sábado, 29 de junho de 2013

REVISTA VEJA: 'OBJETIVO DO PLEBISCITO É O GOLPE'


Sem luvas de pelicas, revista Veja: objetivo do plebiscito é o golpe.

O texto da Veja tenta amaciar a coisa, mas não tem jeito: o que o lulo-petismo quer é o golpe. Não conseguiu em oito anos de Lula, que atacou as instituições quotidianamente. Agora quer perpetrar o golpe através do "poste", que continua obediente. Plebiscito foi instrumento de nazistas, fascistas e, mais abusadamente, do chavismo. Enganam-se os que pensam que o lulo-petismo meteu os pés pelas mãos: trata-se de método. Tenta aqui, tenta ali. Recua, mas retorna sempre ao mesmo viés autoritário. É como água mole em pedra dura: tanto bate até que fura. Fiquemos sempre atentos: o petismo é bolivariano desde criancinha.
Destinada a confrontar a população com questões objetivas e diretas, a realização de um plebiscito é uma ferramenta legítima do processo democrático. A história recente, entretanto, demonstra que ele pode ser utilizado para propósitos pouco nobres: vizinhos sul-americanos recorreram ao mecanismo para tentar governar diretamente com o povo, passando por cima das instituições democráticas e se perpetuando no poder. Em resposta à inédita onda de protestos que chacoalhou o Brasil, a presidente Dilma Rousseff propôs uma consulta popular para promover uma reforma política no país - ainda que nenhum cartaz tenha reivindicado isso. A estratégia bolivariana, tirada da manga no momento mais crítico do seu governo, acoberta um perigoso interesse: aprovar o financiamento público de campanha e o voto em lista, antigos sonhos do PT.
Como avalia o ex-ministro da Justiça Miguel Reale Júnior, a opção pelo plebiscito “joga areia nos olhos do povo”. Um levantamento do Datafolha constatou que a reforma política era uma reivindicação de apenas 1% dos manifestantes que tomaram as ruas de São Paulo nas últimas semanas. Mas o governo não quer perder a oportunidade aberta pelo clima mudancista.

O PT defende o financiamento público de campanha porque seria o maior beneficiário desses recursos, já que tem a principal bancada na Câmara dos Deputados e esse é o critério usado para a divisão do bolo. Com o financiamento público, o partido conseguiria assegurar recursos superiores aos das outras siglas. Caso o caixa dois não seja efetivamente extinto, o que é uma hipótese plausível, o dinheiro de bancos e empreiteiras continuariam a seguir a lógica de favorecer quem tem a chave do cofre - no caso da União, o PT. Por isso, interessava mais ao partido a ideia inicial de Dilma, que incluía uma Assembleia Constituinte com poderes para dar os rumos à reforma. Mas a ideia fracassou por ser inconsistente e sem base jurídica. Ainda assim, o PT aposta na capacidade de mobilização de sua própria militância para moldar o sistema político-eleitoral.

Ciente das intenções de seu principal aliado, o PMDB é majoritariamente contrário ao financiamento público. Os peemedebistas têm bom relacionamento com o empresariado e um elevado número de governos estaduais; também por isso, não veem razões para uma mudança no sistema.

Um comentário:

  1. Resumindo... Estão tentando se perpetuar no Poder. Além do Financiamento Público de campanha favorecer a maior bancada, ou seja, a bancada dos PTtralhas. Tem ainda o caso da proibição de coligação dos partidos, o que certamente almejam, pois, sendo hoje a maior bancada, e com o Poder nas mãos, quem irá fazer oposição? Se não poderão se unir para combatê-los. A tendência é inchar a sigla PTralha. E O GOLPE SERÁ PERFEITO E LEGAL perante os ALIENADOS. Acooooooooorrrrrrrdemmmmmmmmmmmm.....

    ResponderExcluir