinho! O PT queria a oposição rachando com Dilma a impopularidade? Ou: O que ela disse e o que ela faz - POR REINALDO AZVEDO


É certo que a população está indignada com a roubalheira, e a cada novo episódio a revelar a desfaçatez com que essa gente governa o Brasil e a sem-cerimônia com que meteu a mão no dinheiro público, a revolta cresce. Mas não é menos verdade que, fosse outra a situação econômica, talvez Dilma vivesse dias melhores. Já escrevi aqui e reitero: em 2005, o mensalão também abalou bastante a reputação de Lula. Mas a economia se encarregou de minimizar os estragos e se sabia que viria pela frente uma jornada positiva. E agora? Bem, agora a situação é radicalmente distinta.
Indignação e crise econômica não compõem uma boa mistura para nenhum governante. Mas é claro que a brutal impopularidade de Dilma decorre do estelionato eleitoral, visível como nunca antes na história e coisa e tal. Notem: em 2003, Lula também jogou fora boa parte das bobagens que disse em campanha. Só que a situação era diferente.
Lula estreou no poder se desmentindo, mas aquilo foi bom para o país. Ainda bem que os petistas jogaram no lixo suas ideias esdrúxulas, que começaram a ser aplicadas para valer só no segundo mandato de Lula e levadas ao extremo no primeiro de Dilma. O estelionato do Babalorixá de Banânia, à sua maneira, pacificava o país; o de Dilma inflama as ruas.
Nesta segunda, vai ao ar o programa do PSDB no horário político. E, mais uma vez, o partido vai confrontar Dilma com Dilma: mais uma vez, se vai pegar o que Dilma fez para confrontar com o que Dilma fala. E, meus caros, fazer o quê? Já presidente, ela se disse, sim, contrária à recriação da CPMF e, numa entrevista à jornalista Patrícia Poeta, em 2011, no “Jornal Nacional”, não teve dúvida: chamou o imposto de “engodo”.
Taí. Ela se disse contra a CPMF em 2011. Ainda assim, quando se referiu à dita-cuja, falou sobre a necessidade de arrumar fontes de financiamento para a Saúde. O governo quer, no entanto, criar uma taxação atrelada à Previdência.
O tema apareceu, sim, no debate eleitoral de 2014. Dilma avançou sobre Marina Silva, que não soube se defender, acusando-a de ter votado contra a CPMF, mas de se dizer a favor. A líder da Rede se atrapalha um tanto. Vejam.
Peixes e petistas morrem pela boca, não?
É do balacobaco ter de ouvir Dilma dizer que “governar o Brasil requer firmeza, coragem, posições claras e atitude firme”. Aquela que mandou para o Congresso um Orçamento com rombo de R$ 30,5 bilhões para dizer, uma semana depois que havia mudado de ideia, ainda ousou: “Não dá para improvisar”. É bem verdade que ela soltou tudo isso, de forma encadeada, porque estava lendo um papel.
Há quem fique bravo com o PSDB por levar ao ar cobranças assim. Que coisa, né? Vai ver os tucanos, depois de perder a eleição para Dilma, que faz o exato oposto do que prometeu, deveriam agora apoiar a presidente e dizer no máximo: “Viram? Nós falamos que ela estava contando mentiras…”
Não! A presidente tem de responder por suas palavras e por seus atos. Se, no espaço institucional, não for a oposição a cobrar isso dela, será quem? Afinal, as ruas já estão cobrando! Ou alguém sugere que os oposicionistas rachem com Dilma o ônus de governar e a impopularidade?
Deveria haver um limite para a vigarice intelectual e política. Mas, infelizmente, não há.

"Precisamos falar sobre capitalismo", por Gustavo Franco O Globo


HIERARQUIAS E PRIVILÉGIOS PARECEM MAIS NATURAIS NO BRASIL QUE A IGUALDADE DIANTE DA LEI E A IMPESSOALIDADE



No Brasil, pouca gente sabe definir o que é, mas muitos odeiam o capitalismo.

O Instituto Millenium (ONG dedicada a promover os valores da liberdade, democracia e economia de mercado), um dia desses, colocou uma pessoa na Cinelândia, Centro do Rio de Janeiro, perguntando aos transeuntes o que pensavam sobre o assunto. Três de cada quatro entrevistados ficaram nervosos com a pergunta, recuavam temerosos do microfone, ou resmungavam desconfortos variados como “aqui no Brasil não tem isso não”, “sei não senhora” e que tais.

O restante das respostas, inclusive de uma professora do ensino médio, refletiu o que se esperaria obter de uma região outrora conhecida como a “Brizolândia”.

Em um belo livro recentemente lançado (“Capitalismo: modo de usar”), Fábio Giambiagi concentra esta mesma mensagem na sua epígrafe, uma fala de Fernando Henrique Cardoso dirigida a Arminio Fraga antes de sua sabatina no Senado como parte de sua nomeação para a presidência do Banco Central. Sem pretender precedência, registro apenas que ouvi este conselho igualzinho nas duas ocasiões em que fui sabatinado. Eis a sabedoria: “o Brasil não gosta do sistema capitalista. Os congressistas não gostam do capitalismo, os jornalistas não gostam do capitalismo, os universitários não gostam do capitalismo”

Como explicar essa estranha hostilidade ao sistema econômico que prevalece em todo o planeta, excetuadas algumas comunidades primitivas isoladas no Caribe e na Ásia, e cujo indiscutível e extraordinário sucesso aniquilou qualquer concorrência?

Afinal, o capitalismo é o sistema econômico baseado na propriedade privada, na liberdade de empreender, na letra da lei, e na centralidade do mercado para estabelecer os preços. Que há de tão errado com isso?

O fato é que são reveladoras as respostas ouvidas na Brizolândia.

Em primeiro lugar, destaque-se a apatia, muito provavelmente incentivada por valores nossos, mal cultivados. Hierarquias e privilégios parecem mais naturais no Brasil que a igualdade diante da lei e a impessoalidade. Valores “maiores” parecem prevalecer sobre os da contabilidade ou da sustentabilidade: os balanços fecham no Palácio, os patrimônios “não têm preço”, prejuízos “não importam”, e a criatividade permeia partidas dobradas. E por fim, o mercado, a meritocracia e a competição, são coisas para nossos inimigos, pois é o que se passa na “rua” e não na “casa”, como ensina Roberto DaMatta.

Em segundo lugar, trata-se do sucesso do capitalismo como se houvesse dúvida sobre isso. O próprio Marx, em seu famoso manifesto, em 1848, as eliminou ao afirmar que “a burguesia, em seu reinado de apenas um século, gerou um poder de produção mais massivo e colossal do que todas as gerações anteriores reunidas”. O erro estava em prever o colapso do sistema, ou exagerar nos efeitos colaterais.

Sobre desigualdade, é preciso cuidado com um sofisma muito comum. O progresso material não é igual em diferentes regiões do planeta, ou mesmo dentro de um país. Muitas regiões do continente africano vivem hoje do mesmo jeito que viviam há 500 anos, e nessa ocasião os nativos da região hoje conhecida como a Califórnia estavam nesta mesma faixa de renda. Em nossos dias, diante da brutal diferença de bem-estar entre essas regiões pode-se distinguir ao menos dois tipos de reações: de um lado, os que se encantam com o desenvolvimento californiano e procuram emular seus valores, e, de outro, os que afirmam que esses 500 anos de capitalismo aprofundaram a desigualdade (fato estatístico indiscutível, eis que uma das regiões simplesmente ficou estacionada) ou que, um tanto mais canhestramente, os californianos ficaram ricos explorando os africanos, ou os mexicanos. Ou seja, o vilão é quem deu certo, e o sucesso é sempre pecaminoso, segundo a Brizolândia.

O fato é que, contrariamente aos países onde as virtudes burguesas — empreendedorismo, parcimônia, iniciativa e integridade — são louvadas, nosso capitalismo meio patrimonialista sempre foi visto como um jogo de cartas marcadas, onde os valores a cultivar eram outros: conexões com o governo, imprevidência, reservas de mercado e malandragem.

Um “capitalismo pela metade” pode produzir um sucesso pela metade (ou um “meio fracasso”, um país eternamente do futuro), com distorções imensas, como ocorreu no Brasil dos anos 1980, e mesmo um retrocesso, como na Argentina. As nações podem simplesmente fracassar.

Em um famoso discurso no Senado em junho de 1989, o senador Mário Covas, um homem de centro-esquerda e inatacáveis credenciais nacionalistas, proclamou que o Brasil precisava de um “choque de capitalismo”. Era um desabafo a propósito da democracia que ele tanto lutara para reconstruir, e que vivia, naquele mês, uma inflação de 28,6%. A democracia não deveria levar o país à insensatez econômica. Covas disputava a presidência, e no primeiro turno obteve apenas 11,5% dos votos, ficando em quarto lugar. Em dezembro, quando ocorreu o segundo turno, a inflação rompeu oficialmente a barreira da hiperinflação: 51,5% naquele mês.

Covas estava correto em que havia algo de muito errado nesse nosso “anticapitalismo” patológico e fora de época, mas o paciente não estava convencido do tratamento. Ainda era forte a demanda por mágica.

Diversos choques se seguiram, mas o de capitalismo só avançou mesmo com o “não choque” representado pelo Plano Real e suas reformas: privatização, responsabilidade fiscal, abertura e as outras que, em seu conjunto, trouxeram a inflação brasileira para níveis de primeiro mundo. Quem poderia imaginar que o sucesso do Plano Real seria o resultado de reformas com o intuito declarado de fazer do Brasil uma economia de mercado por inteiro?

Não obstante, as reformas enfrentaram enorme resistência, esta é a maldição da Brizolândia: uma minoria de perdedores do processo de modernização é sempre capaz de bloquear o que é novo, pois a maioria beneficiada permanece mergulhada na apatia. Os ganhos são dispersos, e os custos concentrados em minorias despojadas de seus privilégios, o velho problema das reformas, e a razão pela qual elas são implementadas por estadistas e não por “gerentonas” ou líderes populistas.

É caprichosa a História, que organiza uma volta ao passado pela ascensão de um líder operário, a quem coube interromper o avanço do capitalismo no Brasil antes que começasse a modernizar demais as coisas. O Brasil mergulha num conservadorismo metido a progressista, cuidadoso e inercial no início, mas que adquire uma feição mais concreta já mais perto de 2008, quando entramos para valer num capitalismo companheiro, ou de quadrilhas e boquinhas.

Não é a inflação que explode, mas a corrupção, uma outra expressão para o fracasso desse capitalismo “pela metade” sobre o qual não vale a pena gastar nem dois tostões de sociologia. Que o digam Joaquim Barbosa e Sergio Moro. Bobos fomos nós em levar a sério a “nova matriz” e outras ridículas vestimentas heterodoxas de que se serviu o cronismo caudilhesco que aqui se implantou. Não era keynesianismo, nem estruturalismo, mas apenas desonestidade, inclusive intelectual

ATENÇÃO!!! O jurista Hélio Bicudo estará no centro do Roda Viva desta segunda. 22h na TV Cultura Com Blog do Augusto Nunes - Veja





O jurista Hélio Bicudo estará no centro do Roda Viva desta noite, ao lado da advogada Janaína Paschoal.

A bancada de entrevistadores será composta por Diego Escosteguy (editor-chefe da revistaÉpoca), Bela Megale (repórter de Política da Folha), José Alberto Bombig (editor de Política do Estadão), Flávio Freire (coordenador de Nacional e Política da sucursal do Globo em São Paulo) e Laura Diniz, do site Jota.Info.
O programa, com ilustrações em tempo real do cartunista Paulo Caruso, começará às 22 horas, com transmissão ao vivo da TV Cultura. Entre outros temas, será debatido o pedido de impeachment apresentado ao Congresso por Bicudo e Janaína.


Helio Bicudo