segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

REVOLUÇÃO E FUNDAMENTALISMO


Nem sempre uma revolução é, digamos, progressista. Muitas caem no fundamentalismo, que pode ser religioso, como no caso do Irã, ou pretensamente laico e materilista, como no caso da China sob Mao Tsé Tung. Na verdade, na primeira metade do século XX, a santíssima trindade do comunismo era Marx, Lênin e Stálin. O último, aclamado pela propaganda como “o guia genial dos povos”. Na China, acrescentaram Mao e seus seguidores. O culto à personalidade era um traço marcante da propaganda comunista. Aqui, o franzino Prestes era também endeusado pelos comunistas, que eram a grande maioria das esquerdas da época. Quem discordasse dessa gente, era implacavelmente perseguido, inclusive os esquerdistas de outras tendências, dado o autoritarismo evidente no âmago do pensamento leninista. Sobretudo na ex União Soviética, ou mesmo na China, aonde os opositores eram sumariamente executados em massa.



FUNDAMENTALISMO RELIGIOSO





O fundamentalismo religioso é pior do que o laico. Os governos teocráticos também são os piores. Afinal, quem é contra o governo, é considerado contra deus. Ademais, quem pode ficar contra o todo poderoso? Os primeiros sistemas de governo foram teocráticos, como no Egito e no Império Azteca. Foram os governos possíveis para a época. Mas agora, na era atômica e da internet, parece brincadeira. O Irã, é um inferno para se viver. Aliás, nos países mulçumanos mais radicais também, como na Arábia Saudita, terra de Bin Laden, aonde os fundamentalistas são reprimidos à ferro e fogo, pela monarquia presente. E o grande perigo destas manifestações é que resultem na vitória dos fundamentalistas, com a implantação de regimes teocráticos como o Irã. Seria trocar regimes autocráticos e corruptos, por regimes totalitários e também corruptos. Ou seja, o ruim pelo pior. Porém, como diria Marx, a história não se repete. Muitos ingênuos acreditam que as forças da democracia podem sair ganhando. Gostaria muito, mas é difícil. O islamismo é a antítese da liberdade e da democracia, assim como os governos pretensamente teocráticos. Já pensaram os povos árabes nas mãos dos fundamentalistas? Na época da revolução islâmica no Irã, a maioria das esquerdas apoiaram, por ser contra os EUA. Os próprios esquerdistas iranianos que a apoiaram, foram sumariamente eliminados, por serem laicos e materialistas, claro. Diante destes regimes, a dominação católica na Idade Média parece brincadeira de criança.



ISLAMISMO E OCIDENTE



Desde sua expansão a partir do século VII d. C., o islamismo do profeta Maomé, dominaria partes da Europa, como parte dos Balcãs e a Península Ibérica. Um grande acontecimento do final do século XV (1492) foi a tomada de Granada pelos católicos espanhóis, marcando a expulsão dos maometanos islamitas da Península Ibérica. Outro grande acontecimento passaria quase despercebido, foi a descoberta da América por Colombo e seus irrequietos marinheiros, numa empreitada com apenas três míseras embarcações, um tanto quanto já obsoletas para a época. Até ali os mulçumanos superavam os europeus cristãos, tanto em organização social, como em cultura e tecnologia. Aliás, foram os mulçumanos que preservariam boa parte dos escritos clássicos, apesar de serem os responsáveis pela destruição da grande biblioteca de Alexandria no Egito. Em síntese, é a partir do século XV, com a expansão ultramarina, que os europeus começam a ultraspassar os muçumanos. Do ponto de vista político, as idéias iluministas proporcionaram a idéia da democracia e da liberdade, ampliada pela revolução burguesa e capitalista dos séculos XVIII e XIX, forçando, podemos dizer assim, uma separação da igreja do estado. Nunca, em toda a sua história, o pensamento religioso foi tão combatido, surgindo a idéia de um estado não só democrático, mas laico. Nos países mulçumanos isto não aconteceu. Ainda hoje, a religião não se divorciou do estado, mantendo uma enorme influência na sociedade e na política.



ALTERNATIVAS



Uma maior abertura democrática, visando anular, ou fazer retroceder a influência dos fundamentalistas na política. Mesmo que estas reformas venham de cima, podemos dizer assim. Em outras palavras, uma abertura controlada. Decerto muitos setores destas populações rejeitam o fundamentalismo, porém o mesmo tem raízes marcadamente populares, apesar de em muitos casos serem financiadas pelo Irã, que é persa, e não árabe. Vamos atentamente acompanhar os fatos. Como bem falou o nosso colunista Adriel, vamos aguardar os acontecimentos, e os comentar, claro. Também cabe a pergunta: como manter regimes fechados com o crescimento fantástico dos meios de comunicação como a internet? Aliás estes movimentos são organizados e coordenados através da internet. Menos mal.

domingo, 30 de janeiro de 2011

Revolta Árabe.

Continuam as revoltas populares no Oriente Médio e Norte da África. O Egito decreta até toque de recolher, sendo desobedecido por parte de sua população que sai às ruas pedindo mudanças. A Argélia passou por revoltas contra desemprego e inflação. Caiu o governo da Tunísia. Omã e Iêmen também provaram da insatisfação popular contra seus respectivos governos. No Líbano, o governo foi dissolvido ( lembra-se do João Santana?) depois da renúncia de um grande número de ministros abrindo espaço para o Hezbollah, grupo terrorista patrocinado por Irã e Síria, alavancar suas alianças e tornar-se majoritário no novo governo. Os sauditas já estão temerosos por suas cabeças e o coronel Kadaffi ( acima) já está de barbas de molho na Líbia.
Li hoje que até a ditadura de partido único da China está assustada com tudo o que está havendo no mundo árabe. O governo chinês censurou hoje a palavra ''Egito'' nos sites de busca do país, mostrando que o velho PC chinês ainda se assusta com a revolta da praça Tiananmen em 1989 e teme sua recidiva.
Não sei se essas revoltas farão bem ou não para esses países e para o mundo. Apenas me assusta a possibilidade de grupos fundamentalistas islamitas chegarem ao poder e começarem a sua jihad contra o Ocidente, já que é tudo o que pregam e por que existem.
Hoje, o Irã ( antiga Pérsia) estava afoito com a possibilidade do grupo Irmandade Muçulmana, a raiz de todo o fanatismo islâmico, já que foi o 1º grupo a pregar a jihad na prática, assumir o poder no Egito. O amigo do Lula, Ahmadinejad, que é presidente (quem detém o poder de verdade são os clérigos, que até escolhem quem pode ser candidato), disse que está para acontecer no Egito uma nova revolução islâmica, semelhante à que ocorreu em seu país em 1979, quando da volta de Komeini, e vibrou com isso.
É aguardar e vê aonde isso tudo conduz. Será que as ditaduras árabes estão com os dias contados? Será que, se caírem esses ditadores de hoje, o ódio ao ocidente será multiplicado pelos grupos fundamentalistas, já que são tratados no porrete pelos atuais governos? É melhor os governos atuais, que garantem na marra a quietude dos fanáticos? Quem ganhará com tudo isso, se houverem mudanças? Esses países estão preparados para um governo com moldes diferentes do atual? É o Islã compatível com as democracias ocidentais? Sinceramente, não tenho respostas. Estou aguardando o desenrolar disso tudo.
O Prof. Faé, que já palestrou na UPE sobre esse assunto, na época em que eu lá estudava, pode acrescentar respostas à essas perguntas.

sábado, 29 de janeiro de 2011

Challenger.

Na data de ontem completaram-se 25 anos da explosão do ônibus espacial americano Challenger ( desafiante) durante o seu lançamento do Cabo Canaveral, estado da Flórida, EUA.
Eu, como sou um grande curioso desse assunto, não poderia deixar passar em branco. Essa viagem da Challenger era simbólica pois levaria ao espaço o primeiro civil ( os astronautas são todos militares, por ofício), a professora Christa McAuliffe ( cabelo preto, acima ).
Todos os tripulantes morreram e essa foi uma perda gigante para os projetos da NASA. Entre 1969 e 1972, essa agência enviou 6 missões tripuladas à Lua: Apollo Xl, Xll, XlV, XV, XVl e XVll e outra falhou, não conseguindo alunissagem ( pousar na Lua), a Apollo Xlll, a qual inspirou até um filme famoso ( Apollo 11) e a também famosa frase e já clichê '' Houston, we have a problem'' (o original foi: '' Houston, we had a problem'' assim mesmo no tempo passado).
Outra tragédia veio depois: em 2001 outra nave (Colúmbia) desintegrou-se na reentrada da Terra por problemas de isolamento térmico, sendo outro duro golpe no programa espacial da NASA. Essa última não tinha ido à Lua mas voltava da Estação Espacial, para a qual havia levado mantimentos e estudos científicos. Restam ainda 3 Space Shuttle ( naves espaciais): Atlantis, Discovery e Endeavour, todas ainda com condições de operação.
Devido ao fim da Guerra Fria e aos altos custos, as naves estão em processo de aposentadoria. O governo já está terceirizando novos dispositivos para viagens espaciais e deixando espaço para empresas privadas explorarem esse setor.
Ao todo, doze homens tiveram o raro privilégio de pisar a Lua. Mas não só pisaram, andaram de jipe lunar, jogaram golfe, fizeram a experiência da pena e do martelo, recolheram amostras (quase 400 kg de amostras de solo e rochas lunares, mil vezes mais que os soviéticos conseguiram com suas sondas automáticas), deixaram espelhos retrorefletores que são utilizados até hoje para medir a distância da Terra à Lua, e fizeram outras experiências mais.
Se o dinheiro der, os americanos pretendem uma missão tripulada a Marte até 2030.
Outros países também se destacam nos estudos espaciais: Rússia, China, Índia e Japão. A China recentemente enviou um astronauta à órbita terrestre. O Japão enviou sondas não tripuladas à Lua. A Rússia herdou o legado da URSS nessa área e ainda é muito respeitada, já tendo possuído uma estação orbital própria. Claro que ambos ainda estão muito atrás dos feitos americanos da década de 1960, pra se ter uma ideia. O Brasil paga à China, aos EUA e à agência espacial europeia para pôr em órbita seus satélites. Também pagou 10 milhões de dólares para a Rússia orbitar um astronauta tupiniquim, o Marcos Pontes. Há projetos de lançadores de foguetes desde a ditadura mas que não decolaram. A explosão da Base de Alcântara no Maranhão em 2003 jogou uma pá de cal no Programa Espacial Brasileiro matando 21 cientistas que eram a nata desse tipo de pesquisa no Brasil. Teremos de esperar outra geração. Aquela já foi pro espaço ( perdoem o trocadilho).
Soube que o Brasil está recebendo colaboração da Ucrânia, país já muito experiente, como ex-república soviética também.
O grande cientista e divulgador da pesquisa, Carl Sagan, dizia que '' a humanidade só terá futuro em escala universal, espalhando-se por outros planetas, sistemas e galáxias''.
Estamos muito distantes disso ainda. Mas quem ousa dizer esse dia não chegará?

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

COMENTÁRIOS NO BLOG



Por favor, colaboradores, ao fazer comentários, não usem palavrões, ou palavras chulas. Vou cortar todas. Também não respondo a questões colocadas por pessoas que não se identificam. Estas se quiserem fazer denúncias ou coisa parecida, podem e devem manter o anonimato, se assim quiserem.  Porém não vou polemizar com fantasmas, ou entes indeterminados. Mas maltratar, usar palavrões, palavras chulas, não. Já vivemos num país de iletrados, e não vamos estimular a falta de decoro e educação. Mesmo as críticas devem ser feitas numa linguagem adequada.



TORTURA

Já escrevi muito sobre o assunto, desde que começei a colaborar com o Correio Sete Colinas, do meu amigo de sempre, Roberto Almeida. A tortura é um crime hediondo, assim classificado pela constituição. Além de hediondo é um crime de covardes, de crápulas. Desde a Idade Média que foi questionada como método de investigação. Sob tortura, quanquer cidadão, crimninoso ou não, confessa até que matou Jesus Cristo. O sujeito que tortura, é antes de mais nada um crápula, um covarde, que, diante da impossibilidade de reação da vítima, lhe provoca todos os tipos de servícias, ou seja: O torturador, é um psicopata em potencial.  Seja sob quaisquer regime político, a tortura é execrável.

TORTURA E DITADURA

Uma das características dos regimes de força, é a perseguição, prisão, tortura e morte de opositores políticos. Nos sistemas autoritários, como o do Brasil durante a ditadura militar em seus tempos mais duros, ( o período Médici) os porões da ditadura estavam cheios de presos políticos sendo torturados. Na abertura política relatos horríveis dos porões vieram à tona. Claro, este endurecimento político foi em parte consequência  da resposta do regime ao terrorismo esquerdista em voga nos anos sessenta, embora, claro, não sejam justificáveis tais práticas sob nenhuma hipótese. Tanto de direita, como de esquerda, a tortura é um grande atentado aos direitos humanos de quanlquer cidadão deste mundo.

TORTURA EM PRESOS COMUNS

Porém, não só a tortura a presos políticos deve ser combatida. Hoje, no Brasil tortura-se do Oiapoque ao Chuí. Sobretudo contra os pobres, desassistidos da justiça, dentre outras coisas. E o pior, a prática é ardorosamente defendida pelo homem comum, que acha mais do que justo a idéia de que bandido tem mesmo é que apanhar. Sobretudo bandido sem classificação, segundo o senso comum, ou seja, o pobre. Por essas e outras o Brasil continua na lista de um dos países que mais violam os direitos humanos. Contra os pobres ninguém fala. Quem falar é acusado de conluio com a bandidagem.

AS ESQUERDAS E A TORTURA

Quando existe uma ditadura de direita, a tortura é condenada por todos os esquerdistas. Quando é de esquerda, o silêncio. Dilma, como torturada, comparou o Brasil com a Alemanha Nazista. Na Alemanha, nem de longe teria escapado. Nem tampouco na ex União Soviética, sem falar em Cuba, ditadurazinha elogiada por grande parte das nossas esquerdas, ainda. Ademais, a ditadura brasileira teve vários períodos diferenciados, mas sempre esteve muito longe de se constituir num regime totalitário. Graças a deus. Tivemos, com exceção do governo Médici, uma ditabranda. Geisel apesar de autoritário teve o grande mérito de enquadrar os duros do regime, proporcionando a abertura democrática.
ANISTIA

As feridas da ditadura já foram devidamente apagadas com a anistia. Anistia é o perdão de ambos os lados, para que a vida, enfim , sobretudo a vida política continue.  Felizmente as feridas da ditadura desde há muito, não afligem o grosso da população brasileira. Aliás, o povão nunca apoiou o terrorismo de esquerda que ademais tinha motivações totalitárias, alguém duvida?  Diferente da Argentina com dezenas de milhares de mortos. Ou mesmo do Chile com milhares, apesar das populações destes países serem bem menores, no Brasil do lado da esquerda, não morreram mais de quinhentas pessoas. Do lado da ditadura, cerca de duas centenas. Sem essa de rever a anistia. Seria revanchismo de uma facção que está no poder e acha que definitivamente genhou o jogo. Neste sentido, por que não uma longa campanha contra a tortura? Ou preso comun e pobre não é gente?  

SAUDADES DE CAETÉS

Até segunda feira estarei impossibilitado de colocar o acervo de fotos do meu pai Rafael Brasil neste blog. É que minha impressora quebrou. Porém, semana que vem continuaremos. Tem muita coisa boa, e ainda estamos no çomeço. Muitos personagens do passado ainda aparecerão. Aguardem.

ALGUÉM DUVIDA?

Alguém duvida que a corrupção em Caetés é generalizada? Ainda não querem que falem, mas o povo não é besta. Sabem de tudo, e falam sem parar nas ruas e calçadas da cidade. È a democracia mais ou menos direta das cidadezinhas do interior. Ísto também é exercício de democracia, e viva o debate. Só não gostam àqueles que são atingidos, mas em qualquer país sério corrupto muitos tinham que ir para a cadeia. Ainda mais, crimes hediondos que envolvemn o desvio de coisas como a merenda escolar, e remédios para nossa vasta população pobre, é crime para ir diretinho para o inferno. Estão tirando da boca de quem não tem nada. Nem o direito de reclamar, ora bolas. Por isso é preciso falar, denunciar as falcatruas e as injustiças que acontecem. Fala povo. Grita povo, que  estamos numa democracia, e é sempre bom a exercitarmos. 

Tucanada Doida e Oposição Doce.


Dia desses, escrevi aqui que, com uma oposição como esta que o atual governo tem, não é preciso preocupação nem pagar a ninguém, por baixo do tapete, para aprovar leis. Volto ao assunto já que o PSDB está se esfacelando e tomando rumos que não se sabe de qual cabeça de vento saíram. Não entendo o porquê de, dentro do partido, alguém que recebeu mais de 44 milhões de votos não tenha o peso devido, compatível com os números saídos das urnas. Me refiro ao José Serra, é claro.
Li hoje que o Sérgio Guerra, presidente do partido, está sendo acusado de traição por Jutahy Magalhães, do PSDB da Bahia. Tem toda a razão. O pernambucano quer continuar na presidência do partido não só para servir Aécio Neves, mas também para proteger o seu naco político aí em Pernambuco. Vocês sabem em quantos municípios de Pernambuco o candidato José Serra venceu Dilma Rousseff? Em nenhum! Sabem quantos prefeitos o PSDB tem aí em Pernambuco? Dezessete! De 185 municípios. Um esculacho. Continuando o PSDB com essa fanfarra e gaiatice, o PT se torna perpétuo no poder, já que não é um partido normal e não pratica uma política digamos...convencional ou ortodoxa.
José Serra diz buscar reorganizar e fortalecer o partido onde ele é fraco ou inexistente, mas parece que será um tanto complicado. É óbvio que deveria começar pela terra do atual presidente do PSDB, o qual tem de explicar o fato de ser o presidente do principal partido da oposição e, no seu estado, o governo venceu acachapantemente. Fiquei indignado com isso. Soube que ontem, o Sérgio Guerra armou uma mentira para se perpetuar no cargo. Humilhante. Indigno, como acusou o deputado baiano.
Além de Guerra, há também o cacique cearense e ex-senador humilhado Tasso Jereissatti, que foi fragorosamente derrotado no Ceará, não conseguindo a reeleição. Esse, um velho desafeto do Serra.
Em PE, Serra obteve 24% dos votos, no Ceará, menos ainda: 22%. Aqui e no Acre, estados sem representação forte ou quase nula dos tucanos, o PSDB superou as expectativas, vencendo até a Marina Silva e Dilma.
Como esses representantes de votos magros e pífios se tornam líderes e grandes vozes dentro do PSDB? Esses senhores não têm bom senso, não sabem o que é ser ridículo?
E isso ainda não é o cúmulo: em meados de dezembro passado, em Maceió, por iniciativa do Diretório do PSDB, foi organizado um encontro de 8 governadores peessedebistas para decidirem, entre outras coisas, como seria a relação com o governo federal. Decidiram que haverá mais submissão e menos oposição. Como dizia FHC: '' Assim não pode, assim não dá''.
Pessoal, e não digam que o Serra já era, tá vencido. Isso é lorota! Um político que obtêm 44 milhões de votos pode almejar qualquer cargo a que se disponha. E só tendo disputado duas eleições presidenciais e com toda a sua experiência.
Para esfriar os ânimos dos petistas, lembro-lhes que o Lula, de 5 disputas presidenciais, perdeu 3, INCLUSIVE 2 em 1º turno para o FHC, coisa que ele ainda não digeriu bem, não é?
Agora, persiste essa guerra entre tucanos de SP e de MG, esses últimos apoiados pelos de PE.
Parece que, dentro do PSDB, só fala grosso quem não tem voto, quem é desconhecido, uma nulidade. Cadê os tucanos do sul, onde o PSDB ainda tem muita força? A continuar assim, o PSDB pode dá baixa na legenda e seus membros podem se filiar ao PT. Não é uma boa ideia?
Esse arranca-rabo entre tucanos na charge acima, veio a calhar neste texto.





Apesar de ser apenas um colaborador neste blog, peço-lhes que, nos comentários, deixem os nomes e não usem linguagens chulas, palavrões, esculachos, ofensas. O professor não faz a mediação e isso permite que passem absurdos aqui. Leiam e deem suas opiniões ( são importantes e só ajudam a enriquecer o blog) usando o bom senso. Só isso!!

Hadriel

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Recordações de Caetés


Recordações de Caetés:

Da Esquerda Para Direita - Duda De Mané Gomes,Tontom,Ablio Vitalino,Severino Gerino,Lula Melqiíades,Aurino e Mago.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Recordações de Caetés


Recordações de Caetés:

Construção Do Colegio Monsenhor Callou.

CORRUPÇÃO






Talvez nunca, em toda a história do país, a falsa malandragem do jeitinho brasileiro foi usada ideologicamente, digamos assim, para justificar governos, ou atitudes marcadamente corruptas. É a sobreposição das relações sentimentais, privadas, em detrimento das regras constitucionais. Dá-se um jeitinho com um amigo pra tudo, ao arrepio da lei, ou para burlá-la. Sérgio Buarque de Hoillanda estava mais do que correto em seu clássico “Raízes do Brasil”, que nunca esteve tão atual. A tolerância com as pequenas corrupções do dia a dia, faz com que toda, ou quase toda corrupção, esteja, assim, na alma do povo. Se existiu corrupção do mensalão no governo Lula, só para ficarmos neste exemplo, ele fez o que todo mundo faz, o que ele próprio admitiu. Usou caixa dois, que é crime, mas, se todo mundo rouba, pelo menos ele roubou um pouquinho, e se fez muito pelos pobres não tem problema tirar um tiquinho, nem que seja para ajudar a família. Afinal, operário é coisa de um passado longínquo, embora sirva muito para enfeitar os discursos políticos, não? Como dizia Voltaire, se não me engano, o que importa não é a quantidade, das leis. O que importa é a qualidade, ou seja, se elas mesmo são ou não cumpridas.


CORRUPÇÃO ELEITORAL


Um dos mais graves problemas do nosso sistema político é a corrupção eleitoral. Para que exista corrupção, óbvio que tem que ter o agente corruptor e a vítima. Ademais, corrupção é uma relação, e só funciona com o conluio das pessoas. Neste sentido, é bom esclarecer, que o povo, também é corrupto. Já que raramente corrupto vai preso, a lógica do povão é participar também, ou seja, tirar sua casquinha. Seja dos políticos, seja através do bolsa família. É a velha história, eles também querem comer um pouquinho. E de preferência, sem trabalhar. Só que, o que melhorou realmente a vida do pobre, possibilitando a mobilização social, tão decantada pelos petistas, foi, antes de mais nada, a estabilização da moeda com o fim da inflação. E a corrupção, antes denunciada tão veementemente pelos lulistas, há muito deixou de ser bandeira política do petismo. Mas é preciso retomar a questão. Não é possível um deputado federal custar ao contribuinte cerca de duzentos e conquenta mil contos por mês. E um estadual coisa semelhante. É preciso uma grande reforma política e eleitoral no país. Para ontem. Se não, continuam roubando os estados e as prefeituras sob pretexto de financiar eleições. Quais as propostas?


ALGUMAS PROPOSTAS NO AR


Muitos defendem a adoção do sistema distrital puro como é na Inglaterra. Ou o misto, tal qual a Alemanha. Porém em ambos os países, vigora o sistema parlmentarista. O distrital puro, divide-se o estado em distritos, e as disputas eleitorais são feitas por distrito. O candidato não precisa viajar o estado todo pedindo votos, com todos disputabdo contra todos, como é no nosso sistema proporcional. Já o misto, considerado mais complicado para o eleitor, vota-se metade por distritos, e metade pelo sistema proporcional. Há quem proponha o distritão. Cada estado da federação se transformaria num grande distrito. Os mais votados seriam eleitos, e pronto. Bem vamos ver onde vai dar. É preciso discussão, para o bem da democracia e da luta contra a corrupção.


CORRUPÇÃO EM CAETÉS


A prefeitura da cidade está impregnada de corrupção. Aliás, quanto surrupiaram da mesma para patrocinar campanha para deputado, sobretudo para comprar votos na vizinha cidade de Garanhuns? Por que falta detergente para lavar o mercado de carne e o hospital, este sem médicos, da cidade? Aonde anda o prefeito, sem dar expedientes? Quantas casas foram construídas ou mesmo compradas e reformadas para a família do prefeito e aliados políticos nos últimos vinte anos? E em outras cidades, como o Recife? E isto talvez seja apenas a ponta do iceberg. Todos na cidade sabem disso. Até as pedras do calçamento. Que tal contarmos as casas? Seria um bom desafio para os leitores, além de um bom exercício de cidadania. É ou não é rapaziada?

Lula, O Filho do Brasil.


Produto feito com aval do Palácio do Planalto e embalado para ser visto por 20 milhões de espectadores, "Lula, o Filho do Brasil", o mais caro filme produzido até hoje no país, fracassou miseravelmente. Foram gastos quase R$ 40 milhões, incluindo farta publicidade, como também subsídios para a companheirada assistir pela metade do preço (houve sessões a 5 reais para os sindicalizados). Até agora, o filme foi visto por menos de 1 milhão de pessoas nas salas de cinema.
O filme 2 Filhos de Francisco já atingiu os 5 milhões.
Segundo os jornais, ao tomar conhecimento do fato, Lula ficou "desapontado''.

Tenho um casal de amigos que gostou tanto do filme que diz tê-lo assistido quatro vezes. Aqui em Rondônia, apesar de o Serra ter vencido nos dois turnos, há um grupo muito forte de petistas e simpatizantes; as escolas estão impestadas, são minha diversão.
Hein? Mentira minha? Não é não! Apesar de tanta expectativa, o resultado da bilheteria murchou os ânimos dos protagonistas e produtores. Dizem que a única plateia que bateu palmas para a obra de Fábio Barreto foi a que compareceu à sua pré-estreia: um seleto grupo de pelegos e xeleléus, provenientes de sindicatos, estatais, partidos aliados ao governo, militantes petistas e empresários com negócios com o governo (esses últimos saíram com as mãos avermelhadas de tanta tenacidade). Para quem antevia um estouro de bilheteria, produzido por um público entre 5 e 20 milhões de fãs, o filme é um esférico e lustroso fracasso. Olhando assim, pelo alto, até parece obra do PAC, não é mesmo? Empacou, não funcionou, custou caro, foi cercado de imensa publicidade, pretendia ampliar o prestígio de Lula e foi concebido em tom de puxa-saquismo. Mas não é obra do PAC, não! Tem tudo para ser, mas não é.
Não é do PAC e não tem mãe. Alguém dirá que não faz sentido ironizar o insucesso do filme. Acontece que "Lula, o filho do Brasil" foi concebido para tornar-se arma política. E esperava-se que os fiéis assistentes deixariam as salas de exibição decididos a apoiar a candidatura de Dilma( é óbvio que o Lula não precisava disso, já que no Brasil, ele manobra as massas ao bel-prazer, algo irracional até).

Fui ver o filme de Lula, à época, na única sala de cinema aqui de Rolim de Moura, na companhia impagável da Val, sessão de 20h, num sabadão, horário considerado nobre pra essa arte. Sua plateia, formada por umas 20 curiosas pessoas, mostrava-se entediada, piorando com o som áspero de uma trilha sonora apelativa. Antes do letreiro "Fim", uns cinco espectadores mais hostis à monotonia, simplesmente abandonaram a sala, com caras de poucos amigos (pensei na hora: devem ser peessedebistas, como eu).

Em qualquer lugar do mundo, um fracasso de bilheteria arde no bolso de quem investiu. No Brasil, as coisas não são assim. Quando um filme chega aos cinemas, todo mundo já ganhou dinheiro através dos benefícios de incentivo à cultura, retirados diretamente do contribuinte. Não sou contra financiarem a cultura mas quando o produto realmente tem valor cultural. Agora, quando os pacientes do SUS se empilham em beliches nos corredores ( Rondônia está crítica nesse aspecto), quando a sociedade padece nas mãos da criminalidade e quando a educação anda um passo atrás da ignorância, penso que a escala das prioridades deve dá outros rumos para esses recursos. Não sei o porquê do sucesso financeiro de um filme não depender da aceitação do público, como em outras partes do mundo. Aqui no Brasil o sucesso depende de quanto se consegue arrancar das verbas públicas. É preciso esclarecer também que houve muito patrocínio privado para o filme, algo fácil em ano de eleição, óbvio. O Eike Batista, por exemplo, patrocinou as duas campanhas à presidência. O retorno, ele obtém depois, ganhe quem ganhar. Ainda sobre o filme, soube que aqui, onde moro, perdeu feio até para filmes B americanos, como Alvin e os Esquilos ( imaginem se comparássemos com os ótimos filmes citados no blog do Roberto Almeida, seria uma humilhação só).

Penso que a primeira razão pela qual o filme de Lula fracassou é porque ele navega, muitas vezes na mentira. O filme é o desejo manifesto de se fabricar a imagem do herói predestinado que se torna presidente. Em uma cena, o Lula chega pondo o diretor do sindicato contra a parede e até soca a mesa, querendo substitui-lo. Tal fato não houve segundo Paulo Vidal, o presidente sindical. E diz mais: ''Eu fiz o Lula presidente do sindicato. E não ele foi lá e ditou regra''. Em outra cena, o pai de Lula lhe dá um piperote e tenta bater, também, na mãe, quando o menino se arreta e fala: ''homem não bate em mulher''. Tal fato nunca houve, segundo a biógrafa Denise Paraná. Mais uma mentira:ao ver um linchamento de um diretor da fábrica, Lula diz ao irmão sindicalista: "Ele também é um trabalhador". Na verdade, durante uma greve, um diretor da fábrica atirou em um operário. Os grevistas, revoltados, o jogaram da janela e o espancaram com selvageria. Lula, que viu a cena mas não fez nada, apenas comentou: "Eu achava que o pessoal estava fazendo justiça". Como o filme não tem senso de humor, o objetivo é comover o espectador pela exploração da miséria física e humana da paisagem difícil. Neste contexto, por exemplo, a cena de zoofilia citada por Lula na infância, conforme seu relato à "Playboy" (em julho de 1979) fica de fora. Como de fora fica o episódio marcante em que Vavá, o irmão mais velho de Lula, rouba mortadela para matar a fome da família.

Na semana passada, li no blog do Roberto Almeida que o filme aqui tratado não prosseguirá na busca pelo Oscar. Infelizmente para o Brasil. Acho que já passou da hora de termos um Oscar e uns prêmios Nobel, ao menos na literatura (fica difícil com Chico Buarque achando que é escritor e ganhando prêmio de 1º lugar tendo ficado em 2º; e Paulo Coelho só falando de bruxas e misticismo).
A vida do Lula, essa sim, merece um Oscar. O filme que a retrata, parece que ainda não!

O Túnel Do Tempo...

Na época em que estudei em Garanhuns, com freqüência eu tinha contato com um senhor simpático, elegante, trejeitos ingleses e muito bom de conversas. Como também sou de conversa fácil, íamos sempre discorrendo sobre vários assuntos no ônibus dirigido por Nininho. Certo dia, para minha surpresa, esse senhor me contou uma história interessantíssima. Tornou-se famoso dentro do ônibus que eventualmente usava quando voltava de Caetés (ele morava em Garanhuns na época) em visita a seus parentes. Mal sabia eu que esse senhor foi o homem que transportou a família do Lula até o sudeste. Mexendo aqui nos sites, encontrei uma entrevista com ele e pude revê-lo. Vejam que história!

ENTREVISTA COM O MOTORISTA QUE LEVOU LULA E A FAMÍLIA PARA SÃO PAULO EM 1952.

Ao reconstituir a história da vida do presidente Luiz Inácio Lula da Silva para o filme Lula, o Filho do Brasil, a ser rodado em 2009, o cineasta Fábio Barreto deparou com o caminhoneiro José Francisco dos Santos.

Ele diz ser o motorista que, há 56 anos, levou Lula e sua família de Garanhuns, no interior de Pernambuco, para São Paulo. O caminhoneiro relembrou a viagem em entrevista à repórter Mariana Amaro.


Como foi a viagem que o presidente Lula fez, ainda criança, para São Paulo?

Começou às 5 horas da manhã de um dia de calor de 1952 e durou para mais de dez dias. O menino Lula quase ficou para trás.

Como isso aconteceu?

Logo que peguei a estrada, pediram para ir ao banheiro. Parei. Uns vinte minutos depois, disseram que todo mundo já estava no pau-de-arara. Como eram mais de 100, não tinha condição de contar. Perguntei de novo se estava todo mundo lá. Disseram que sim. Já tinha rodado uns 40 metros quando uma mulher gritou: “Meus filhos ficaram”. Parei e vi dois moleques pançudos chorando e correndo atrás do caminhão. Um dia desses, o Vavá (Genival Inácio da Silva) me contou que eram ele e Lula.

Quanto o senhor cobrou pela viagem?

Deles, eu não cobrei nada. Não tinham de onde tirar. Estavam passando necessidade. Um político amigo meu me explicou a situação e pediu que eu não cobrasse. Fiquei no prejuízo. O político me disse que eram oito pessoas. Quando eu cheguei, onze me esperavam. Como cada passagem custava 250 cruzeiros, deixei de ganhar 2 750 cruzeiros. Eles não foram os únicos que vieram de graça. Eu trouxe mais de 100 000 pessoas para São Paulo. Não teve viagem em que não viesse alguém sem pagar.

Mas era um bom negócio ser dono de pau-de-arara?

Era ótimo. Cheguei a ter quatro caminhões para trazer o povão do Nordeste para São Paulo. Juntei bastante dinheiro. Acabei perdendo quase tudo quando entrei na política. Em 1962, eu me elegi vereador em Garanhuns. Tive um mandato de seis anos. Fui do partido do governo militar, a Arena (Aliança Renovadora Nacional). Gosto muito de política, mas, naquele tempo, tinha de ter dinheiro para entrar nela. Os eleitores exigiam muito. Cobravam pelo voto. Queriam sapato, roupa, passagem, consulta médica…

O senhor já votou em Lula?

Nunca. Não votei nem votarei. Até a família dele dizia que ele era comunista, e eu sempre fui de direita. Aliás, tenho um desejo grande: gostaria de viver para assistir à volta do regime militar ao nosso país. Foi Pedro Álvares Cabral quem descobriu o Brasil, mas quem construiu o país foram os 21 anos de governo militar. Se for tirado o que o regime militar construiu, não fica nada.

Depois da viagem, o senhor chegou a reencontrar o presidente?

Sim. Em 2006, ele foi a Garanhuns e falou que queria me conhecer. Quando cheguei, esperei que fosse, pelo menos, me oferecer a mão. Ele falou para mim: “Dizem que foi o senhor que levou minha família e eu para São Paulo em 1952″. Eu respondi: “Dizem não, é a realidade”. Lula deve ter pensado que era mentira, porque me pareceu muito mal-agradecido. Depois, quis ver onde ficava a casa em que ele estava quando eu passei para buscar a família. Aí, foi um pouco mais simpático.

O senhor se arrepende de ter-lhe dado carona?

Na vida, só me arrependo de não ter aprendido a ler direito. Se eu tivesse estudado, seria um Rui Barbosa.

Fonte: Veja

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Recordações De Caetés


Recordações De Caetés:

Antigo Relogio Digital Da Cidade.

HERANÇA MALDITA

O lado positivo do governo Lula, foi que, como um liberal, deixou a economia funcionar do jeito que estava, com o comando sendo do banco central. Deixou passar, deixou seguir. Todavia, no segundo mandato, já cheio de popularidade pelos resultados da economia capitalista, por isso livrando-se do escândalo do mensalão, começou a desequilibrar as contas públicas, deixando um enorme abacaxi para sua Dilma descascar. Gastou dinheiro, grande parte com despesas correntes, como aumentos ao funcionalismo e cerca de cem mil novas contratações. Aumentou os famigerados cargos de confiança. Inchou o estado e o aparelhou, quando na oposição, pregava o contrário, ou seja a isonomia na administração pública, em outras palavras, a meritocracia. Tudo que era criticado por privatização do estado, ou o velho patrimonialismo, inclusive nepotismo, com o enriquecimento misterioso da família ele apoiou. Com o mensalão, nem falou mais de corrupção, qua ademais andou solta. Alguém duvida? Muitos ficam espantados pelas críticas a ele, e muitos idiotas da objetividade acham que ele foi o maior presidente que o Brasil já teve. Fazer o quê? Ou será que sejam desinformadas? Isto sem falar da política externa. O Brasil vei levar anos para recompô-la. Na ânsia de brilhar para a mídia mundial, vai levar tempo para o Brasil tomar assento no conselho de segurança. A Índia, estimulada pelos Estados Unidos, vai antes. Ou será que tudo que escrevi acima é mentira, ou fruto da minha imaginação?

MITO E REALIDADE

Lula é um operário, que saiu de Caetés ainda pequenino, expulso pela miséria do pré-capitalismo da região, como milhões ao longo da nossa história. Ascendeu a operário quando se especializoui no sesi, depois entrou na máfia sindical, que posava de revolucionária. Juntamente com esquerdistas críticos com a política do partidão(PCB), fundou o PT, em plena ditadura. Dizem que na época, a criação do partido foi estimulada pelo então mago do regime, Golbery do Couto e Silva para dividir às oposições agregadas no então MDB. Que com a reforma partidária de Figueiredo que possibilitou a criação do PT e do PDT, dentre outros, passou a chamar-se PMDB. Foi contra a transição democrática com Tancredo no colégio eleitoral, e até antes de sua eleição, dizia que tinha um “plano alternativo para o Brasil”. O plano mesmo não existia, e a política econômica ficou na mesma, aliás , para o bem do país. Como é um político hábil, e pegou uma situação internacional quase que inteiramente favorável, é adorado pela população. Só porque o povo gosta dele, e com ele se identifica, devo também elogiar? Aplaudir ou chorar com suas idiotices? Como diria Paulo Francis, “a voz do povo é a voz da imbecilidade”. Aliás, como faz falta o velho jornalista.

HERANÇA MALDITA II

Dilma vai ter que pegar o lado ruim dos governantes, que é dar um verdadeiro arrocho nas contas públicas, para não estourar tudo. Ainda mais vai herdar um ministério, boa parte escolhido pelo barbudo falador. Ainda mais aguentar uma aliança com o PMDB, que já está brigando com todas as armas com o PT pelos cargos na chamada máquina pública. Claro, quase todos querem roubar para investir na política, mantendo o cíclo vicioso do estado braileiro com a corrupção, que aliás, se torna endêmica.

RESTOS DA MESA EM CAETÉS

Além da corrupção da cúpula do governo municipal que opera em Recife, alguns funcionários, inclusive de mais baixo escalão como motoristas, enriquecem a olhos vistos, construindo mansões e comprando carros novos. Tem um que disse a um conhecido meu que só não comprava uma “hilux” àquele carrão da toyota, para não concorrer com figuras maiores do governo. Alguns “engordam” seus patrimônios e suas calorias, com a merenda escolar, que quase não chega aos alunos. Uma vergonha. Até os postes sabem disso na cidade. Já os corruptos maiores só chegam na cidade nas épocas das eleições. Tem muita gente que recebe mensalões, devidamente aconchegados em envelopes pardos. Se votar contra, não tem, nem adianta fazer beicinho. Estes brigam pela oligarquia de plantão.

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

MUNDO ÁRABE --- NOVOS VENTOS?


MUNDO ÁRABE – NOVOS VENTOS?







O que está acontecendo na Tunísia é muito interessante, e mostra as incertezas da política, e a imprevisibilidade da história. A Tunísia, país árabe-mulçumano de maioria sunita situado no norte da África, foi ocupado pela França nos tempos da colonização. Em l956, no rastro da libertação argelina, também conseguiu sua independência. É consideraqdo um dos países de boa situação econômica em relação aos países africanos, e vem há um certo tempo sendo governado por um ditador, Ben Ali, que se coloca como sendo uma barreira para o crescimento do fundamentalismo islâmico entre as massas. Com um massivo movimento nas ruas,ele teve que deixar o poder, exilando-se na Arábia Saudita. O povo também pede a dissolução do governo títere que o sucedeu, e exige a realização de eleições livres e democrásticas no país. Segundo a ONU, já mporreram pelo menos 117 pessoas nos conflitos, e as oposições se fortalecem cada vez mais.


Surpreendidos pelo movimento, outros ditadores como o do Egito ou mesmo da poderosa Arábia Saudita, tremem em suas bases. Antes, pressionados pelo fundamentalismo islâmico, de tendências marcadamente autoritárias e teocráticas. Agora, por um movimento democrático, que pode abrir uma grande brecha de democracia, no autocrático mundo árabe mulçumano, aonde nem de longe existe democracia. A não ser a do Iraque, imposta pelos Estados Unidos.






REVOLTA NA INTERNET






Muitos comentam que a revolta na Tunísia foi facilitada e , digamos, viabilizada pela internet. Aonde são marcadas as manifestações de massa, e também correia de transmissão de uma grande cadeia de informações entre sa população e o movimento civil. Realmente, é muito interessante esta relação entre as informações da internet, e a pretensção de regimes de força manterem as populações eternamente isoladas uma das outras, ou seja, atomizadas. Quebrado este pressuposto fundamental dos regimes autoritários e totalitários - a atomização do ser humano e o isolamento entre as pessoas - a democracia, e a obtenção de informações em caráter quase ilimitado, andam juntas. Aliás , não existe democracia sem informações. É difícil controlar a internet. Vamos acompanhar este movimento, pois seria interessante o processo de democratização desses países, mesmo há mais de duzentos anos da velha revolução francesa.






CHINA






Memo interligados economicamente falando, foi bom os mericanos darem muns pitos nos chineses sobre desrespeito aos direitos humanos no país. Aliás, o sistema de partido único do partido comunista chinês, amoldou-se direitinho a tradição despótica dos regimes orientais, onde historicamente a chamada sociedade civil é inteiramente submetida ao estado. O próprio confuciionismo não deixa de ser um substrato ideológico para a manutenção do sistema, pois comunga o respeito às autoridades constituídas e à hierarquia. Seria interesante um movimento democrático num país de mais de um bilhão de habitantes. E uma lição para o resto do mundo. Mas a China continua sendo mum cacareco político e um dinossauro ideológico. Até quando?

domingo, 23 de janeiro de 2011

Lula, O Palestrante.


Parece que o ex-presidente Lula já definiu o seu futuro profissional: partirá para as bem-remuneradas palestras. Foi o que noticiou hoje a Folha. Segundo o jornal, Lula começará com o seu novo trabalho em março.
Fiquei curioso aqui comigo: quem, além da pelegada e dos xeleléus das estatais pagaria para ouvir uma palestra do Lula? Resposta difícil, hein...sem falar que cada uma dessas palestras sairá por 200 mil reais.

O que tem a dizer um cidadão que menospreza o estudo, diz que livros lhe dão sono, que a mãe nasceu analfabeta, faz pouco do conhecimento e é um poço de frases idiotas? Também não sei. Mas posso imaginar.
Possivelmente, ele discorrerá sobre o enriquecimento dos filhos e suas 6 empresas, sobre como tornou-se anistiado político sem jamais o ter sido, de como fez para receber a Bolsa- anistia ( 4.500 reais aproximado), se é verdade o que ele disse sobre o seu colega preso e os atentados sexuais ( menino do MEP, veja no Google), de suas ligações com as Farc através do Foro de São Paulo, e tantas outras coisas pendentes.

Eu, pessoalmente, não assistiria a uma palestra do Lula. Não vejo em quê algo que ele diga possa acrescentar ganhos à vida de uma pessoa. Não tenho admiração por quem menospreza livros, leitura, conhecimento. Não vejo dignidade em corruptos, em quem flerta com o autoritarismo e em quem mente sistematicamente para quem nele confiou. Felizmente para ele, o Brasil ainda é um barco de tolos e há, por aqui, campo fértil para o desenvolvimento e a prática da idiotice e da balela como arma política e ideológica.
O José Serra também disse enveredar por esse caminho bem antes do Lula mas, convenhamos, ele o faz por mérito, tem preparo pra isso, tem muito a dizer. Da mesma forma o FHC, palestrante desde há muito, alguém que não odeia livros, um gigante de fato; realiza em torno de 30 palestras por ano, em toda parte do mundo.
Porém querer incluir Lula nesse nicho já é forçar a inteligência e o bom senso das pessoas, além da amizade, claro.
A Marilena Chauí, que se diz filósofa só porque interpretou algumas passagens de livros sobre esse assunto, disse certa vez que quando o Lula abre a boca, o mundo se ilumina. Pra vocês verem a que ponto a ignorância chegou nesse país.
O PT tornou o Brasil mais burro, ta aí a prova definitiva!


sábado, 22 de janeiro de 2011

Rondônia.



O Estado de Rondônia foi criado oficialmente em 1981, no governo do General João Figueiredo e recebeu esse nome em homenagem ao militar, sertanista, desbravador e professor Cândido Mariano da Silva Rondon. Antes disso, Rondônia possuiu outros nomes como Território do Guaporé ( 1943) e Território Federal do Guaporé (1956).
É um dos sete estados da Região Norte do Brasil e, apesar de sua pouca idade institucional e de colonização, é uma terra progressista.

Tem por capital Porto Velho e mais 51 municípios ( PE possui 185).
Sua área é de pouco mais de 237 mil km² ( PE possui uns 98 mil km²).
A população absoluta é de pouco mais de 1,5 milhão de pessoas ( PE possui mais de 9 milhões), Só a RM do Recife possui mais habitantes que todo esse estado.
A composição étnica é interessante: grande número de migrantes sulistas (paranaenses, barrigas-verdes e gaúchos) nordestinos (cearenses e baianos; pernambucanos são raros, infelizmente) e negros quilombolas. A quantidade de indígenas é risível. Há mais indígenas declarados em Pernambuco do que em Rondônia, hehe. Na região em que moro, centro-sul do estado, há menos índios que em Águas Belas ou Pesqueira. Também as matas foram praticamente extintas por aqui. Rondônia desmatou mais de 3/4 das suas matas. É o estado nortista que mais desmatou.
Esse estado tem divisas com MT, AM e AC e fronteira com a Bolívia.

Bandeira de Rondônia.


O analfabetismo por aqui fica em torno de 9,2% da população ( em PE é 17, 9%).
A mortalidade infantil é de 23 por mil nascidos ( em PE é 37 por mil).
A renda per capita no estado é de 10.300 reais ( a de PE é 7.300 reais).
Em Rondônia, 24% das pessoas vivem com renda de até um salário mínimo (em PE são 39%).

A taxa de homicídios aqui também é um pouco menor, 20 por 100mil ( PE tem 22 por 100 mil). Nesse estado, cultua-se menos o ócio. O número de atendidos pelas esmolas do governo é mínimo. A saúde pública ainda é péssima, como em todo o Brasil.
Jamais vi professores em paus de arara( não há erro gramático aqui, leitores, trata-se de uma locução) nesse estado, como é corriqueiro e dos quais fui vítima em Caetés.
Em quatro anos na mesma escola, nunca faltou um prato de merenda para a molecada. Algo impensável no Caetano.
Rondônia ainda peca muito no que diz respeito à infraestrutura. É muito carente em saneamento básico, principalmente coleta de esgotos, tubulações, tratamento, asfalto. Obviamente água por aqui é abundante e limpa, sempre tratada e com uma fartura danada. A base da economia desse estado é a pecuária, fortíssima e geradora de muita riqueza. As lavouras já eram, ao menos aqui no centro do estado. A bola da vez é criar gado. Nessa cidade onde moro, há três frigoríficos exportando carne para Europa e Ásia. Nunca soube de, nem conheci alguém que, no seu trabalho, ganhe menos de um salário mínimo. Há um pouco de decência em Rondônia ainda.

Rio Guaporé, fronteira.



Há quatro anos, quando decidi vir morar em Rondônia, tentaram me assustar com clichês e estereótipos do tipo: '' ah, tem malária, tem macacos, tem matas''.
Não adiantou, vim. Malária, nunca presenciei alguém doente. Macacos, vi muitos nas minhas viagens e pescarias; matas, são escassas, raras, pequenas tabocas, quisera houvessem mais. Gravatá tem mais Mata Atlântica do que Rolim tem Floresta Amazônica, hehe.
Igualmente por aqui, ao chegar, sempre ouvia que suspeitavam não haver, no Nordeste, vida inteligente ( O Lula ajudou muito na formação desse falso conceito), e minha vinda e de muitos outros colegas e amigos foi ótima para desmitificar essa lorota. Há um grande número de professores nordestinos por aqui. Fazem um ótimo trabalho e são muito reconhecidos como importantes, até essenciais.
Rondônia não é um paraíso. Também não é o inferno de Dante.


Rolim de Moura, moro aqui.


Os dados achei no Almanaque Abril/ 2010.

Até Novela, Huguito?!

Não contente em perseguir a oposição, prender adversários, fazer fanfarra com a economia do país, blefar com os americanos, entregar o país à marginalidade e governar por decreto, o bufão Hugo Chávez agora deu para censurar até novela.
Isso mesmo! Trata-se da novela colombiana Chepe Fortuna, na qual uma das personagens chama-se Venezuela e tem características caricaturais do país de mesmo nome: é barulhenta, briguenta, confusa, fofoqueira, arrogante, gorda, espaçosa, e, como se não bastasse, ainda possui um cachorro chamado Huguito. Essa personagem tem também uma irmã chamada Colômbia. Trata-se de uma sátira, claro. E como tal, não agradrou ao tiranete venezuelano que decretou sua saída do ar na Venezuela ( ele ganhou plenos poderes por 18 meses e governa por decreto).
Realmente a coisa na Venezuela não anda nada boa.
Num país onde o mandatário se importa até com obras de ficção, a situação das liberdades individuais anda de mal a pior.

Nesta semana, a Venezuela também começou a instalação de um cabo submarino para levar internet rápida à Cuba. Vai ver o Coma Andante tem tantos segredos com o Chávez que a internet convencional não está dando conta.



No texto abaixo, falei que é idiotice acusar de racismo alguém que disse que o QI dos baianos é baixo. Interpretem direito e não escrevam bobagens a respeito. O que tem a ver QI com cor de pele? Agora, não é discutível que a cultura baiana está na sarjeta e vai junto engolindo as tradições de PE. Nessas famigeradas micaretas, pragas por aí, só toca-se os lixos baianos e seus derivados, mentira minha?

Baiano é Raça?


Este senhor acima, o coordenador do curso de medicina da UFBA, senhor Antônio Natalino Dantas, após justificar as baixas notas dos alunos do seu curso no ENADE relacionando-as ao baixo QI dos baianos, está passando por um linchamento moral na Bahia.
Acusado de todos os crimes imagináveis, como nazismo, difamação e outros, o mais hilário é o de racismo. Então, baiano agora é raça? Que feito antológico! Tal descoberta tem de ser comunicada às faculdades de antropologia do mundo, já que no Brasil descobriu-se uma nova raça: a raça baiana.

Acusar de racismo e de nazismo um homem que diz que o baiano tem QI baixo é algo desnecessário e improvável. Pelo que se ver, o QI dos baianos está na fossa mesmo.
A cultura baiana era Castro Alves, Herberto Sales, Rui Barbosa, Romano Galeffi, Jorge Amado e outros grandes.
Hoje, cultura baiana é o Gilberto Gil, ora!
Antigamente, dizia-se que baiano burro nascia morto. A partir do momento em que o Gilberto Gil assumiu o Ministério da Cultura, lá em Salvador morreu o último baiano inteligente. E agora não tem mais remédio, o que se vai fazer? A Bahia já era. Aquilo ali era um cadinho, de onde saía muita coisa interessante, agora só sai bobagens.
Quando se começa a dá muita importância a esses valores culturais puramente folclóricos, você rebaixa o país.

Dia desses, o Gilberto Gil queria que o Samba do Recôncavo se tornasse Patrimônio Cultural Universal! Ora, o mundo não pode existir sem o Samba Do Recôncavo. O que é a Relatividade de Einstein ou a Lógica de Aristóteles diante do Samba do Recôncavo? O que é a Física Quântica ou a obra de Bach perto do Samba do Recôncavo? Meu Deus...O que seria do mundo sem o Olodum? Já não bastam as milhares de ONG's picaretas que sobem os morros, pagas com dinheiro do petismo, para ensinar a molecada a bater latas? A cultura baiana tá capenga mesmo. E chamar de racista e nazista a esse senhor é a prova de que o QI é baixo de verdade. Os baianos de hoje desonram a velha Bahia.

Dias atrás, a Gal Costa quase foi linchada por ter escrito no seu twitter que os baianos são preguiçosos, sendo que ela apenas recorreu a um clichê que rola o Brasil, sem nenhuma comprovação, claro, já que há preguiçosos em todos os cantos. Porém, como ser politicamente incorreto hoje em dia é quase crime, a cantora, que é baiana autêntica e uma das de grande talento, pagou o preço sendo ridicularizada em tudo o que é jornal. Hoje, se é tachado de racista quando se diz algo que esses movimentos sociais pelegos não gostam, uma pura sandice.
Bons tempos aqueles em que baiano burro nascia morto.

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Recordações de Caetés

Comício em 1986, Sítio Malhada da Arara. Da esq. para direita: Ramirinho, Lula Melquiades, Nezito, Luiz Arnaldo, Severino Gerino, Zè Miúdo e Tonton

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

REFORMA AGRÁRIA


REFORMA AGRÁRIA

Segundo o grande historiador marxista Eric Hobsbawn, a única reforma agrária que deu certo foi a capitalista, iniciada na Inglaterra em fins do século XVIII. Foi quando a agricultura ficou realmente volrada para o mercado. No início, a concentração de terras nas mãos de empresários, trouxe convulsões sociais, com o desordenado processo de urbanização. Milhões de camponses, à força, tornaram-se proletários, ou prestadores de serviços nas grandes cidades em processo de formação. Com o desenvolvimento capitalista, a urbanização trouxe para os seres humanos mais liberdade, seja de participação política, como de ascensão social e econômica. Milhares tornaram-se capitalistas, ou mesmo tiveram ascensão dentro dos quadros técnicos que surgiam, não só nas empresas, como também no estado, com sua crescente burocracia, modernizada em meados do século XIX com o desenvolvimento capitalista, sobretudo na Alemanha, na época recém unificada.  Com a urbanização a mulher começava a se libertar, depois de milênios de inteira dominação pelo patriarcalismo agrário até então dominante.

EMPRESA AGRÍCLA

Com a introdução do capitalismo na agricultura, realmente a mesma se modernizou, buscando novas técnicas para melhorar a produtividade, aumentando,  a médio e longo prazo as áreas plantadas, baixando o preço da comida patra toda a população, e também exportando comida industrializada, ou seja enlatadas. Depois da Europa, com a modernização de suas fazendas, inclusive no leste europeu, foi a vez dos então jovens Estados Unidos incrementarem a agricultura com a mecanização. Como por lá, no século XIX, a mão-de-obra era escassa e, portanto cara, eles aumentaram significativamente a produção, também com a conquista de novas terras para tal empreitada. O Brasil prosseguia com a agricultura movida a escravos. Muito lucrativa, porém dispendiosa pelo aumento constante do preço dos escravos, sobretudo depois da proibição da Inglatarra em meados do século, e a baixa produtividade, agravada pela grande mortalidade dos cativos.

AGRICULTURA FAMILIAR

Com o desenvolvimento do capitalismo, a concentração de terras foi aumentando. Hoje a agricultura de pequeno porte ainda subsiste com a ajuda de dinheiro púiblico, como é o caso da Europa, onde, calcula-se, o subsidio à agricultura chega a mais de quinhentos bilhões de euros anualmente. Aliás, o Brasil briga contra o subsídio há décadas nos fóruns internacionais.
Não só por parte dos europeus, mas também dos norte-americanos.

BRASIL

No Brasil, a população urbana já é mais de oitenta por cento. Nossa revolução agrícola, deu-se por volta dos  anos sessenta do século XX, quando descobriram as potencialidades do cerrado para a agricultura. Decerto, desde a colonização que o Brasil era um país agrícola. Com a introdução do cerrado, colonizado pelos gaúchos essencialmente, a agricultura nacional modernizou-se. Hoje o Brasil é um dos grandes exportadores de comida, e o único país que pode ainda dobrar a área plantada.  Os pequenos produtores devem ser assistidos pelo governo, pois é baixa a produtividade e o nível de mecanização, ou seja, baixa tecnologia, sobretgudo na região nordeste.

GASTANÇA E INUTILIDADE DA REFORMA AGRÁRIA

Sai muito caro o governo assentar famílias. E o resultado pífio. Estudos do governo indicam que no nordeste, mais de setenta por cento dos assentamentos rende menos do que um salário mínimo. Isto quando não abandonam as terras, e apesar da disponibilidade do crédito. No sul, mais de setenta por cento das famílias conseguem uma renda um pouco maior do que o salário mínimo, mas a pobreza persiste. Sairia nais barato subsidiar essa gente, pois um lotemento custa, em determinadas áreas, para o contribuinte, mais de setenta mil reais. E o MST, quer fazer a revolução socialista nacional a partir do campo, destruindo nossa agricultura moderna.  Os atuais denominados sem-terra, são na verdade, membros do velho lumpesinato, pessoas sem eira nem beira, deslocados e excluídos de quase tudo neste país, dirigidos por militantes supostamente revolucionários. Deve-se ter políticas públicas para estas pessoas, sobretudo ligadas à educação, e claro, não deixar que elas morram de fome. Mas não distribuindo terras. Sai caro, e é contraproducente, digamos assim. Por isso, membros do próprio governo petista querem mudar os paradigmas, pois como sabemos, um movimento como mo MST, não é só arcaico, como politicamente retrógado e reacionário, pois quer transformar o país numa ditadura stalinista, coisa impensável no mundo contemporâneo.    

Recordações De Caetés

Recordações De Caetés




Década de setenta , visita de frei Damião-Da Esquerda Para a Direita ; Soldado Moura,Iza De João De Bidu,Lula Beranadino,Rafael Brasil,Padre Geraldo e Eugenio,cercam frei Damião

Aids no Brasil.

Segundo o Ministério da Saúde há, hoje no Brasil, em torno de 600 mil pessoas com o HIV. Grande parte delas nem desconfia que possui o vírus, tardando a fazer o tratamento e comprometendo os resultados já que só descobrem quando está num estado grave da doença. Ter o HIV, no entanto, não significa que se tenha a AIDS. Até a doença se manifestar, vai um bom tempo.
Escrevo esse texto porque li ontem que o Brasil possui um ótimo programa de tratamento de aidéticos e isso merece reconhecimento.
Hoje no Brasil, todos os medicamentos antiaids são gratuitos e esse é um dos poucos países do mundo onde isso ocorre, não sendo encontrado remédio algum para essa doença em farmácias, nenhuma delas.
Obviamente, essa não é uma criação petista ( como eles querem parecer em tudo) mas merece aqui o mérito pela continuidade. Os primeiros remédios antivirais começaram a ser distribuídos gratuitamente em 1991. No entanto, com essa rifa de cargos na FUNASA e todo o loteamento que é feito desde o inepto Humberto Costa, vai se saber o futuro deste sucesso...

Dilma Cobra Ética! Já Vimos Esse Filme Antes!

No último dia 14, numa reunião ministerial, a presidente Dilma Ducheff cobrou ética aos ministros.
Não deixa de ser um bom presságio, se bem visto de quem estão compostos alguns ministérios. Dou exemplos:
O ministro do turismo, Pedro Novais gastou, recentemente, a bagatela de 2 mil reais em um motel. Nada demais, não tivesse ele usado dinheiro público para suas diversões à la Calígula.
A ministra pesqueira Ideli Salvatti gastou irregularmente 4 mil reais de verba indenizatória em hotéis de Brasília, enquanto recebia auxílio-moradia.
Assim, fica difícil para a presidente emplacar a ética num governo majoritariamente formado por petistas e peemedebistas, e tendo como grandes aliados gigantes da moral tais como Sarney, Temer, Collor, Renan, Raupp, Jucá, etc.
Estando Ciro certo, a presidente terá trabalho.