terça-feira, 21 de maio de 2013

DISCUSO DO PSDB ENFIM, PODE MUDAR - RAFAEL BRASIL

Enfim, o PSDB vai realmente afinar o seu discurso, e se fizer , sem medo de mostrar a cara. Nas  últimas eleições, vencidas pelo PT , o PSDB ficou com vergonha de assumir, e lutar pelo excelente legado da era FHC. Serra tentou esconder o legado de Fernando Henrique, orientado por marqueteiros, que entendem de propaganda, mas não de política. Na última eleição presidencial, Serra chegou até a elogiar Lula, que tanto mentiu acerca do que ele quis passar para a população, com a estória da "herança maldita" do governo FHC. 
Alkmin, assim como Serra, ao ser questionado sobre as privatizações, entrou na cilada do PT, defendendo as podres e corruptas estatais. Deixou de defender as privatizações, que foi um dos pontos mais positivos da era Fernando Henrique, além da estabilização da moeda, da lei de responsabilidade fiscal, e da pequena, mas significativa abertura econômica. Ou seja, uma pitada de capitalismo, que é o que nós estamos de fato precisando. Na verdade, não de umas pitadas, mas de carradas de capitalismo.
Esconder o melhor legado de FHC ao Brasil colocou até hoje o PSDB à reboque do PT. Com o mesmo discurso, e sempre na defensiva, como se tivessem medo de assumir posições mais liberais, sobretudo do ponto de vista econômico , os tucanos ficaram metidos em brigas internas, principalmente nas hesitações de Serra e na sua insistência em não dar oportunidade a outras pessoas da legenda, como Aécio Neves.
O ideal seria que tivéssemos um candidato forte, genuinamente liberal. Que mostrasse à população os malefícios do gigantismo estatal como o principal mal do país. Que só pode realmente crescer com investimentos privados. Na infra estrutura, inclusive com capitais estrangeiros. Assim é que o povo poderia sair realmente da miséria. Afinal nem todo mundo pode se tornar funcionário público, que é o que aspiram a grande maioria dos jovens brasileiros contemporâneos, infelizmente. 
Mostrar ao povo um grande plano geral de mudanças na educação nacional, inclusive combatendo o corporativismo, restaurando a ordem e a competência profissional nas escolas, com a completa privatização das universidades. 
Vender todas as estatais, salvo os institutos de pesquisa, e na cultura a preservação do patrimônio histórico, e o financiamento de bibliotecas informatizadas para todas as cidades do país. Nada de dar nenhum tostão para a cultura de massas, em todas as esferas, e vai por aí. No Brasil quase tudo tem que ser refeito, sobretudo a mentalidade popular, segundo a qual estatal realmente é um patrimônio popular. Parece piada, mas o povo aplaude, mesmo quando é ferrado.
Não é de hoje que falo no atrelamento do discurso do PSDB ao do PT da carta aos brasileiros. Anteriormente o discurso do PT não passava de um cacareco ideológico. O PT cresceu, aliás adotando as políticas do PSDB, e ainda amaldiçoando uma herança para mais do que bendita. Agora mesmo o PT com Dilma tenta governar, digamos, com mais autonomia, e estão quebrando a cara. Veremos o que vai acontecer. Se Aécio realmente mudar seu discurso, mesmo perdendo, pode relançar as bases de uma real oposição ao petismo no país. Se não, ficaremos na mesma, mas a economia vai pipocar no colo da própria Dilma. Uma das mais obscurantistas presidências da história do país. Figueiredo diante dela era um brilhante intelectual além de muito mais afável e educado, apesar de sua conhecida cavalice. Aliás, ele era apaixonado por cavalos. A imbecilidade e ignorância nacionais, não têm limites. Tudo pode piorar. Vocês duvidam?

Nenhum comentário:

Postar um comentário