quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

QUESTÃO RELIGIOSA



Um dos fatos marcantes da atualidade, é o crescimento das ingrejas protestantes. Geralmente, estão crescendo muito, juntamente com a ascensão das chamadas novas classes médias no cenário. Eram sete por cento da população, há uns quarenta anos, e agora beiram os vinte. Em sua grande maioria são pentecostais, ou seja, crêem e pregam a cura de doenças através da fé, dentre outras coisas. São ativos militantes da fé, e geralmente arrebanham seus fiéis além da nova classe média, inúmeros integrantes do lumpesinato, as camadas mais pobres da população. Por sua natureza, são conservadores. Defendem ardorosamente o sucesso econômico e profissional através da fé, e unúmeros pastores tem ocupado a mídia recentemente, debatendo temas como o aborto e o homossexualismo, por exemplo. Com o processo de esquerdização da Igreja Católica, eles vão ocupando os espaços, apesar dos inúmeros esforços de Bento XVI ao lado do conservadoriamo católico para reverter, ou pelo menos estancar a migração de fiéis para as igrejas protestantes. Esta reação é caracterizada pelo surgimento dos carismáticos e de grupos como a canção nova. Todos militantemente contra o aborto e o homossexualismo. Ademais alguém gostaria que os cristãos fossem a favor?

O PT E AS CHAMADAS MINORIAS

Lula foi eleito pelo grande eleitorado conservador. Lula e Dilma. Alguém duvida? Só quando jogou no lixo ou escondeu debaixo do tapete os programas esquerdizantes do partido, é que Lula e o PT ganharam eleições. Todavia, no processo de formação, o partido sempre foi um ferrenho defensor de minorias, que aliás, sempre foram muito militantes em seu interior. Agora, quando Dilma chama sua antiga amiga de militância e de cárcere uma cidadã chamada Eleonora Menicucci para o ministério da mulher, que é não só a favor do aborto, como diz abertamente que já teve dois, a política pode ser nitroglicerina pura, com dois temas que poderiam ser evitáveis. Também tem Fernando Haddad, candidato a prefeito de São Paulo, que, quando no ministério, foi um dos responsáveis pelo chamado Kit gay nas escolas, depois devidamente retirado de circulação pelas polêmicas causadas. Com esta atitude, o governo arrumou sarna para se coçar. E pode perder as eleições na cidade de São Paulo. De novo. Os conservadores, evangélicosw à frente, já a chamam de "ministra do aborto". Parece que o estrago já foi feito. Veremos.

CATÓLICOS

Um dos maiores problemas da Igreja Católica, é certamente a pedofilia, e consequentemente o homossexualismo na igreja. Que aliás sempre existiu, só que não nestas proporções. Talvez seja a hora de repensar o celibato. Porém o chamado alto clero nem quer ouvir falar, por isso fica tudo como está. Apesar dos grandes esforços do papa para resolver estas questões.

Nenhum comentário:

Postar um comentário