segunda-feira, 23 de março de 2015

Dilma não é Collor - RICARDO NOBLAT

Dilma não é Collor - RICARDO NOBLAT

O GLOBO - 23/03

"Eu me surpreendi em 2005, na denúncia do mensalão. Agora, não temos mais o direito de estar surpresos." Marina Silva

Imagine que a presidente Dilma Rousseff tivesse uma irmã, responsável por estrepitosa entrevista concedida à "Veja", acusando Dilma de roubar e de deixar que seu tesoureiro de campanha roubasse. E que a presidente respondesse dizendo que ela era doente mental. E que um exame feito na irmã comprovasse que não, que ela era sã. Você acha que Dilma seria impedida de governar, acabando deposta pelo Congresso? 


NÃO. ISSO NÃO bastaria para que fosse bem sucedido um pedido de impeachment de Dilma. Pelo menos a se levar em conta o que ocorreu com Fernando Collor em 1992 - o primeiro e até aqui único presidente da República brasileiro derrubado pelo Congresso. Pedro Collor, irmão dele, disse que Collor roubava em sociedade com o empresário PC Farias, tesoureiro de sua campanha. Foi aberta então uma CPI no Congresso.

QUANDO ESTAVA próxima de ser encerrada, a CPI ainda não dispunha do chamado "batom na cueca" para recomendar a saída de Collor. Sim, àquela altura o país já se escandalizara com a beleza indecente da fonte luminosa dos nababescos jardins da Casa da Dinda, habitada por Collor e sua família. A casa fora reformada com dinheiro do esquema de PC Farias, que movimentara algo como R$ 8 milhões.

TAMBÉM ÀQUELA altura causara espanto a confissão do motorista Eriberto França, portador de contas pessoais de Collor, todas pagas por empresas de fachada de PC. Para completar, Collor pedira às pessoas que fossem às ruas vestidas de verde e amarelo para mostrar que apoiavam o governo. Milhares de pessoas foram às ruas vestidas de preto, pedindo a cabeça do presidente.

AINDA ASSIM não era suficiente, relembram, hoje, ex-integrantes da CPI. De fato, Collor só começou a cair quando apareceu o comprovante da compra de um Fiat Elba posto à disposição dele na Casa da Dinda. Descobriu-se que o Fiat havia sido comprado por PC. Estabeleceu-se em definitivo, e acima de qualquer dúvida razoável, a ligação entre Collor e sobras de dinheiro sujo de campanha.

COLLOR FOI UM aventureiro que se elegeu presidente quando a maioria dos brasileiros perdera a esperança nos líderes tradicionais. Venceu sozinho, dividindo com Lula os votos dos mais pobres. A Constituição não fala em impeachment - mas em crime de responsabilidade. Lista oito tipos deles - nenhum cometido por Dilma. Os oito se desdobram em 65. Dilma não se enquadra em nenhum. Por ora.

COLLOR NÃO TINHA partido - Dilma tem. Os chamados movimentos sociais se opuseram a Collor. A serviço do PT desde a chegada de Lula ao poder, e bem pagos por isso, os movimentos sociais estão com Dilma. O Congresso abandonou Collor, sentindo-se pressionado pelo povo. Nunca um presidente teve uma aprovação tão baixa quanto tem Dilma neste momento. Mas isso não serve para apeá-la do cargo. A do Congresso é menor.

O REGIME BRASILEIRO é presidencialista. Se fosse parlamentarista, o governo poderia ser trocado ao perder a confiança popular e a dos partidos. O descrédito de Dilma é gigantesco. Mas os partidos que fazem parte do governo não pensam em sair. Querem entrar mais. No caso de Collor, os partidos lhe deram as costas. Nem dinheiro em espécie deteve a enxurrada de votos em favor da sua deposição.

COBRAR NAS RUAS a saída de Dilma não é crime. Nem configura golpe, como diz o PT. Apenas não a derrubará necessariamente. Melhor infernizar a vida de Dilma, fazendo-a pagar caro pelos erros que cometeu - entre eles o de mentir para se reeleger.

Nenhum comentário:

Postar um comentário