domingo, 28 de dezembro de 2014

"NO POÇO FUNDO" - Míriam Leitão e Marcelo Loureiro -



A crise da Petrobras parece um poço que cada vez que se olha está mais fundo. O buraco aumentou com a notícia de que a empresa teria quitado dívidas com fornecedores da Queiroz Galvão. A Petrobras não pode salvar a si mesma e a toda a cadeia produtiva da indústria de óleo e gás, as empreiteiras e os estaleiros. Algumas empresas já tinham dificuldades anteriores.
É absurdo que a estatal pague dívidas de uma empreiteira sob investigação e com dirigentes presos. Se isso for confirmado, e se tornar regra, esta crise vira mesmo um poço sem fundo. Haverá abalos na indústria porque a Petrobras terá que reduzir investimentos na nova conjuntura das dificuldades de captações. No setor de óleo e gás há empresas em dificuldades pelos tremores provocados pelo fim dos delírios de Eike Batista. Alguns estaleiros estavam com problemas antes de a crise estourar. Muitas empreiteiras são caixas pretas e têm relações controversas com seus fornecedores. Imagina a Petrobras bancar tudo isso!
Ela pode acabar convalidando crimes e negociatas, como também aumentar sua própria fragilidade se assumir dívidas alheias, como se já não tivesse as suas. A Moody’s disse que poderá rebaixar a nota de risco da empresa; a Standard & Poor’s avisou que vê a perspectiva da companhia com pessimismo, apesar de ter mantido a nota no pressuposto de que a estatal será resgatada, em caso extremo, pelo seu acionista controlador, o Tesouro da União.
Como pode uma companhia que está reduzindo drasticamente as projeções de investimentos pagar a conta de outras empresas? E por que devem ser socorridas empreiteiras que podem enfrentar os tribunais por corrupção (o que, pela nova legislação dá até pena de extinção das firmas)? O mais difícil é o que será feito para garantir os salários de empregados das fornecedoras da Petrobras. Eles querem receber da estatal.
Para não se agravar ainda mais a situação é preciso que haja transparência e critério. Não se pode resgatar todas as companhias que disserem que estão com problemas por causa das reduções dos investimentos da Petrobras. E muito menos a estatal pode jogar sobre si o custo desse salvamento de empresas.
Há outros pontos de aprofundamento da crise. Um deles é a abertura de vários processos contra a Petrobras nos Estados Unidos. Ainda que lá seja a pátria das ações judiciais, não se pode subestimar o poder dos tribunais americanos. Outro problema que terá que ser resolvido o mais rapidamente possível é o do balanço auditado. Se não houver balanço até o fim do próximo mês, a Petrobras pode sofrer uma onda de cobranças imediatas de dívidas que venceriam a longo prazo.
A reação às denúncias da ex-gerente Venina Velosa está sendo muito ruim. Não é Venina que está em questão. Desqualificar o acusador é técnica antiga, mas ineficiente neste caso. O que precisa de resposta é o que ela está acusando. Se as denúncias dela não foram dirigidas às pessoas a quem ela enviou e-mails longos é preciso provar isso. Dizer que as denúncias não foram entendidas, ou que os documentos que ela agora exibe nunca foram lidos só passa mais a impressão de descontrole da companhia.
Será uma longa crise, esta que foi detonada a partir do que está sendo descoberto pela Operação Lava-Jato. O melhor que a Petrobras tem a fazer é se preparar para todos os cenários, inclusive os que hoje parecem impossíveis, porque a atual situação, se tivesse sido descrita há um ano, pareceria loucura.
A companhia precisa manter dinheiro em caixa, saber o que fazer na evolução desfavorável de cada ação, preparar-se para a eventualidade de ter que quitar dívidas antecipadamente, e não assumir a operação de resgate de empresas que dizem estar sendo atingidas pela crise da Petrobras. Ela não é a nave-mãe, é apenas a maior empresa da indústria de óleo e gás no Brasil e está envolvida na solução de seus próprios problemas.

Até agora nada de convincente foi feito pelo governo ou pela companhia para tranquilizar os investidores e é por isso que eles continuam vendendo as ações mesmo após tanta desvalorização. Preferem se livrar de um papel que está em queda livre. Haverá o momento do retorno, da recuperação, mas agora a empresa está descendo o poço e o fundo ainda não é visível

Um comentário:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir