quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Graça Foster tem de pedir demissão ou de ser demitida - POR REINALDO AZEVEDO


Graça Foster tem de pedir demissão ou de ser demitida

O Tribunal de Contas da União adiou por mais uma semana o exame do caso de Graça Foster. Ela pertencia à diretoria da Petrobras quando se realizou a compra da refinaria de Pasadena, e, como é evidente, não existe nenhuma razão para outros diretores da empresa, à época, estarem com seus bens indisponíveis, e ela não. O governo opera freneticamente nos bastidores para evitar que essa decisão seja tomada.
A situação dela piorou bastante. Reportagem publicada pelo Globo (ver post anterior) mostra que tanto Graça como Nestor Cerveró — o então diretor apontado pela própria Dilma Rousseff como o principal responsável pela operação desastrosa — transferiram bens pessoais para familiares em meio ao imbróglio de Pasadena. Qualquer advogado apenas mediano sabia que a apuração do caso poderia resultar em bloqueio de bens, fosse em razão do processo do TCU, fosse em razão de uma ação por improbidade administrativa.
Vou aqui emitir uma opinião que não é nova sobre um assunto que é ainda mais velho. É evidente que Graça Foster perdeu a condição de presidir a maior empresa do país, mormente porque de economia mista, embora seu controle esteja com o Estado brasileiro.
Ficou evidente, isto é inquestionável, que Graça fez parte da turma que se organizou para fraudar a legitimidade da CPI da Petrobras no Senado. Sim, a comissão era governista até o osso, mas isso não justifica a conspirata que frauda a própria democracia. A reunião que veio a público, como se sabe, foi realizada na antessala da presidente da Petrobras.
Atenção! Um inquérito da Polícia Federal investiga se Graça prestou informações falsas ao Senado sobre a compra de Pasadena e sobre contratos que a empresa de seu marido mantém com a Petrobras. Um novo inquérito deve ser aberto para apurar a ação organizada para fraudar a CPI. E ela será uma das investigadas.
Resta a pergunta óbvia: alguém nessa situação pode presidir a maior empresa do país? A resposta é “não”. Só o episódio da CPI deveria bastar. Ainda que Graça seja honestíssima no que concerne a enfiar ou não a mão no dinheiro público, resta a máxima: a mulher de César tem de ser honesta e tem de parecer honesta.
Por Reinaldo Azevedo

Nenhum comentário:

Postar um comentário